Toda marca deve ser...

Doze normas supostamente «universais» do design de marcas gráficas.

Retrato de Norberto Chaves Norberto Chaves Barcelona

Seguidores:
3062
Opiniões:
1
Votos:
19
Compartir:

Passam as décadas - quase um século - e no meio profissional do design de marcas (sem falar no meio acadêmico) segue-se ouvindo afirmações surpreendentes, abertamente refutadas pela realidade. Em amplos setores do design, o trabalho segue governado por mitos muito dificilmente erradicáveis: as superstições, pelo seu próprio conceito, não escutam razões nem atendem aos fatos. Aqui vão doze clássicos da mitologia profissional:

  1. Toda marca deve fazer alusão à atividade da organização ou à identidade do produto.
    FALSO: em alguns casos, sim; na ampla maioria, não.

  2. Toda marca deve incluir um símbolo que complemente o logotipo.
    FALSO: em alguns casos o símbolo é indispensável; em outros, supérfluo; e, em casos minoritários, opcional.

  3. Toda marca deve ser singular, ou seja, não responder a códigos gráficos convencionais.
    FALSO: em alguns casos a marca deve ser singular; em outros, absolutamente convencional.

  4. Em toda marca, o logotipo deve estar manipulado, ou seja, deve ter alteradas as letras ou a relação entre elas.
    FALSO: em alguns casos a transgressão das normas tipográficas ou caligráficas é útil e, em outros, prejudicial.

  5. Toda marca deve ser amigável, informal ou coloquial.
    FALSO: somente em muitos poucos casos a informalidade da marca pode coincidir com o perfil ótimo da organização ou do produto.

  6. Toda marca deve ser moderna, ou seja, ajustar-se a linguagens gráficas contemporâneas.
    FALSO: o próprio atual «estilo de época» é a pluralidade de estilos; e algumas marcas devem ser legitimamente «clássicas» ou, inclusive, «retrô».

  7. Toda marca deve aderir às últimas modas gráficas.
    FALSO: somente as marcas de entidades efêmeras poderiam somar-se a linguagens efêmeras; pois a obsolescência raramente é favorável.

  8. Toda marca deve ser «rejuvenescida» periodicamente.
    FALSO: somente se justifica seu redesign quando seja detectada sua baixa qualidade ou sua perda de competitividade.

  9. Toda marca deve ser «dinâmica» ou estar projetada para mudar de forma.
    FALSO: somente deverá ser «declinável» quando a diversidade de atividades requeira sub-marcas articuladas.

  10. Toda marca deve se ajustar ao perfil do público.
    FALSO: a marca deve se ajustar ao perfil de seu dono (a organização ou o produto) e é a oferta destes a que deve ser apetecível por seus «targets».

  11. Toda marca deve ser «vendedora», ou seja, induzir à compra.
    FALSO: as marcas com função de reclame publicitário só se observam em alguns casos de consumo impulsivo.

  12. Toda marca deve ser sintética e pregnante.
    FALSO: em muitos casos deve ser; quando as exigências de rapidez de leitura e memorização sejam prioritárias. Em outros casos, tal requisito acaba sendo supérfluo.

Moral da história

O design profissional de marcas gráficas é sempre específico, não sujeito a normas supostamente universais nem receitas. Ou seja, deve ser observado cada caso: detectar as condicionantes particulares provenientes do perfil estratégico e das condições específicas de comunicação. Nas doze hipóteses anteriores, sua falsidade provem da palavra «toda», ou seja, da atribuição de universalidade à respectiva norma.

Traduzido por Luiz Claudio Gonçalves Gomes Campos Dos Goytacazes

Seguidores:
3062
Opiniões:
1
Votos:
19
Compartir:
Código QR para acesso ao artigo Toda marca deve ser...

Este artigo não expressa a opinião dos editores e responsáveis de FOROALFA, os quais não assumem qualquer responsabilidade pela sua autoria e natureza. Para reproduzi-lo, a não ser que esteja expressamente indicado, por favor solicitar autorização do autor. Dada a gratuidade deste site e a condição hiper-textual do meio, agradecemos que evite a reprodução total noutros Web sites. Publicado em 28/03/2016.

Norberto Chaves

Mais artigos de Norberto Chaves

Título:

Arte, design e ideologia

Resumo:

Sobre o preconceito tenaz que atribui ao design o caráter de área artística.

Compartilhar:
Título:

Com meu design não se intrometa!

Resumo:

O tabu da crítica interprofissional: insegurança, paranoia e refúgio no corporativismo.

Compartilhar:
Título:

Iconicidade e velocidade de leitura

Resumo:

As virtudes da mensagem gráfica não verbal.

Compartilhar:
Título:

O símbolo de uma comunidade

Resumo:

A capacidade emblemática de um identificador social: motivação e convencionalização.

Compartilhar:

Debate sobre Toda marca deve ser...

Logotipo de
Minha opinião:

Ingresse com sua conta para opinar neste artigo. Se não a tem, crê sua conta grátis agora.

Retrato de Fernando Soares Silveira
0
Fernando Soares Silveira
Jun 2016

Texto incrivelmente elucidativo e esclarecedor, ampliando os horizontes de quem trabalha ou necessita da atividade de design profissional. Parabéns ao autor Norberto Chaves!

0
Responder

Estes artigos lhe poderiam interessar

Ilustração principal do artigo Volkswagen: entendimento e cumplicidade do produto
Autor:
Alessandro Valerio Santos
Título:

Volkswagen: entendimento e cumplicidade do produto

Resumo:
Rápidas considerações a partir de Foucault e Magritte.
Compartilhar:
Interações:
Votos:
4
Seguidores:
0
Ilustração principal do artigo Google, melhor ou pior?
Autor:
Luciano Cassisi
Título:

Debate: Google, melhor ou pior?

Resumo:
A gigante da internet introduz mudanças em sua marca gráfica que merecem ser debatidas.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
8
Opiniões:
4
Seguidores:
1209