Pau De Riba

A realidade de «reality»

Temos saudades da autenticidade pre-marketing, criámos uma estética de tradição e de artesanato artificial

Read in spanish
Realidad de «reality»
Read in english
Reality of «Reality»

Nunca existiu uma padaria tão genuinamente rústica como as que existem atualmente nas nossas cosmopolitas cidades. O pão nunca foi tão artesanalmente autêntico como o que é produzido industrialmente pelos franchise da panificação. Os cortes estão perfeitamente colocados, a sua irregularidade é impecável, como que esculpida no melhor software de design 3D. Às vezes até parece que adivinho onde estão as bolhas sob a farinha cenográfica que as cobre.

Mas estas padarias nunca existiram. A partir de certos elementos históricos, a nossa sociedade sobressaltada no seu caminho à modernidade imaginou um passado idílico onde os padeiros tinham o cabelo branco da sabedoria e o sorriso de uma vida sem stress. E no entanto a realidade histórica mostra-nos um cabelo oleoso sem champôs de amêndoa e uma vida de risco sem segurança social... Não é mais agradável a recreação que a realidade?

Jean Baudrillard e a «hiper-realidade»

No verão passado tive a oportunidade de descobrir o ensaio «La precesión de los simulacros» de Jean Baudrillard, e impressionou-me ver como em 1978 intuiu alguns fenómenos que hoje se encontram no seu máximo esplendor. Baudrillard alcunhou com o termo «hiper-realidade» que definiu como «a simulação de algo que nunca existiu realmente», uma imitação que chega a emancipar-se da própria realidade que imita para a superar e a substituir.

A hiper-realidade está hoje tão presente que se tornou invisível: evidente nos parques temáticos e nos efeitos especiais, mas também nas batatas fritas «artesanais» de supermercado, nas camisas «étnicas» dos artesões que gostariam de vestir a t-shirt Nike do Barça, nos jeans novos «usados», nas emoções «espontâneas» em frente às câmaras do Big Brother e em geral em tudo aquilo que  proclama ser «autêntico».

Mas para mim o ponto mais fraco é o sector alimentar, como o da padaria hiper-rústica. Com que sentido teatral é que as vigas de madeira velha nos fazem duvidar que estamos num edifício de betão armado! O empenho em envelhecer mesas novas! Quantos esforços para fazer-nos acreditar que, apesar de vender toneladas de pão por dia, «selecionam cuidadosamente cada grão de trigo»! Que sentido faz, se o nosso cérebro sabe que é ficção? Já nos habituámos e deixámos de ser conscientes dele. Baudrillard também adverte que acabamos por preferir a hiper-realidade à realidade. Quem é que quer ver os ângulos da indústria da panificação? Quem é que gosta de tanques de aço e da frustração da médica peruana que teve de aceitar o cargo? Como no filme «The Truman show», parece que fazemos parte da encenação.

De onde vem tanta devoção pela hiper-realidade?

A sacralização do tradicional

A realidade de ontem era os artesãos e a realidade de hoje é a produção industrial. Sob a tendência de esconder a realidade sob a hiper-realidade do conto do padeiro, se calhar esconde-se um certo mau estar com o momento histórico que nos toca viver.  Na procura da eficiência máxima, a nossa sociedade industrial sacrificou a escala humana e o bom senso da produção artesanal, mas também trouxe-nos amenidades que agora são a base do nosso estilo de vida.

Author
Pau De Riba Barcelona
Translation
Ines Reis London

Published on 30/07/2013

IMPORTANT: This article does not express the opinion of the editors and managers of FOROALFA, who assume no responsibility for its authorship and nature. To republish, except as specifically indicated, please request permission to author. Given the gratuity of this site and the hyper textual condition of the Web, we will be grateful if you avoid reproducing this article on other websites. Instead, we suggest and value a partial reproduction, also including the name of the author, the title and the source (FOROALFA), a link to this page (https://foroalfa.org/articulos/a-realidade-de-reality) in a clear and visible place, inviting to complete the reading.

Related

Illustration:
Joan Costa
Author:

Joan Costa

Title:

Nascimento e evolução da marca em 7 passos

Synopsis:

A marca comercial nasceu à 3500 anos. Primeiro foi um signo, depois um significado, logo uma história televisiva de 30 segundos. Hoje, um fenómeno social e transmedia complexo.

Translations:
Read in spanish Read in english
Votes:
18
Comments:
2
Followers:
1907
Idioma:
PT
Illustration:
Sebastián Vivarelli
Author:

Sebastián Vivarelli

Title:

Identidad a puro gol

Synopsis:

El universo simbólico relacionado con los clubes de fútbol, y particularmente sus escudos, constituye un rico campo de análisis en relación a la construcción de identidad y el sentido de pertenencia.

Votes:
69
Comments:
27
Followers:
267
Idioma:
ES
Illustration:
Guillermo Dufranc
Author:

Guillermo Dufranc

Title:

100 años apostando al diseño de packaging

Synopsis:

Con una silueta única, la botella Contour de Coca-Cola sigue siendo uno de los más famosos e inconfundibles diseños de todos los tiempos.

Votes:
81
Comments:
13
Followers:
349
Idioma:
ES
FOROALFA ISSN 1851-5606 | Contactar | Publicidad | ©Luciano Cassisi 2005~2016