Qual é a diferença entre arte e design?

Mergulhando na origem das palavras e no conceito do design thinking.

Rique Nitzsche Rio de Janeiro
Followers:
259
Comments:
6
Votes:
21
Compartir:

Uma questão polêmica entre os grupos de workshops os quais tenho participado provêm da minha declaração: «Arte é design». Acredito que isso aconteça pelo fato de que as referências às obras de arte que costumamos ver nos livros educacionais são muito anteriores às referências aos trabalhos de design. Portanto, a frase soa estranha ao ouvido das pessoas.

Quem passeou pelas páginas de um livro sobre a história da arte, viu as imagens pré-históricas das pinturas rupestres ou das primeiras esculturas com algumas dezenas de milhares de anos. Porém, os livros dos historiadores do design também começam com essas mesmas imagens geradas pela necessidade humana de comunicação.

No início da civilização, a manifestação artística teria funções místicas para tentar entender o mistério da vida humana dentro da natureza. A palavra original latina ars, artis significava habilidade técnica em algum exercício humano. Hoje, a palavra ainda gera debates e permanece indefinida. A definição de arte pode variar no tempo, no tipo de cultura ou na subjetividade humana. Há quem diga que as sociedades pré-industriais não possuíam um conceito para designar arte.

Victor Papanek relata sua experiência entre os balinenses e os inuits. Ambas as culturas não possuem uma palavra para o conceito de «arte» ou «artista». «Enquanto os balinenses dizem “não temos arte, apenas fazemos o melhor que podemos”, a expressão inuit é “um homem deve fazer todas as coisas corretamente”». Entre os inuits não existem as palavras «criar» ou «fazer» como conhecemos. O conceito mais próximo é «trabalhar com». A arte se confunde com a vida.

Embora a palavra «arte» seja milenar, a palavra «artista» é registrada na Itália somente no século XIV indicando os artesãos e os que praticavam artes liberais. As palavras «artificial», «artifício» e «artesanato» foram geradas com o antepositivo art(i), elemento de composição derivado do latim ars, artis.

A palavra «artifício» entrou no meu radar quando estava estudando matemática e entendi que um artifício repetido algumas vezes se transforma em um método algorítmico. Novamente, os filólogos registram a palavra no século XIV como conhecimento técnico, ofício, ocupação, habilidade. A outra palavra em questão é «artificial», que somente foi percebida no século XV, significando algo que envolve artifício, que é produzido pela mão do homem, não pela natureza.

Olhando a história da humanidade, nós começamos a exercitar artifícios quando nos transformamos em homo habilis, há 2 milhões de anos atrás, batendo uma pedra contra outra para produzir um instrumento pontiagudo, cortante ou intimidante a partir de uma pedra comum. Criou-se uma metodologia que funcionou elevando a nossa possibilidade de sobrevivência. Ninguém àquela ocasião imaginou estar exercitando um artifício. Embora os humanos pratiquem o que as palavras significam, elas só irão entrar na comunicação muito tempo depois.

O conceito de design começa a surgir também no século XIV, como as palavras «artista» e «artifício». Mas o entendimento do profissional de design, o designer, somente aparece 300 anos depois, no século XVII nos preâmbulos da Revolução Industrial, na transição do artesanato para a manufatura industrial, quando alguém fazia um projeto de algo que seguiria em um processo de cópia massificada. Como curiosidade, quando William Shakespeare escreveu suas peças imortais, a palavra «design» existia, mas «designer» ainda não. Estima-se que existam hoje 540 mil palavras na língua inglesa, cinco vezes mais que no tempo em que Shakespeare foi capaz de escrever tantas obras magníficas. Os dicionários são orgânicos e não param de crescer.

Quando comecei a estudar a metodologia do design thinking, descobri o mestre Herbert A. Simon, um psicólogo que conquistou o Nobel de Economia com sua «pesquisa precursora no processo de tomada de decisões dentro de organizações econômicas». Em 1947, Simon oferecia três elementos essenciais na sua teoria de tomada de decisão: inteligência, design e escolha, nessa ordem. Em seu entendimento, design é uma capacidade natural do ser humano.

Em 1969, ele lança o livro Sciences of the Artificial, onde diz que «artificial é o fabricado pelo homem, por oposição ao natural». No livro, Simon diz que as ciências naturais se «ocupam de como as coisas são» e que o design se interessa por «como as coisas devem ser». Dito de outra forma, o design procura «a concepção de artefatos que realizam objetivos». Simon entendia que TODAS as organizações humanas são produtos da prática do design. Uma frase sua povoa repetidamente os textos teóricos sobre design thinking: «Faz design quem projeta cursos de ação com o objetivo de transformar situações existentes em outras situações preferidas».

A partir do pensamento de Simon, os teóricos do design thinking dizem que «arte é design», assim como a engenharia, medicina, negócios, arquitetura e pintura que estão relacionados «não como as coisas são, mas como elas podem ser... em resumo, com design». Toda a cultura humana foi gerada a partir de um processo de design. Porém, se toda arte é resultado da prática do design, poucas manifestações de design podem ser consideradas como obras de arte.

Como dizia o mestre Papanek em 1971:

«Design é compor um poema épico, executar um mural, pintar uma obra de arte, escrever um concerto. Mas design também é limpar e reorganizar uma gaveta, puxar um dente encravado, assar uma torta de maçã, escolher os lados para um jogo de beisebol em um descampado e educar uma criança. Design é o esforço consciente para impor a ordem com significado».

Design e arte também têm uma característica em comum, ambas são manifestações essencialmente criativas. A criatividade está dentro de todos, assim como a capacidade de gerar design e arte. Todos nós nascemos com essas habilidades que vão sendo desativadas ao longo da nossa educação. Os adultos resilientes que conseguem manter uma confiança criativa são artistas e designers espontâneos. Entre eles estão os que se dedicaram à aprender mais profundamente as ferramentas que facilitam a prática da arte e do design e se tornaram profissionais. Porém, acredito profundamente que TODOS podem conseguir destravar a sua criatividade e colaborar para a construção de um mundo melhor.

Li recentemente em um livro chamado Creative Confidence, dos irmãos Kelley, que entre os tibetanos não existe uma palavra para expressar o conceito da «criatividade» ou «ser criativo». A tradução mais próxima é «natural». «Em outras palavras, se você deseja ser mais criativo, você deve ser mais natural», assim como as crianças no jardim de infância. Uma das maiores artistas brasileiras, a gravurista e desenhista Wilma Martins disse, aos 79 anos, que «passo um tempo costurando, depois desenhando, cuidando do jardim. Para mim, não tem muita diferença. Tudo vale a pena».

Para encerrar e citando novamente Papanek, esse texto é dedicado «aos meus alunos, pelo que me ensinaram», particularmente às gurias Ana Berger e Caroline Bücker e ao amigo Andre Bello que acreditam na transformação das pessoas e do mundo.

Editor: Ana Bossler Porto Alegre
Followers:
259
Comments:
6
Votes:
21
Compartir:

6 Comments

See comments

This article does not express the opinion of the editors and managers of FOROALFA, who assume no responsibility for its authorship and nature. To republish, except as specifically indicated, please request permission to author. Given the gratuity of this site and the hyper textual condition of the Web, we will be grateful if you avoid reproducing this article on other websites. Published on 05/02/2014.

Rique Nitzsche

More articles by Rique Nitzsche in Portuguese

Idioma:
PT
Title:

A consciência e o design

Synopsis:

Consciência e design são tão disponíveis que só os percebemos quando nos surpreendem, pela falta ou pela exuberância.

Share:
Idioma:
PT
Title:

A criatividade deve ser fertilizada

Synopsis:

Não somos educados para pensar criativamente e o mundo acabou sendo dividido entre os «criativos» e os «não criativos». Bobagem, todos podem ser criativos.

Share:
Idioma:
PT
Title:

Por trás do visível, existe um mundo não percebido

Synopsis:

As pessoas costumam perceber só o final do processo de design. Mas o design é a ponte entre o pensamento e o resultado final.

Share:
Idioma:
PT
Title:

O design dos negócios

Synopsis:

Design não é mais uma estética que se aplicava ao final de um processo. Design é o próprio processo.

Share:

You may be interested

Victor Gerardo Martinez
Idioma:
ES
Author:

Victor Gerardo Martinez

Title:

La ciencia detrás de la economía circular

Share:
Interactions:
Votes:
35
Comments:
16
Sebastián Vivarelli
Idioma:
ES
Author:

Sebastián Vivarelli

Title:

Luz, cámara... ¡Cartel!

Share:
Interactions:
Votes:
66
Comments:
23
Followers:
277
Enrique Damico
Idioma:
ES
Author:

Enrique Damico

Title:

La experiencia de usuario y del diseñador

Share:
Interactions:
Votes:
12
Comments:
3
Followers:
7
Joan Costa
Idioma:
ES
Author:

Joan Costa

Title:

Privilegio y compromiso del diseño gráfico

Translations:
Share:
Interactions:
Votes:
90
Comments:
15
Followers:
2125
Priscila Lima Pereira
Idioma:
ES
Author:

Priscila Lima Pereira

Title:

En la era del Green Design, ¿cuál es la nueva prioridad: ética o estética?

Translations:
Share:
Interactions:
Votes:
25
Comments:
25
Followers:
11
Marco Rinaldi
Author:

Marco Rinaldi

Title:

Are we destined to fail as entrepreneurs?

Translations:
Share:
Interactions:
Votes:
9
Comments:
5
Followers:
72
My opinion:

Login with your account to comment on this article. If you do not have it, create your free account now.

0
10/2014
José Da Cruz Lopes

DESIGN É ARTE APLICADA, SEMPRE ... e "comandada" pelo génio qualificado ou criativo de cada ser humano!

0
Answer
0
10/2014
Maciel Oliveira

Artigo esclarecedor e ao mesmo tempo reflexivo, discorrendo muito bem sobre as nuances do design e da arte, paralelamente. Parabéns!

0
Answer
1
5/2014
Fran Silva

Caro Rique, super interessante o seu posicionamento referente ao universo da Arte e do Design. A riqueza está em perceber que não necessariamente tende se a separar ambos, mas sim compreender que os mesmos advém do construto do humano. Com tal parecer o processo de criação do próprio design se enriquece ainda mais. Obrigada pelo parecer!

Evidencio aqui uma obra filosófica para ampliarmos mais o campo de visão: "A Origem da Obra de Arte" de Martin Heidegger.

0
Answer
2
3/2014
Alexandre Fontes

Ótimo artigo, muito bem defendido. Considerando que meu professor de história da arte colocava em aula seu ponto de vista: "A arte é a necessidade humana de transmitir a alma". Considerando essa "necessidade", podemos fazer da arte um belo projeto de design para a alma.

0
Answer
0
2/2014
José Da Cruz Lopes

Excelente artigo de um profissional que está comunicando o seu sentir do design neste mundo e em formação ao longo da vida. É o seu lumen naturale sedimentado no corpus habilitado de cada um de nós, com as suas "coisas boas " e os seus "pecados".

Duas ideias-fortes que relevo: arte é design; e a criatividade é uma acção natural.

Aquilo que liga estas duas ideias é já bastante antiga, quando na antiguidade se afirmava de que toda a Arte é imitação da Natureza (Sêneca).

Parabéns e venham mais ... ideias e objectos de design.

0
Answer
1
2/2014
Maria Aparecida Brandao Bonadio Keppler

Ótimo este artigo! Esta polêmica pode trazer muito boas discussões em sala de aula e, como comentou o Rique, eu também aprendo muito com os meus alunos.

0
Answer

Upcoming online courses

Branding Corporativo

Branding Corporativo

Cómo se planifica, construye y gestiona la marca de empresas e instituciones

4 weeks
21 Mayo

Auditoría de Marca

Auditoría de Marca

Taller de práctica profesional: análisis, diagnóstico y programa de marca sobre casos reales

6 weeks
25 Junio

Branding: Diseñador y Cliente

Branding: Diseñador y Cliente

Tratar con el cliente, hacer presupuestos y planificar las etapas de la creación de una marca

3 weeks
6 Agosto

Estrategia de Marca

Estrategia de Marca

15 claves para programar el diseño de símbolos y logotipos de alto rendimiento

4 weeks
29 Octubre

Relecturas del Diseño

Relecturas del Diseño

Una inmersión en el discurso sobre el diseño para despejar sus nociones más controvertidas: creatividad, innovación, arte, tecnología, función social...

4 weeks
28 Enero