Dez princípios do design gráfico

Versão sintetizada, em modo de decálogo.

Retrato de Norberto Chaves Norberto Chaves Barcelona

Seguidores:
3077
Opiniões:
2
Votos:
21
Compartir:

1. Convencionalismo

O signo deve configurar-se de acordo com a combinação dos códigos gráficos culturalmente vigentes. A ideia de «novas linguagens gráficas» é absurda: se uma linguagem é nova, não se entende.

2. Ocorrência

A ocorrência compensa o convencionalismo ao dar relevância à mensagem. Mas o grau de atipicidade necessário nem sempre é o máximo possível. Cada caso requer um grau de ocorrência diferença.

3. Eficácia

O signo tem de cumprir, no mínimo, todas as funções para as quais foi criado. Valores, como por exemplo a estética, não podem subordinar a eficácia do comunicado gráfico, mas sim, pelo contrário, potenciá-la.

4. Propriedade

O signo deve inscrever-se no paradigma identitário do seu emissor. A assinatura não é suficiente: o que é mesmo comunicado deve identificar o emissor. A identidade não consiste em falar do emissor mas sim falar como ele.

5. Respeito

Tal como sucede com o emissor, a expressão gráfica deve ser ajustada e respeitar os códigos do receptor. Fala-se para ele, para que ele entenda.

6. Pertinência

O signo deve ajustar-se ao registo do vínculo comunicacional que se estabelece entre emissor e receptor. Só conhecendo esse vínculo, é possível estabelecer o tom adequado para cada merecida ocasião.

7. Densidade

Entre vazio e cheio deve haver uma relação de sentido. O signo deve estar saturado, ou seja, sem zonas privadas de sentido. Se ao eliminar um elemento não se perde nada, era porque esse elemento estava a mais.

8. Economia

O resíduo é comunicacionalmente negativo. O signo não deve conter redundâncias supérfluas ou excessos gráficos.

9. Transparência

O signo deve carecer de significados parasitárias que operam como interferências à sua mensagem específica.

10. Anonimato

O signo deve ser autónomo, livre de referências ao seu processo produtivo ou ao seu autor. O signo não é a história do seu processo produtivo: pertence ao emissor e a sua produção deve tornar-se invisível.

Traduzido por Barbara Videira Lappeenranta

Seguidores:
3077
Opiniões:
2
Votos:
21
Compartir:
Código QR para acesso ao artigo Dez princípios do design gráfico

Este artigo não expressa a opinião dos editores e responsáveis de FOROALFA, os quais não assumem qualquer responsabilidade pela sua autoria e natureza. Para reproduzi-lo, a não ser que esteja expressamente indicado, por favor solicitar autorização do autor. Dada a gratuidade deste site e a condição hiper-textual do meio, agradecemos que evite a reprodução total noutros Web sites.

Norberto Chaves

Mais artigos de Norberto Chaves

Título:
Arte, design e ideologia
Resumo:
Sobre o preconceito tenaz que atribui ao design o caráter de área artística.
Compartilhar:
Título:
Com meu design não se intrometa!
Resumo:
O tabu da crítica interprofissional: insegurança, paranoia e refúgio no corporativismo.
Compartilhar:
Título:
Iconicidade e velocidade de leitura
Resumo:
As virtudes da mensagem gráfica não verbal.
Compartilhar:
Título:
O símbolo de uma comunidade
Resumo:
A capacidade emblemática de um identificador social: motivação e convencionalização.
Compartilhar:

Debate

Logotipo de
Minha opinião:

Ingresse com sua conta para opinar neste artigo. Se não a tem, crê sua conta grátis agora.

Retrato de Márcio Moreira Lambert
0
Márcio Moreira Lambert
Jun 2012

Bem oportuna esta reflexão. Precisamos voltar a refletir e considerar em nossos projetos parâmetros mais objetivos, claros e concisos para evitarmos ou talvez administrarmos melhor este momento onde as opiniões e pareceres são tão volúveis, complexos e as vezes inadequados.

0
Responder
Retrato de Lucilia Alencastro Brancalua
0
Lucilia Alencastro Brancalua
Mai 2012

Sou professora de Composição visual, e portanto, comecei dizendo isto tudo aos meus alunos. No entanto, hoje já não tenho certeza se todos estes princípios são mesmo fundamentais.

Especialmente o item 8, já desconsidero, e penso que se trata de um preconceito «Bahaus/Ulmiano». Hoje o excesso gráfico é compreendido, bem compreendido e bem aceito como linguagem.

1
Responder

Lhe poderiam interessar

Retrato de Thales Aquino
Autor:
Thales Aquino
Título:
Quem é, como pensa e o que faz o «designer estratégico»
Resumo:
Entenda a função, a metodologia e a entrega de valor desse novo tipo de criativo.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
8
Opiniões:
1
Seguidores:
29
Retrato de David Espinosa
Autor:
David Espinosa
Título:
Cliente versus Designer
Resumo:
Práticas que devem repensadas e avaliadas no design gráfico.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
5
Opiniões:
1
Seguidores:
46
Retrato de Reinaldo Leiro
Autor:
Reinaldo Leiro
Título:
A especificidade do design
Resumo:
O que distingue o design e a arquitetura, das artes e da engenharia, não está em seus procedimentos técnicos e sim no objetivo final de cada atividade.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
4
Opiniões:
1
Seguidores:
58
Retrato de Norberto Chaves
Autor:
Norberto Chaves
Título:
Arte, design e ideologia
Resumo:
Sobre o preconceito tenaz que atribui ao design o caráter de área artística.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
5
Seguidores:
3077