Composição dos elementos gráficos corporativos

A combinação entre os elementos gráficos configura a boa estrutura e percepção do sistema de identidade visual de uma corporação.

Retrato de Luiz Claudio Gonçalves Gomes Luiz Claudio Gonçalves Gomes Campos Dos Goytacazes Seguidores: 44

Opiniões:
2
Votos:
9
Compartir:

O princípio em que se fundamenta a estrutura visual corporativa está baseado no fato de o sistema se estabelecer sob uma série de elementos não variáveis. São elementos do design que mantém estreita relação para configurar uma identidade visual sólida e memorizável, ainda que cada elemento do sistema seja percebido separadamente.

O grande desafio de um programa de identidade visual reside no fato de coordenar os elementos invariáveis dos que são flexíveis sem que um deforme a função ou expressão visual do outro, produzindo uma dialética entre a norma estabelecida e a criatividade possível. Para tanto é de fundamental importância o design de um programa como um sistema flexível, porém, globalmente imutável.

Uma marca gráfica flexível garante uma longevidade potencial. Deve conter seu próprio jogo de ferramentas, um leque de opções com diferentes variações que possam ser utilizadas em diferentes situações e entornos.

A estrutura da identidade visual corporativa se estabelece em um código da identidade a qual opera em diferentes registros da percepção e da memória, com a função linguística do logotipo, do código icônico do símbolo, do cromático da cor institucional e o nível dos elementos complementares de identidade, entre eles: personagens, tipografia institucional e grafismos.

Um jogo de variações pode surgir com o tempo e com planejamentos distintos. Esta multiplicidade de opções será idealizada para facilitar a gestão de mudanças futuras e garantir que seja cumprido um mínimo necessário de exigências. As variações devem abarcar quase todos os suportes e oferecer alternativas para o futuro, com a confiança de cobrir todas as situações previsíveis. É importante que sejam diretas, estejam disponíveis e fáceis de serem usadas.

«Uma análise sistemática da identidade visual nos obriga a realizar divisões e taxonomias consideradas úteis desde o ponto de vista operativo, mas de nenhuma maneira podem ser entendidas como dogmáticas».

Solas (2002, p.67)

O uso da cor como uma variável flexível é comum e efetivo tanto para as marcas varejistas como para empresas que necessitam refletir mudanças bem planejadas.

A flexibilidade das formas abre uma grande quantidade de oportunidades criativas onde o design da marca gráfica pode adaptar-se ao tom da marca para encaixar em diferentes contextos.

Planejar e desenhar um programa de identidade visual é antecipar o jogo de combinações possíveis entre as variáveis que se conjugam com os signos de identificação visual sem correr o risco de perder a unidade visual. Em geral, temos em mente que as composições entre os elementos podem ocorrer dentro de uma estratégia engessada ou, no outro extremo, resolver a questão no âmbito de uma estratégia mais lúdica, flexível ou cambiante.

O nível dos elementos complementares contempla os suportes estáveis, normalizáveis, da visualização de mensagens. Coordenado com o outro nível este conjunto de elementos e funções distintos se integram nas comunicações visuais da empresa sob um efeito sinérgico. Segundo Chaves (2007), a consciência da função identificatória dos recursos físicos e abstratos da empresa evolui desde o registro dos mais específicos e evidentes aos menos determinados, até aqueles cuja função sígnica se conjuga com várias outras funções. Para clarear e normatizar tais condutas se estabelece indicativos de uso para as diferentes aplicações em um manual de normas, que sempre será entendido como o guia principal da identidade visual corporativa.

O que você acha? Compartilhe sua opinião agora! Precisamos da sua ajuda para continuar produzindo conteúdo gratuito. Considere apoiar o trabalho da FOROALFA com uma doação de qualquer valor em PayPal.


Retrato de Luiz Claudio Gonçalves Gomes Luiz Claudio Gonçalves Gomes Campos Dos Goytacazes Seguidores: 44

EdiçãoMarcio Dupont São Paulo Seguidores: 68

Opiniões:
2
Votos:
9
Compartir:

Colabore com a difusão deste artigo traduzindo-o

Traduzir ao inglês Traduzir ao intaliano

Bibliografia:

  • Chaves, Norberto. (2007). La imagen corporativa: teoría y práctica de la identificación institucional. Gustavo Gili: Barcelona.
  • Solas, Javier G. (2002). Identidad visual corporativa: La imagen de nuestro tiempo. Síntesis: Madrid.
Código QR para acesso ao artigo Composição dos elementos gráficos corporativos

Este artigo não expressa a opinião dos editores e responsáveis de FOROALFA, os quais não assumem qualquer responsabilidade pela sua autoria e natureza. Para reproduzi-lo, a não ser que esteja expressamente indicado, por favor solicitar autorização do autor. Dada a gratuidade deste site e a condição hiper-textual do meio, agradecemos que evite a reprodução total noutros Web sites.

Luiz Claudio Gonçalves Gomes

Mais artigosdeLuiz Claudio Gonçalves Gomes

Título:
As artes (moderna e pós-moderna) do livro infantil
Resumo:
Muitas gerações de artistas visuais e ilustradores atravessaram as décadas que transpassaram a cultura moderna para um novo clima que habituou-se chamar pós-modernismo.
Compartilhar:

Debate

Logotipo de
Sua opinião

Ingresse com sua conta para opinar neste artigo. Se não a tem, crê sua conta grátis agora.

Retrato de Angelo Borges
0
Angelo Borges
Nov 2013

O que venho percebendo é a inutilidade de alguns usos previsto nos padrões de manualização atuais.

Área de contato (ou interferência, como preferirem) é a que mais me chama atenção. Especialmente marcas de alimentos, com muitas submarcas, não possuem nenhuma margem respeitada.

Por isso gosto da flexibilidade citada no texto e comentada pelo Chico Neto.

1
Responder
Retrato de Chico Neto
2
Chico Neto
Nov 2013

Ótimo texto. É notável a substituição dos modernos manuais de identidade visual pela pós-modernidade dos livros de diretrizes da marca. Hoje, o público não só recebe, como re-edita e produz mensagens com vigor. Quando falamos de marcas com muitos usuários dedicados, fãs e embaixadores, isto é ainda mais frequente. Por isso, creio que o caminho das marcas mutantes (moving brands) é o único para muitas instituições.

1
Responder

Lhe poderiam interessar

Ilustração principal do artigo Google, melhor ou pior?
Autor:
Luciano Cassisi
Título:
Google, melhor ou pior?
Resumo:
A gigante da internet introduz mudanças em sua marca gráfica que merecem ser debatidas.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
8
Opiniões:
4
Seguidores:
1686
Retrato de Rique Nitzsche
Autor:
Rique Nitzsche
Título:
A consciência e o design
Resumo:
Consciência e design são tão disponíveis que só os percebemos quando nos surpreendem, pela falta ou pela exuberância.
Compartilhar:
Interações:
Votos:
10
Opiniões:
6
Seguidores:
279
Retrato de Norberto Chaves
Autor:
Norberto Chaves
Título:
Da identidade ao signo
Resumo:
Se o símbolo da marca deve transmitir a identidade do dono, por que a maioria não cumpre essa premissa?
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
21
Opiniões:
4
Seguidores:
3565
Ilustração principal do artigo Está na hora de aposentar a Gestalt?
Autor:
Ricardo Martins
Título:
Está na hora de aposentar a Gestalt?
Resumo:
A contribuição da Gestalt à psicologia é valiosa. Mas a Gestalt deixou de entregar aquilo que promete: ser uma teoria comprovada que facilite a vida dos designers gráficos.
Compartilhar:
Interações:
Votos:
8
Opiniões:
5
Seguidores:
87