Da identidade ao signo

Se o símbolo da marca deve transmitir a identidade do dono, por que a maioria não cumpre essa premissa?

Retrato de Norberto Chaves Norberto Chaves Barcelona Seguidores: 3292

Opiniões:
4
Votos:
21
Compartir:

Salvo exceções, a pergunta referente à função de um signo gráfico identificador tem uma resposta tão conhecida quanto antiga: «Deve transmitir (denotar, evidenciar, fazer alusão) a identidade do dono».

Podemos dizer que essa resposta é ambígua porque a identidade de toda uma organização deve ser um discurso completo que reúne um repertório amplo de atributos e valores, e é evidente que um signo gráfico jamais poderia transmitir isso de forma completa.

Caso a hipótese colocada fosse realmente correta, cabe, então, nos perguntarmos sobre quais traços da identidade deveriam estar refletidos neste signo identificador. A atividade? A missão? A idade? O nível de colesterol?

A resposta deixa clara a realidade: analisar o extenso e variado universo da marca nos faz perceber que à primeira vista poucas marcas falam delas mesmas de modo explícito. Dito de outra forma, se observamos o repertório de algumas marcas corporativas desconhecidas e cujo nome estivesse escrito numa língua incompreensível, jamais poderíamos dizer, com certeza científica, ao que se dedicam essas empresas.

No melhor dos casos, detectaríamos que em algumas delas o ícone alude a algum traço da sua identidade, mas nunca o suficiente para traduzi-la por completo. Uma referência visual à água, por exemplo, não deixa claro se se trata de água mineral ou de um serviço de obras sanitárias. Um pictograma que usa mãe-pai-filho, aparentemente faz referência a uma família, mas pode ilustrar tanto uma marca de um programa de educação infantil como um serviço de crédito bancário para uma família. Uma vela de barco pode «identificar» desde um perfume masculino como uma regata internacional. Em todos os casos, a referência é pertinente, mas não suficiente.

Além destas marcas fundamentadas em alguma característica da identidade, temos outras, claramente figurativas, que só remetem ao nome e não têm nenhuma ligação evidente com a identidade. Uma concha para a Shell, uma maçã para a Apple, um pinguim para a Peguin Books. E o cúmulo dos cúmulos, marcas que parecem que querem despistar: um crocodilo para a Lacoste ou morcego para a Bacardi.

É bem provável que haja um fato na história dessas marcas «surrealistas» que as justifiquem, mas a certo é que esse fato é desconhecido do público. Por isso, para efeito de identificação, é como se nunca tivessem existido.

Mas a traição às funções semânticas não param por aqui. E os símbolos abstratos que para entendermos o significado temos que recorrer a alucinógenos? Se na marca do Santander alguém vir uma lâmpada do Aladim, pode ter certeza, dessa «viagem» ele não volta mais.

Mesmo que seja um golpe mortal, a crença na função descritiva das marcas leva a uma infinidade de marcas que deixam de fazer qualquer relação icônica —direta, sutil ou enigmática— e se limitam a dizer o nome da empresa (não faltam exemplos).

Será isso quer dizer que a identidade e os logos são universos estagnados que só se estabelecem na convenção construída pelo uso? De forma alguma! A marca de um perfume jamais deverá se parecer com uma de sabão em pó. Algo deve unir o significante (a marca) com seu significado (o dono).

E os símbolos abstratos que para entendermos o significado temos que recorrer a alucinógenos? Então que diabos une uma marca à sua identidade? Através de quais características gráficas evidenciamos este vínculo?

Animar-se a uma resposta que ninguém nasceu sabendo!

Retrato de Norberto Chaves Norberto Chaves Barcelona Seguidores: 3292

TraduçãoAbc Design Curitiba Seguidores: 23

Opiniões:
4
Votos:
21
Compartir:

Colabore com a difusão deste artigo traduzindo-o

Traduzir ao inglês Traduzir ao intaliano
Código QR para acesso ao artigo Da identidade ao signo

Este artigo não expressa a opinião dos editores e responsáveis de FOROALFA, os quais não assumem qualquer responsabilidade pela sua autoria e natureza. Para reproduzi-lo, a não ser que esteja expressamente indicado, por favor solicitar autorização do autor. Dada a gratuidade deste site e a condição hiper-textual do meio, agradecemos que evite a reprodução total noutros Web sites.

Norberto Chaves

Mais artigos de Norberto Chaves

Título:
Toda marca deve ser...
Resumo:
Doze normas supostamente «universais» do design de marcas gráficas.
Compartilhar:
Título:
Com ou sem símbolo
Resumo:
Uma alternativa marcaria condicionada pelo perfil e pela comunicação.
Compartilhar:
Título:
Marca cromática e semântica da cor
Resumo:
A significação da cor motivada pela associação do signo com códigos pré-existentes e a significação da cor pela progressiva convencionalização da relação arbitrária.
Compartilhar:
Título:
Pensamento tipológico
Resumo:
Um requisito fundamental para saber avaliar e desenhar corretamente signos gráficos marcários.
Compartilhar:

Debate

Logotipo de
Minha opinião:

Ingresse com sua conta para opinar neste artigo. Se não a tem, crê sua conta grátis agora.

Retrato de Gabriel Arnold
1
Gabriel Arnold
Out 2013

Acredito que a união entre a identidade e uma marca vem de diversos pontos. Desde a construção do símbolo, da tipografia e também das formas de aplicação desta marca. A marca está ali para mostrar quem está falando, porém não precisa representar exatamente o que a empresa faz, ela serve somente como uma assinatura para que as pessoas possam identificar o autor. A identidade dela será passada através do seu produto/serviço. Não creio que seja obrigatoriedade ter uma relação direta entre MARCA (significante) e DONO (significado).

- Gabriel Arnold

0
Responder
Retrato de Danillo Kott
0
Danillo Kott
Mai 2012

No curto prazo, a estética agradável e pertinente à memorização é ideal. Porém, na minha opinião, a estética dos signos deve considerar como principal valor, o respeito à função, eficácia e ao compromisso da empresa, produto, idéia ou serviço, com sua aplicabilidade e contexto social. Danillo Kott.

0
Responder
Retrato de Sandra Souza
0
Sandra Souza
Mai 2012

Talvez a função do signo identificador não seja transmitir a identidade do dono mas facilitar a associação (memorização, reconhecimento e atribuição) desse signo ao dono para que terceiros possam se relacionar com ele mediados pelo signo. É dentro do contexto de uma relação do dono com os usuários, medidada pelo signo, que este adquire sentidos que não são absolutos; mudam, evoluem ou se transmutem de acordo com o dinamismo da relação e com a aprendizagem informal que é necessária para o signo representar, parcialmente, o dono.

2
Responder
Retrato de Daniel Campos
2
Daniel Campos
Mai 2012

Esse artigo diz muito do que penso a respeito de representação visual para marcas.

0
Responder

Lhe poderiam interessar

Retrato de Norberto Chaves
Autor:
Norberto Chaves
Título:
As receitas no design de marca
Resumo:
Comentários a partir das opiniões sobre meu artigo «Toda marca debe ser…».
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
10
Opiniões:
2
Seguidores:
3292
Retrato de Bruno Porto
Autor:
Bruno Porto
Título:
Desatinos em nome do Branding
Resumo:
Repleto de equívocos lamentáveis em forma e conteúdo, o artigo de Beto Lima erra rude ao denegrir a imagem de uma associação profissional.
Compartilhar:
Interações:
Votos:
20
Seguidores:
35
Retrato de António Lacerda
Autor:
António Lacerda
Título:
Nova identidade visual da Universidade do Algarve
Resumo:
As instituições e os serviços públicos têm características visuais - gráficas próprias e a necessidade de serem eficazes aumenta a importância da sua Imagem Institucional.
Compartilhar:
Interações:
Votos:
13
Seguidores:
6
Ilustração principal do artigo Doodle game: uma definição de marca mutante jogável
Autor:
Breno Carvalho
Título:
Doodle game: uma definição de marca mutante jogável
Resumo:
Em 2010, a Google lançou uma de suas variações denominadas Doodle para homenagear o games Pac-Man. A mutação deixava de ser apenas animada ou interativa para tornar-se jogável.
Compartilhar:
Interações:
Votos:
1
Seguidores:
1
Ilustração principal do artigo O design na TV brasileira: a herança da Manchete
Autor:
Fernando Morgado
Título:
O design na TV brasileira: a herança da Manchete
Resumo:
Os anos 1980 foram especiais. Mudaram a tecnologia, a TV e o design. No Brasil, houve uma revolução no «broadcast design». A Rede Manchete teve muito a ver com isso.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
9
Seguidores:
10
Logotipo de Premios Clap
Autor:
Premios Clap
Título:
Ganhadores dos Permios CLAP Branding 2013
Resumo:
Sidecar Design, Porta4, Papanapa Design e This One Design, da Espanha, Chile e Brasil, levaram os CLAP Platinum 2013 nas categorias de Branding.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
3
Seguidores:
82