Projetar para restaurantes

Se alguma vez você teve a sorte de trabalhar para um restaurante, deverá pensar de uma maneira muito diferente.

Retrato de Eric Barajas (Snok Daffy) Eric Barajas (Snok Daffy) Guadalajara

Seguidores:
132
Opiniões:
2
Votos:
7
Compartir:
Ilustração principal do artigo Projetar para restaurantes

Trabalhar em um restaurante não é o mesmo que trabalhar em empresas que oferecem outros tipos de serviço. Vou contar a minha experiência e algumas coisas que eu descobri quando eu estava envolvido no processo de design de uma cadeia de restaurantes. Afinal, me fizeram o convite para criar seu departamento de imagem inhouse.

Se você tem a oportunidade de trabalhar para um restaurante, considere-se com sorte, é um desafio de escala épica. Por que é tão diferente? É simples, a indústria do restaurante depende de suas vendas diárias, não pode ficar um dia sem vender, não se pode dar ao luxo de fechar nos feriados. Eles podem controlar a sua cozinha, mas não a decisão dos seus clientes, seus produtos não estão expostos em uma prateleira, devem ser escolhidos pelas emoções.

Você pode controlar o destino e o sucesso de alguns de seus pratos, ou criar a partir do zero, mas você deve ter muito cuidado. Há muitas necessidades gráficas em um restaurante. As mais críticas são:

  1. Imagem, logotipo
  2. Carta ou Menu
  3. Fotografia do produto
  4. POP

Imagem

Ao criar uma marca para um restaurante que você deve olhar para as tendências e, especialmente, no estilo de cozinha que vai desenvolver. Você deve conhecer esses lugares, tirar fotos, roubar menus!1 Ver como os garçons se vestem, como eles servem bebidas, como montam pratos. Tudo isso deve dar-lhe uma ideia clara para criar a marca.

Apresente não só o logotipo e suas aplicações mas tenha amostras de como eles devem ser montados nas mesas, como inserir a marca para que ela tenha presença nas mesas do restaurante, aplicação nos copos para bebidas. Sugira as cores das toalhas de mesa, etc. Já que a sua marca irá trabalhar de forma eficiente com o contexto do restaurante, devem falar a mesma língua, ter as mesmas cores e etc.

Menu

Acredite em mim, é um processo muito delicado, e é o participante mais importante no nosso exercício. Um menu não é vendido por si só, mas deve ajudar a sugestão, é uma ferramenta para o garçom, que, no final, também é um vendedor.

Aqui você deve se envolver com a culinária. Há algo que você deve ter em mente: na cozinha se deve manter o controle dos custos de cada prato. Por exemplo, se uma pasta é vendida em $ 150,00 e o custo é de 45 % é um produto não muito rentável para o restaurante, em oposição a um  prato com um custo de 30 %. Sabendo disso, você pode avaliar e listar o maior número de pratos de menor custo no topo do menu e até mesmo selecionar uma imagem dele para incluir no menu. Não se deixe levar pelo «mais agradável», mas sim pelos pratos com maior porcentagem de lucro.

Trabalhe o menu em seções independentes. As entradas, sopas, saladas, massas, cortes, mariscos e peixes, combinações, doces e bebidas. Ou seja, comece pesquisando as entradas (quais tem o melhor custo) classifique, e depois passe para a próxima seção. O design vem por padrão, o interessante aqui é que você pode entregar uma carta bem desenhada  que também será uma ferramenta de vendas muito eficaz.

Fotografias

Eu sei que em muitos restaurantes da moda («Bistrô») os menus são apenas digitados, mas na verdade, não há uma lei que diga que tem que ser assim. Podem te exigir um menu digitado, mas você não pode deixar de lado tirar fotos dos pratos: Sugira, brigue por isso. Acredite em mim, é 100% eficaz; verificou-se que um produto com um bom custo não vendeu muito só pelo nome ou descrição. Mas quando o menu incluía uma  fotografia, as vendas subiram de forma significativa (cerca de dez vezes mais).

Envolva-se em fazer as imagens: se você não for fazer a sua fotografia de produto, você tem que estar na sessão. As fotos devem ser tomadas na perspectiva do consumidor, a 45 graus (nunca angulos zênitais); sugira os elementos de fundo como os ingredientes do prato ou elementos que refletem a preparação utilizada. Exija que tenham boa cor e volume, um olhar tentador, apetitoso.

POP

Aqui estão algumas coisas simples, mas que ajudam a vender, são os chamados tent cards ou «table tent». Eles podem ser de acrílico, papelão, etc. O importante aqui é que você use as fotos de produtos para sugerir um prato. E, se o cliente exigir um menu sem fotos, esta é a plataforma perfeita para ilustrar o cliente e ajudá-lo com a sua decisão.

Eu poderia me estender muito, mas eu acho que se você apresentar um pacote de design completo com todos estes pontos mencionados, você irá maximizar seus resultados com o seu cliente. Uma última dica é saber o gosto de nosso cliente. Sugira uma degustação dos seus pratos, tome notas de seu sabor, isso vai ajudá-lo no processo criativo.

Traduzido por Marcio Dupont São Paulo

Seguidores:
132
Opiniões:
2
Votos:
7
Compartir:
  1. Roubar significa «estude, tire fotos, leia por completo».
Código QR para acesso ao artigo Projetar para restaurantes

Este artigo não expressa a opinião dos editores e responsáveis de FOROALFA, os quais não assumem qualquer responsabilidade pela sua autoria e natureza. Para reproduzi-lo, a não ser que esteja expressamente indicado, por favor solicitar autorização do autor. Dada a gratuidade deste site e a condição hiper-textual do meio, agradecemos que evite a reprodução total noutros Web sites.

Debate

Logotipo de
Minha opinião:

Ingresse com sua conta para opinar neste artigo. Se não a tem, crê sua conta grátis agora.

Retrato de Alexandre Fontes
2
Alexandre Fontes
Jun 2014

Muito interessante seu artigo, inclusive, bastante distinto do que tenho visto pelo FOROALFA. Suas dicas parecem bastante pertinentes e foram capazes de abrir meus olhos para detalhes que não percebia até então. Além de concordar com o que o colega Wesley Pinto colocou, vejo em seus argumentos um verdadeiro posicionamento estratégico do design, como a diagramação e a escolha dos elementos gráficos em benefício direto ao lucro do negócio e das escolhas do consumidor. Infelizmente percebe-se no mercado mais preocupações com a estética pela estética. Parabéns mais uma vez!

3
Responder
Retrato de Wesley Pinto
24
Wesley Pinto
Jun 2014

Ótimo artigo, nos faz pensar sobre a particularidade de cada negócio e da necessidade de imergir em cada um, em cada cliente para extrair o melhor.

Assim como restaurante tem suas individualidades a indústria farmacêutica, health, entre outros, possuem suas "regras" que fazem o trabalho para cada uma ser sempre uma experiência muito interessante.

Já atuei com design, hoje atuo c/ assessoria de branding, muitas vezes é necessário intervir e acompanhar os processos, produção, toda cadeia de valor da empresa, o que faz ser uma oportunidade de ver onde cada uma é única.

Parabéns pelo artigo.

3
Responder

Lhe poderiam interessar

Retrato de Norberto Chaves
Autor:
Norberto Chaves
Título:
Marca cromática e semântica da cor
Resumo:
A significação da cor motivada pela associação do signo com códigos pré-existentes e a significação da cor pela progressiva convencionalização da relação arbitrária.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
28
Opiniões:
3
Seguidores:
3076
Retrato de Vero Orso
Autor:
Vero Orso
Título:
Uma metodología criativa para a criação
Resumo:
Lego© Serious Play uma supreendente metodologia que coloca altos executivos e seus colaboradores na busca de soluções para suas empresas. E tudo isso, jogando...
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
1
Seguidores:
66
Retrato de Rique Nitzsche
Autor:
Rique Nitzsche
Título:
Qual é a diferença entre arte e design?
Resumo:
Mergulhando na origem das palavras e no conceito do design thinking.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
21
Opiniões:
6
Seguidores:
265
Ilustração principal do artigo Corpo Tipográfico
Autor:
Buggy Costa
Título:
Livro: Corpo Tipográfico
Resumo:
Apresentação do primeiro livro da Série LTA – Laboratório de Tipografia do Agreste – da editora brasileira Serifa Fina.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
17
Opiniões:
12
Seguidores:
9