Iconicidade e velocidade de leitura

As virtudes da mensagem gr√°fica n√£o verbal.

Retrato de Norberto Chaves Norberto Chaves Barcelona Seguidores: 3300

Opini√Ķes:
0
Votos:
7
Compartir:

Na hora de transmitir uma ideia graficamente, um dos motivos (n√£o o √ļnico) pela escolha de um √≠cone e n√£o por uma palavra √© a velocidade de leitura e interpreta√ß√£o. Uma exig√™ncia que, em condi√ß√Ķes extremas de tempo e de dist√Ęncia, n√£o tem como n√£o ser aceita. Nesses casos, a identifica√ß√£o do signo e seu significado tem de ser imediato e muito mais r√°pido que a leitura de uma palavra ou frase.

O pictograma √© l√≠der nesta fun√ß√£o. E essa √© a raz√£o pela qual certos pictogramas se universalizaram (√© o caso de ¬ęhomens¬Ľ e ¬ęmulheres¬Ľ nos banheiros p√ļblicos) at√© transformar-se em signos convencionais, inclusive em sua forma gr√°fica. O normal √© que, nos lugares de circula√ß√£o massiva (aeroportos, por exemplo), se utilize internacionalmente o mesmo √≠cone: toda singularidade se volta contra o cumprimento de sua fun√ß√£o. Al√©m do que, nesses ¬ęn√£o-lugares¬Ľ a singularidade dos pictogramas carece de vantagens: n√£o proporciona sen√£o redu√ß√£o da significa√ß√£o. Buscar silhuetas at√≠picas para esses pictogramas seria t√£o absurdo como escolher uma fam√≠lia tipogr√°fica ¬ęsingular¬Ľ para as telas de informa√ß√£o de voos.

Mas esta exig√™ncia de velocidade na leitura e interpreta√ß√£o do signo n√£o se limita a estes sinais puramente funcionais. √Č tamb√©m uma virtude da iconiza√ß√£o de mensagens com fun√ß√Ķes mais complexas. √Č o caso daqueles cartazes nos quais se recorre a um √≠cone para aludir-ilustrar o conceito a ser transmitido.

O design de um cartaz que - por exemplo -, para anunciar a representação de uma ópera inclua uma imagem, deve descobrir o ícone exato, aquele que evoque imediatamente à obra e provoque a sensação de sua proximidade, eminência e valor cultural e, ademais, sugira a hierarquia artística proposta.

Deve disparar, com apenas uma imagem, todo o imagin√°rio social, criado ou a ser criado, ao redor dessa √≥pera. Para isso, dever√° achar a sin√©doque potente, ou seja, a concentra√ß√£o do sentido do drama numa cena ou objeto chave (o len√ßo de Desd√©mona, em Otelo). Ou uma met√°fora com voo po√©tico (o cora√ß√£o partido das amantes de Don Giovanni ou a imagem do ¬ęconvidado de pedra¬Ľ).

Cartaz polonês para o filme Cabaret, dirigido por Bob Fosse (1972).

Como exemplo e, ao mesmo tempo, como homenagem ao seu autor, escolhi o c√©lebre cartaz do celebr√≠ssimo filme de Bob Fosse. Uma s√≠ntese perfeita de cabar√© e nazismo, pintura de uma √©poca. Velocidade de leitura, pregn√Ęncia, diafaneidade da mensagem e longa vig√™ncia do s√≠mbolo, com Liza Minelle como personagem ¬ęcentral¬Ľ.

A imagem deve conquistar a cumplicidade do leitor que, ao receber a mensagem, deve sentir: ¬ęexato! √© isso!¬Ľ. E, se o resultado √© brilhante, a resposta do leitor ser√° um envolvimento emotivo, um impacto em sua sensibilidade e em sua intelig√™ncia, que ele reivindicara no emissor: ¬ęQue capta√ß√£o mais inteligente do sentido da obra!¬Ľ.

√Č com estes n√≠veis de simboliza√ß√£o que se consegue a m√°xima efic√°cia da mensagem, ou seja, o cumprimento √≥timo de sua miss√£o: a qualidade da mensagem se contagia ao comunicado.

O que não pode acontecer jamais (e acontece com bastante frequência) é que o transeunte tenha que demorar na observação do cartaz na busca por decifrar seu sentido. À qualidade cultural da figura escolhida deve se somar a contundência e urgência de sua mensagem. A ambiguidade, que muitos consideram um valor, deve ser rejeitada como um autêntico defeito da mensagem.

Agregue-se a isso que, do ponto de vista estritamente econ√īmico, a rentabilidade de um cartaz na via p√ļblica se mede pela quantidade de ¬ęimpactos¬Ľ, ou seja, a quantidade de pessoas que detectam e compreendem a mensagem.

Moral da hist√≥ria: o designer, enquanto ¬ęiconizador¬Ľ, deve resolver dois desafios: encontrar o √≠cone inequ√≠voco e transparente, e garantir que, inclusive nos casos de obviedade, a imagem esteja carregada de tens√£o, que ¬ęreverbere¬Ľ e n√£o morra no mesmo instante em que aparece.

Retrato de Norberto Chaves Norberto Chaves Barcelona Seguidores: 3300

TraduçãoLuiz Claudio Gonçalves Gomes Campos Dos Goytacazes Seguidores: 43

Opini√Ķes:
0
Votos:
7
Compartir:

Colabore com a difus√£o deste artigo traduzindo-o

Traduzir ao inglês Traduzir ao intaliano
Código QR para acesso ao artigo Iconicidade e velocidade de leitura

Este artigo não expressa a opinião dos editores e responsáveis de FOROALFA, os quais não assumem qualquer responsabilidade pela sua autoria e natureza. Para reproduzi-lo, a não ser que esteja expressamente indicado, por favor solicitar autorização do autor. Dada a gratuidade deste site e a condição hiper-textual do meio, agradecemos que evite a reprodução total noutros Web sites.

Baixar PDF

Norberto Chaves

Mais artigos de Norberto Chaves

Título:
Toda marca deve ser...
Resumo:
Doze normas supostamente ¬ęuniversais¬Ľ do design de marcas gr√°ficas.
Compartilhar:
Título:
Marca crom√°tica e sem√Ęntica da cor
Resumo:
A significação da cor motivada pela associação do signo com códigos pré-existentes e a significação da cor pela progressiva convencionalização da relação arbitrária.
Compartilhar:
Título:
Pensamento tipológico
Resumo:
Um requisito fundamental para saber avaliar e desenhar corretamente signos gr√°ficos marc√°rios.
Compartilhar:
Título:
Da identidade ao signo
Resumo:
Se o símbolo da marca deve transmitir a identidade do dono, por que a maioria não cumpre essa premissa?
Compartilhar:

Debate

Logotipo de
Minha opini√£o:

Ingresse com sua conta para opinar neste artigo. Se não a tem, crê sua conta grátis agora.

Lhe poderiam interessar

Retrato de Norberto Chaves
Autor:
Norberto Chaves
Título:
Um ¬ęHoudini gr√°fico¬Ľ
Resumo:
O papel combinado das restri√ß√Ķes program√°ticas e a criatividade na conquista da efic√°cia da mensagem.
Tradu√ß√Ķes:
Compartilhar:
Intera√ß√Ķes:
Votos:
7
Seguidores:
3300
Retrato de Luciano Cassisi
Autor:
Luciano Cassisi
Título:
Menos é menos, mais é mais
Resumo:
Est√° na hora de aposentar o quase centen√°rio lema ¬ęmenos √© mais¬Ľ.
Tradu√ß√Ķes:
Compartilhar:
Intera√ß√Ķes:
Votos:
21
Opini√Ķes:
2
Seguidores:
1437