Toda marca deve ser...

Doze normas supostamente «universais» do design de marcas gráficas.

Retrato de Norberto Chaves Norberto Chaves Barcelona Seguidores: 3367

Opiniões:
1
Votos:
22
Compartir:

Passam as décadas - quase um século - e no meio profissional do design de marcas (sem falar no meio acadêmico) segue-se ouvindo afirmações surpreendentes, abertamente refutadas pela realidade. Em amplos setores do design, o trabalho segue governado por mitos muito dificilmente erradicáveis: as superstições, pelo seu próprio conceito, não escutam razões nem atendem aos fatos. Aqui vão doze clássicos da mitologia profissional:

  1. Toda marca deve fazer alusão à atividade da organização ou à identidade do produto.
    FALSO: em alguns casos, sim; na ampla maioria, não.

  2. Toda marca deve incluir um símbolo que complemente o logotipo.
    FALSO: em alguns casos o símbolo é indispensável; em outros, supérfluo; e, em casos minoritários, opcional.

  3. Toda marca deve ser singular, ou seja, não responder a códigos gráficos convencionais.
    FALSO: em alguns casos a marca deve ser singular; em outros, absolutamente convencional.

  4. Em toda marca, o logotipo deve estar manipulado, ou seja, deve ter alteradas as letras ou a relação entre elas.
    FALSO: em alguns casos a transgressão das normas tipográficas ou caligráficas é útil e, em outros, prejudicial.

  5. Toda marca deve ser amigável, informal ou coloquial.
    FALSO: somente em muitos poucos casos a informalidade da marca pode coincidir com o perfil ótimo da organização ou do produto.

  6. Toda marca deve ser moderna, ou seja, ajustar-se a linguagens gráficas contemporâneas.
    FALSO: o próprio atual «estilo de época» é a pluralidade de estilos; e algumas marcas devem ser legitimamente «clássicas» ou, inclusive, «retrô».

  7. Toda marca deve aderir às últimas modas gráficas.
    FALSO: somente as marcas de entidades efêmeras poderiam somar-se a linguagens efêmeras; pois a obsolescência raramente é favorável.

  8. Toda marca deve ser «rejuvenescida» periodicamente.
    FALSO: somente se justifica seu redesign quando seja detectada sua baixa qualidade ou sua perda de competitividade.

  9. Toda marca deve ser «dinâmica» ou estar projetada para mudar de forma.
    FALSO: somente deverá ser «declinável» quando a diversidade de atividades requeira sub-marcas articuladas.

  10. Toda marca deve se ajustar ao perfil do público.
    FALSO: a marca deve se ajustar ao perfil de seu dono (a organização ou o produto) e é a oferta destes a que deve ser apetecível por seus «targets».

  11. Toda marca deve ser «vendedora», ou seja, induzir à compra.
    FALSO: as marcas com função de reclame publicitário só se observam em alguns casos de consumo impulsivo.

  12. Toda marca deve ser sintética e pregnante.
    FALSO: em muitos casos deve ser; quando as exigências de rapidez de leitura e memorização sejam prioritárias. Em outros casos, tal requisito acaba sendo supérfluo.

Moral da história

O design profissional de marcas gráficas é sempre específico, não sujeito a normas supostamente universais nem receitas. Ou seja, deve ser observado cada caso: detectar as condicionantes particulares provenientes do perfil estratégico e das condições específicas de comunicação. Nas doze hipóteses anteriores, sua falsidade provem da palavra «toda», ou seja, da atribuição de universalidade à respectiva norma.

O que você acha? Compartilhe sua opinião agora! Necesitamos tu ayuda para continuar produciendo contenidos gratuitos. Considera apoyar el trabajo de FOROALFA con una donación de cualquier valor en PayPal.


Este vídeo pode lhe interessar👇👇👇

Retrato de Norberto Chaves Norberto Chaves Barcelona Seguidores: 3367

TraduçãoLuiz Claudio Gonçalves Gomes Campos Dos Goytacazes Seguidores: 43

Opiniões:
1
Votos:
22
Compartir:
Código QR para acesso ao artigo Toda marca deve ser...

Este artigo não expressa a opinião dos editores e responsáveis de FOROALFA, os quais não assumem qualquer responsabilidade pela sua autoria e natureza. Para reproduzi-lo, a não ser que esteja expressamente indicado, por favor solicitar autorização do autor. Dada a gratuidade deste site e a condição hiper-textual do meio, agradecemos que evite a reprodução total noutros Web sites.

Baixar PDF

Norberto Chaves

Más artículos de Norberto Chaves

Título:
O teste da marca corporativa
Resumo:
A irrelevancia da opinião pública nas decisões estratégicas.
Compartilhar:
Título:
Marca cromática e semântica da cor
Resumo:
A significação da cor motivada pela associação do signo com códigos pré-existentes e a significação da cor pela progressiva convencionalização da relação arbitrária.
Compartilhar:
Título:
Pensamento tipológico
Resumo:
Um requisito fundamental para saber avaliar e desenhar corretamente signos gráficos marcários.
Compartilhar:
Título:
Da identidade ao signo
Resumo:
Se o símbolo da marca deve transmitir a identidade do dono, por que a maioria não cumpre essa premissa?
Compartilhar:

Debate

Logotipo de
Sua opinião

Ingresse com sua conta para opinar neste artigo. Se não a tem, crê sua conta grátis agora.

Retrato de Fernando Soares Silveira
0
Fernando Soares Silveira
Jun 2016

Texto incrivelmente elucidativo e esclarecedor, ampliando os horizontes de quem trabalha ou necessita da atividade de design profissional. Parabéns ao autor Norberto Chaves!

0
Responder

Lhe poderiam interessar

Ilustração principal do artigo O fim de I Love New York?
Autor:
Rodolfo Álvarez
Título:
O fim de I Love New York?
Resumo:
O governador de Nova York propõe modificar a imagem da cidade criada por Milton Glaser.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
5
Seguidores:
83
Ilustração principal do artigo Olhares gráficos: design, conceito e identidade visual
Autor:
Beto Lima
Título:
Olhares gráficos: design, conceito e identidade visual
Resumo:
A utilização do olho no logo da «CBS Television» e em outras empresas que dele se utilizam como elemento gráfico em suas marcas.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
12
Opiniões:
3
Seguidores:
14