Ana Bossler

A política econômica e o fast fashion

A influência do neoliberalismo como teoria econômica no fenômeno do fast fashion.

Read in spanish
La política económica y el fast fashion

Este artigo é parte da linha de investigação Economia da Moda, a qual também integram Débora Rodrigues e Priscila Lima Pereira.

O fast fashion é uma estratégia de negócios que propõe a redução dos tempos dos processos envolvidos nos ciclos de compras, para proveer novos produtos nos centros de venda, satisfazendo, assim, a demanda no auge. Trata-se de um modelo pensado desde a pressão do consumo. Nasce do giro do conceito de product-driven para o quick response, idealizado pela indústria têxtil americana na década de mil novecentos e oitenta para responder à perda de competitividade pelos custos de produção relativos, e, à mudança no lifestyle do consumidor, que agora demanda novidades constantemente. Assim, a indústria da moda se transforma para manter a competitividade, agregando à variáveis preexistentes como o preço, a capacidade de atualizar o stock.

O neoliberalismo é uma teoria econômica que propõe que o bem estar geral é melhor atingido ao se suprimir as travas às liberdades individuais, numa estrutura institucional caracterizada por fortes direitos de propriedade, livre mercado e livre comércio. O neoliberalismo valoriza a economia de mercado como uma «ética» em si, capaz de atuar como guia das ações humanas.

Isso requer a criação de tecnologias de informação para acumular, transferir, analizar e usar grandes bases de dados para guiar as decisões no espaço global, fazendo com que emerja a sociedade da informação. Essas tecnologias comprimiram a crescente densidade das transações no mercado, tanto no espaço quanto no tempo. Quanto maior a margem geográfica (ênfase na globalização), e mais de curto prazo os contratos, maior a vantagem.

Entre suas principais caracterísitcas se destacam a nova expansão no tempo e no espaço: apesar da existência de uma escala global nas economias há séculos, os neoliberais encontraram novas áreas de mercantilização, o que os diferencia do liberalismo clássico. Os liberais clássicos não iriam pensar que um mercado é menos livre porque seu comércio fecha à noite: a expansão de horas de comércio é uma política neoliberal. Para eles, uma economia de 23 horas é injustificável, ou seja, nada menos que uma economia de 24 horas pode expandir o mercado ao máximo, bem como suas margens.

A velocidade de transação é aumentada. A compra online tem custos, ainda que esteja disponível gratuitamente com 5 minutos de atraso. As companhias são tão rápidas, que repassam esses dados em forma de anúncios. Negociadores compram e vendem esses minutos. Programas automatizados, onde o computador está ligado diretamente ao mercado de ações efetuam a operação.

Como se poderia esperar de uma filosofia, o neoliberalismo oferece respostas a questões tais como por quê existimos e que devemos fazer. Existimos para o mercado e devemos competir. Logo, toda a vida social é regulamentada pelos princípios maximizadores do mercado, e que essas «transações» não sejam monetarizadas, demonstra como o neoliberalismo atua além da economia. Redefinimos nossas preferências, as quais são caracterizas pelo curto prazo em instituições relativas à cultura, profissão, sexo, emoção, família, domínios internacionais, política e, claro, à moda.
Não é coincidência que o fast fashion tenha começado a se desenvolver no periodo em que o neoliberalismo conquistava legitimidade no cenário político econômico internacional. Economias submergidas nas crises de dívidas da década de mil novecentos e setenta, buscavam uma saída para essa situação, e as condicionalidades do FMI, traduzidas pelo Consenso de Washington, cobravam reformas institucionais que impactaram na escolha dos agentes.
Essas reformas transformaram o lifestyle do consumidor, mudando também seu padrão de demanda. A transformação dos consumidores, que agem no curto prazo, maximizam suas escolhas, detêm informação (demandando novos produtos em lapsos temporais cada vez menores), impacta na cadeia produtiva. Responder eficientemtente à demanda é o modelo de negócios de sucesso dos retailers de moda atualmente. O fast fashion surge, assim, desde essa perspectiva, como consequência da demanda e não como fenômeno de transformação do conceito da oferta.

Entretanto, uma breve análise da transformação da cadeia produtiva desde a teoria neoliberal deixa claro que a pressão pela expansão dos mercados em infinitos lapsos temporais é uma pressão originada na oferta. Controle de estoques, impulsionados pelo método toyotista (o qual ganhou destaque a partir dos anos mil novecentos e setenta), permite uma melhor reação à formação de preços. Melhores sistemas de formação que possibiltam uma maior previsão de mercado (traduzido pelas pesquisas de tendências, matéria priam e consumo) reduzem as assimetrias de informação. A internacionalização das marcas e as vendas on-line expandem mercados.

A cadeia produtiva se transforma para aumentar suas margens, sistema praticado por todos os setores da economia e não só pela indústria da moda. Assim, há uma pressão da oferta para que mude a demanda, que agora tem que consumir o que a indústria oferece. Novidades quinzenais nos retailers (modelo tradicional já quase obsoleto), num mercado impulsionado por uma exposição crescente do consumidor à informação de moda (multiplicação de editoriais e revistas especializadas, blogs e websites) preparam o consumidor para a expansão de suas compras, num modelo em que o que se veste hoje está desatualizado amanhã.

Conclui-se que no fast fashion a oferta tem sido essencial para alimentar o desejo do consumidor, não como sujeito que reage à mudança, mas como variável fundamental que integra e move o modelo. Portanto, o giro em direção ao conceito de quick response pode ser entendido como consequência do aumento da eficiência e formação de preços, e não, limitadamente, a uma resposta à demanda marginal.

Author
Ana Bossler Porto Alegre

Published on 15/11/2012

IMPORTANT: This article does not express the opinion of the editors and managers of FOROALFA, who assume no responsibility for its authorship and nature. To republish, except as specifically indicated, please request permission to author. Given the gratuity of this site and the hyper textual condition of the Web, we will be grateful if you avoid reproducing this article on other websites. Instead, we suggest and value a partial reproduction, also including the name of the author, the title and the source (FOROALFA), a link to this page (https://foroalfa.org/articulos/a-politica-economica-e-o-fast-fashion) in a clear and visible place, inviting to complete the reading.

Related

Illustration:
Luis Equihua
Author:

Luis Equihua

Title:

Qué es el valor agregado

Synopsis:

Se suele decir que el diseño agrega valor al producto, pero, ¿de qué forma lo hace?

Votes:
32
Comments:
9
Followers:
8
Idioma:
ES
Illustration:
Victor Garcia
Author:

Victor Garcia

Title:

Kusi Kusi: la identidad como un (penoso) ‘Asunto de Estado’

Synopsis:

Un internacionalmente reconocido y multipremiado teatro de títeres de Lima, activo desde hace medio siglo, reclama por la usurpación de su marca, por parte de Canal 7 TV Perú.

Translations:
Read in english
Votes:
44
Comments:
33
Followers:
184
Idioma:
ES
Illustration:
Fernando Del Vecchio
Author:

Fernando Del Vecchio

Title:

Mis clientes no me valoran, ¿qué puedo hacer?

Synopsis:

Una excelente excusa para no hacernos cargo de una situación que exige nuestra atención: el perfil de diseñador debe transformarse.

Translations:
Read in portuguese
Votes:
271
Comments:
29
Followers:
567
Idioma:
ES
FOROALFA ISSN 1851-5606 | Contactar | Publicidad | ©Luciano Cassisi 2005~2016