Iconicidade e velocidade de leitura

As virtudes da mensagem gráfica não verbal.

Retrato de Norberto Chaves Norberto Chaves Barcelona

Seguidores:
3177
Opiniones:
0
Votos:
7
Compartir:

Na hora de transmitir uma ideia graficamente, um dos motivos (não o único) pela escolha de um ícone e não por uma palavra é a velocidade de leitura e interpretação. Uma exigência que, em condições extremas de tempo e de distância, não tem como não ser aceita. Nesses casos, a identificação do signo e seu significado tem de ser imediato e muito mais rápido que a leitura de uma palavra ou frase.

O pictograma é líder nesta função. E essa é a razão pela qual certos pictogramas se universalizaram (é o caso de «homens» e «mulheres» nos banheiros públicos) até transformar-se em signos convencionais, inclusive em sua forma gráfica. O normal é que, nos lugares de circulação massiva (aeroportos, por exemplo), se utilize internacionalmente o mesmo ícone: toda singularidade se volta contra o cumprimento de sua função. Além do que, nesses «não-lugares» a singularidade dos pictogramas carece de vantagens: não proporciona senão redução da significação. Buscar silhuetas atípicas para esses pictogramas seria tão absurdo como escolher uma família tipográfica «singular» para as telas de informação de voos.

Mas esta exigência de velocidade na leitura e interpretação do signo não se limita a estes sinais puramente funcionais. É também uma virtude da iconização de mensagens com funções mais complexas. É o caso daqueles cartazes nos quais se recorre a um ícone para aludir-ilustrar o conceito a ser transmitido.

O design de um cartaz que - por exemplo -, para anunciar a representação de uma ópera inclua uma imagem, deve descobrir o ícone exato, aquele que evoque imediatamente à obra e provoque a sensação de sua proximidade, eminência e valor cultural e, ademais, sugira a hierarquia artística proposta.

Deve disparar, com apenas uma imagem, todo o imaginário social, criado ou a ser criado, ao redor dessa ópera. Para isso, deverá achar a sinédoque potente, ou seja, a concentração do sentido do drama numa cena ou objeto chave (o lenço de Desdémona, em Otelo). Ou uma metáfora com voo poético (o coração partido das amantes de Don Giovanni ou a imagem do «convidado de pedra»).

Cartaz polonês para o filme Cabaret, dirigido por Bob Fosse (1972).

Como exemplo e, ao mesmo tempo, como homenagem ao seu autor, escolhi o célebre cartaz do celebríssimo filme de Bob Fosse. Uma síntese perfeita de cabaré e nazismo, pintura de uma época. Velocidade de leitura, pregnância, diafaneidade da mensagem e longa vigência do símbolo, com Liza Minelle como personagem «central».

A imagem deve conquistar a cumplicidade do leitor que, ao receber a mensagem, deve sentir: «exato! é isso!». E, se o resultado é brilhante, a resposta do leitor será um envolvimento emotivo, um impacto em sua sensibilidade e em sua inteligência, que ele reivindicara no emissor: «Que captação mais inteligente do sentido da obra!».

É com estes níveis de simbolização que se consegue a máxima eficácia da mensagem, ou seja, o cumprimento ótimo de sua missão: a qualidade da mensagem se contagia ao comunicado.

O que não pode acontecer jamais (e acontece com bastante frequência) é que o transeunte tenha que demorar na observação do cartaz na busca por decifrar seu sentido. À qualidade cultural da figura escolhida deve se somar a contundência e urgência de sua mensagem. A ambiguidade, que muitos consideram um valor, deve ser rejeitada como um autêntico defeito da mensagem.

Agregue-se a isso que, do ponto de vista estritamente econômico, a rentabilidade de um cartaz na via pública se mede pela quantidade de «impactos», ou seja, a quantidade de pessoas que detectam e compreendem a mensagem.

Moral da história: o designer, enquanto «iconizador», deve resolver dois desafios: encontrar o ícone inequívoco e transparente, e garantir que, inclusive nos casos de obviedade, a imagem esteja carregada de tensão, que «reverbere» e não morra no mesmo instante em que aparece.

Traducido por Luiz Claudio Gonçalves Gomes Campos Dos Goytacazes

Seguidores:
3177
Opiniones:
0
Votos:
7
Compartir:
Código QR de acceso al artículo Iconicidade e velocidade de leitura

Este artículo no expresa la opinión de los editores y responsables de FOROALFA, quienes no asumen responsabilidad alguna por su autoría y naturaleza. Para reproducirlo, salvo que estuviera expresamente indicado, por favor solicitar autorización al autor. Dada la gratuidad de este sitio y la condición hiper-textual del medio, agradeceremos evitar la reproducción total en otros sitios Web.

Norberto Chaves

Más artículos de Norberto Chaves

Idioma:
PT
Título:
Pensamento tipológico
Sinopsis:
Um requisito fundamental para saber avaliar e desenhar corretamente signos gráficos marcários.
Compartir:
Idioma:
PT
Título:
Marca cromática e semântica da cor
Sinopsis:
A significação da cor motivada pela associação do signo com códigos pré-existentes e a significação da cor pela progressiva convencionalização da relação arbitrária.
Compartir:
Idioma:
PT
Título:
Da identidade ao signo
Sinopsis:
Se o símbolo da marca deve transmitir a identidade do dono, por que a maioria não cumpre essa premissa?
Compartir:
Idioma:
PT
Título:
Toda marca deve ser...
Sinopsis:
Doze normas supostamente «universais» do design de marcas gráficas.
Compartir:

Debate

Logotipo de
Mi opinión:

Ingresa con tu cuenta para opinar en este artículo. Si no la tienes, crea tu cuenta gratis ahora.

Te podrían interesar

Retrato de Luis Ramírez
Autor:
Luis Ramírez
Título:
Con los pelos de la burra en la mano
Sinopsis:
¿El diseñador gráfico solo puede ofrecer sus servicios para impulsar el negocio de otro, o puede ser capaz de utilizar sus conocimientos para emprendimientos propios?
Compartir:
Interacciones:
Votos:
111
Opiniones:
69
Seguidores:
53
Ilustración principal del artículo El poder del diseño y el diseño del poder
Autor:
Juan Aís
Título:
El poder del diseño y el diseño del poder
Sinopsis:
¿Habrá espacio para que el pensamiento creativo y sensible de los diseñadores influya alguna vez en quienes dirigen el mundo?
Compartir:
Interacciones:
Votos:
76
Opiniones:
58
Seguidores:
3

Próximos cursos online

Desarrollamos para ti los mejores cursos online de actualización profesional, que te permitirán formarte y especializarte de la mano de renombrados especialistas

Relecturas del Diseño

Relecturas del Diseño

Una inmersión en el discurso sobre el diseño para despejar sus nociones más controvertidas: creatividad, innovación, arte, tecnología, función social...

4 semanas
4 Marzo

Auditoría de Marca

Auditoría de Marca

Taller de práctica profesional: análisis, diagnóstico y programa de marca sobre casos reales

6 semanas
8 Abril

Branding Corporativo

Branding Corporativo

Cómo planificar, construir y gestionar la marca de empresas e instituciones

4 semanas
20 Mayo

Estrategia de Marca

Estrategia de Marca

15 claves para programar el diseño de símbolos y logotipos de alto rendimiento

4 semanas
24 Junio

Branding: Diseñador y Cliente

Branding: Diseñador y Cliente

Tratar con el cliente, hacer presupuestos y planificar las etapas de la creación de una marca

3 semanas
2 Septiembre