Hugo Moutinho

Design X Arte

Um breve ensaio sobre o desespero e a necessidade de ser artista

É curiosa a forma como a Arte toca, de alguma forma, a vida de todas as pessoas, ainda que por esporádicos momentos. Seja pela música, pintura, literatura ou qualquer outra vertente, todos já foram influenciados e transcendidos pela sensação de que quase  subliminarmente, pertencerem a um inconsciente coletivo proporcionado pela subjetividade de variadas obras. O que assusta, entretanto, é a incessante busca de algumas pessoas para permanecerem nesse campo etéreo, ainda que isso custe a dissolução de conceitos e supervalorização de casualidades.

Explico-me: o embate «Design X Arte» permanece fervoroso tantos nos meios acadêmicos quanto nos profissionais e, na realidade, chega a ser inconveniente pois, muitas vezes, a maioria dos argumentos se justifica pela desesperada tentativa de fusão de significados (o que vem a ser até preocupante, já que algumas opiniões são de profissionais reconhecidos) do que pela observação da realidade e da prática assim como ela é.

Mais explicitamente: o apelo é feito pela etimologia, datas históricas e estudos de comportamentos de quando nenhuma das duas atividades/práticas possuía definição própria ou reconhecimento oficial, seja empregatício ou meramente social. Com isso, alguns defensores da ideia «Design=Arte» forçam a sobreposição de conhecimentos que por si só não compõem um significado. Como poderíamos, então, a partir disso, obter uma conclusão lógica do que cada atividade representa? Por isso, é preciso tomar cuidado para que não se deixe o apego pessoal à arte, o desejo de pertencer a esse inconsciente coletivo, manipular a necessidade de enquadramento em determinado grupo.

«A Arte existe porque a vida não basta», como diz Ferreira Gullar. Para seu exercício, é preciso de prática, técnica, conhecimento de suas tecnologias, dedicação e inspiração. Assim como Design. E engenharia. E psicologia, farmácia, tecnologia da informação, ciências sociais, etc. A Arte está para o Design assim como está para qualquer outra atividade bem executada, que demande uma real apropriação da capacidade humana de pensar genuinamente. Simples assim. Isso, entretanto, não torna nenhuma profissão – nem mesmo o Design – essencialmente Arte.

As manifestações artísticas possuem um atributo único e intrínseco que as diferenciam de toda e qualquer profissão: liberdade de ser subjetiva. Pode ser uma cadeira e não ser ergonômica, pode ser um livro e não ser informativo. Pode ser um quadro, sem ser demonstrativo. Pode ser um texto, sem ter opinião, etc, etc. É assustador, portanto, a desesperada tentativa, de quem quer que seja, não importando a área de atuação, de definir seu trabalho como arte quando, deliberadamente, não é. Não são os meios - os métodos – que definem o propósito de uma atividade, e sim sua FINALidade.

Não: Design não é Arte. Não como conhecemos e desempenhamos ambos hoje, que é o que realmente os diferencia. Podem-se usar de alguns veículos e princípios artísticos de criatividade no Design, mas isso não o torna Arte. Design tem suas especificidades como qualquer outra profissão. Precisamos respeitar e conhecer a essencialidade da atividade que desempenhamos ou almejamos desempenhar para que, só assim, possamos ter o respeito e reconhecimento de outros profissionais. E, a menos que seja para fins meramente literários (artísticos) – parafraseando autores e se aproveitando de significados vagos –, essa comparação é, no mínimo, desequilibrada: ou se sabe muito pouco sobre o que se faz, ou se sabe muito pouco sobre o que deve ser feito.

Author
Hugo Moutinho São Gonçalo
Edition
Ana Bossler Porto Alegre

Published on 10/06/2015

IMPORTANT: This article does not express the opinion of the editors and managers of FOROALFA, who assume no responsibility for its authorship and nature. To republish, except as specifically indicated, please request permission to author. Given the gratuity of this site and the hyper textual condition of the Web, we will be grateful if you avoid reproducing this article on other websites. Instead, we suggest and value a partial reproduction, also including the name of the author, the title and the source (FOROALFA), a link to this page (https://foroalfa.org/articulos/design-x-arte) in a clear and visible place, inviting to complete the reading.

Related

Illustration:
André Ricard
Author:

André Ricard

Title:

Caminos de la creatividad

Synopsis:

¿A qué nos referimos cuando hablamos de hacer cosas nuevas? ¿Cuál es el sentido que le damos a la creatividad?

Translations:
Votes:
12
Comments:
3
Followers:
390
Idioma:
ES
Illustration:
Erika Valenzuela
Author:

Erika Valenzuela

Title:

Condicionantes del diseño

Synopsis:

Nuestro campo se ve inmerso en procesos creativos dispuestos por nuestro intelecto, pero con diversos condicionantes externos encadenados entre sí.

Votes:
9
Followers:
38
Idioma:
ES
Illustration:
Rique Nitzsche
Author:

Rique Nitzsche

Title:

Design é a adaptação criativa às restrições

Synopsis:

Desde sempre o ser humano se adaptou e transformou dificuldades em oportunidades.

Votes:
6
Followers:
250
Idioma:
PT
FOROALFA ISSN 1851-5606 | Contactar | Publicidad | ©Luciano Cassisi 2005~2016