Diálogo # 26925

Diálogo iniciado no artigo Quer experimentar?

Retrato de Jenny Buitrago Díaz
78
Abr. 2012

Espero me fazer entender com a ajuda do Google Translate. Luiz, acho que um dos pontos mais importantes de seu artigo é «reunião de briefing» conheça o seu cliente e ouvir suas necessidades é vital, no entanto, penso da mesma forma que um alfaiate lhe dá dicas sobre o que tamanho da camisa ou a cor são os melhores para você, eu acho que não só os profissionais deve ser responsável para pedir-lhe que seu cliente quer que as coisas, eu acho que para obter melhores resultados, criar um diálogo, onde ambas as partes concordam, de repente, dessa forma, evitar que o nosso cliente é alterado vestido.

2
Retrato de Luiz Renato Roble
16
Abr. 2012

Olá Jenny, entendi perfeitamente o que disse não só pelo Google, mas por suas idéias. Realmente uma reunião de briefing produtiva de ambas as partes é fundamental para que o trabalho tenha qualidade. E para isso o diálogo deve existir.

0
Retrato de Jenny Buitrago Díaz
78
Abr. 2012

Obrigado, fico feliz que a língua não é barreira. Concordo com você, deve haver diálogo, acho que o pensamento autoritário não deve ter lugar no projeto, a «regras» devem ser estabelecidos com o cliente, cada pessoa tem determinadas preferências que podem ser mais facilemente numa loja de roupas no entanto, o eterno problema surge, os limites definidos, como é que sabemos o quanto o cliente deve ser envolvido em nosso trabalho, oferecemos um serviço para os outros, mas o quanto ele deve decidir. Não é a idéia de criar regras ditatoriais, mas eu acho que deveria haver uma base.

0
Retrato de Luiz Renato Roble
16
Abr. 2012

É realmente difícil, pois mesmo tendo uma base, um padrão, cada caso é um caso e então teremos que seguir para um entendimento. O cliente acaba tornando-se quase um mal necessário. Ao mesmo tempo que é a razão do trabalho, pois foi ele que nos chamou, por ter-nos chamado, é sinal que confia em nosso trabalho. Compreendemos que devemos atuar profissionalmente, com liberdade, através de nossa experiência. No final, um impasse, o cliente dá a palavra final e então temos que, muitas vezes, convencê-lo do melhor caminho, da melhor solução e lembrá-lo que fomos contratados justamente para isso.

0
Retrato de Jenny Buitrago Díaz
78
Abr. 2012

Certo, estabelecer regras básicas seria difícil porque cada projeto é diferente e exige características específicas para o desenvolvimento, você não pode limitar ou ser metodológica porque o projeto em si não é. Acho que a melhor opção é estabelecer acordos com o cliente, em que ambas as partes concordam e são confortáveis ​​para trabalhar dessa forma. Não faria para dizer ao cliente o que eles pensam ou acreditam que pode ser alguma coisa, se o cliente não confia no nosso trabalho, eu acho que é importante ter a confiança de que crescer mais e mais. Obrigado por compartilhar suas ideias.

0
Responder

Este vídeo pode lhe interessar👇👇👇

Lhe poderiam interessar

Ilustração principal do artigo Qual é o problema por tras o pedido do cliente?
Fernando Del Vecchio, autor Fernando Del Vecchio Qual é o problema por tras o pedido do cliente? Pablo e Soledad descrevem o problema do valor percebido pelo cliente e começam a desenvolver uma atitude diferente perante a incerteza trazida pela gestão do seu estúdio.
Ilustração principal do artigo Os clientes não compram design
Luciano Cassisi, autor Luciano Cassisi Os clientes não compram design O que nós designers geralmente pensamos vender não é necessariamente o que os clientes compram de nós.

Próximos seminários on-line

Cursos de atualização para se especializar com os melhores

Auditoría de Marca

Auditoría de Marca

Taller de práctica profesional: análisis, diagnóstico y programa de marca sobre casos reales

30 horas (aprox.)
1 julio

Relecturas del Diseño

Relecturas del Diseño

Una inmersión en el discurso sobre el diseño para despejar sus nociones más controvertidas: creatividad, innovación, arte, tecnología...

20 horas (aprox.)
1 julio