Ser pós-moderno

Um argumento em favor da lucidez crítica dos designers.

Retrato de Norberto Chaves Norberto Chaves Barcelona Seguidores: 3369

Opiniões:
0
Votos:
4
Compartir:
Ilustração principal do artigo Ser pós-moderno

Ignorar as consequências éticas, culturais e econômicas das novas tendências sociais e suas respectivas origens significa que são consideradas sem importância. Isso é observado tanto nos usos e costumes da vida cotidiana quanto na política, na ideologia e na criação do pensamento e da arte.

Nossa época nos confronta com um acúmulo de eventos inesperados e surpreendentes que excedem nossas capacidades de interpretação; fatos que nos são impostos como verdades históricas irrefutáveis e imutáveis. E isso nos leva a aceitá-los e aderir à tendência, mesmo que seja para não ir na contramão e ser visto como atrasado. É o fenômeno que os teóricos chamam de «mimese»: contágio passivo e irrefletido.

No entanto, o fato de não podermos descobrir suas origens ou suas implicações nos permite atribuir tendências positivas e negativas. Não é um problema pequeno: ignoramos o significado das nossas próprias adesões.

O atual cenário social é marcado pelo modelo da pós-modernidade, que não é um mero estilo ou moda, mas, segundo Fredric Jameson, a «lógica cultural do capitalismo avançado». Este modelo condiciona todos os comportamentos sistêmicos, não marginais ou anedóticos. E entre eles, a comunicação tem um protagonismo absoluto; não só a comunicação social, mas até a comunicação interpessoal.

O design, portanto, recebe esse impacto e, em seus campos predominantes, não responde mais aos padrões da modernidade. Essa mudança, pode, e muitas vezes, ser interpretada erroneamente como uma mera moda passageira ou evolução do gosto, é um fato revolucionário, ela envolve uma mudança radical nos padrões de produção, distribuição e consumo de bens sociais, no sentido mais amplo da expressão

O escasso desenvolvimento dos recursos teórico-ideológicos na profissão de design é o lado fraco através da qual essas tendências caem. Os projetistas (exceto nos casos excepcionais de formação humanista autodidata) carecem de anticorpos para garantir uma autonomia mínima diante dessas condições. E aderem não apenas na produção dentro da tendência (comportamento praticamente inevitável), mas em sua alegre celebração e legitimação (atitude colaboracionista claramente evitável).

A obsequiosidade diante da oferta tecnológica; a apologia não crítica da inovação; o regozijo nos caprichos da criatividade banal, são todos produtos do mercado de simulação que levantam reivindicações que não podem ser ignoradas sem perder o emprego. Mas é importante estar ciente de seus efeitos degradantes, mesmo que apenas por dignidade.

Em um dos meus últimos livros, Ser Pós-Moderno: Dilemas culturais do capitalismo financeiro, analiso os prós e contras dessa mudança. Sinteticamente, eu aponto, por um lado, a não viabilidade de qualquer intenção de reverter o processo e, por outro lado, a natureza suicida de uma adesão acrítica a ele. Existe o conflito. Este conflito é o que encoraja a fuga para a utopia ou reformismo ingênuo, presente por trás das propostas de «design alternativo». Independentemente da sua viabilidade, tais propostas não resolvem o problema subjacente. Mas eles mitigam a culpa. Eles fornecem saídas de emergência para uma consciência desarmada, incapazes de detectar a dimensão da crise e suas causas.

Eu sou membro de uma geração militante em que a crítica era um comportamento generalizado, desde minhas origens na ocupação pedagógica, nos anos 60, eu tenho trabalhado principalmente sobre estas questões. Opção que transformei em uma tentativa, não muito bem-sucedida, de contribuir para a lucidez dos designers.Ser pós-modernofoi uma última tentativa.

Trabalhe contra esse combate (que todos os dias vejo como mais quixotesco) a Paideia negativa exercida pela atmosfera ideológica dominante. A isto se soma o pragmatismo tecnocrático e a ideologia neoliberal predominante nas escolas de design. Apenas excepcionalmente as academias alertam seus alunos sobre as ameaças éticas implícitas em seus mercados. Incautos para atrair clientes, oferecem a consciência pedagógica reconfortante de jovens vendê-los utopias hipócritas («Projeto pode mudar o mundo», Istituto Europeo di Design). E privá-los de um conhecimento da sociedade, objetivo e radical, isto é, suas raízes. E as terapias paliativas sem diagnóstico agravam o quadro.

Trabalhar é colaborar, direta ou indiretamente, com um mercado real que imponha suas condições, normalmente injustas ou conflitantes. Não é grave: o mais grave é ignorá-lo e celebrar sua própria alienação.

O que você acha? Compartilhe sua opinião agora! Necesitamos tu ayuda para continuar produciendo contenidos gratuitos. Considera apoyar el trabajo de FOROALFA con una donación de cualquier valor en PayPal.

Saiba mais


Este vídeo pode lhe interessar👇👇👇

Retrato de Norberto Chaves Norberto Chaves Barcelona Seguidores: 3369

TraduçãoGisela Abad Recife Seguidores: 1

Opiniões:
0
Votos:
4
Compartir:

Colabore com a difusão deste artigo traduzindo-o

Traduzir ao inglês Traduzir ao intaliano
Código QR para acesso ao artigo Ser pós-moderno

Este artigo não expressa a opinião dos editores e responsáveis de FOROALFA, os quais não assumem qualquer responsabilidade pela sua autoria e natureza. Para reproduzi-lo, a não ser que esteja expressamente indicado, por favor solicitar autorização do autor. Dada a gratuidade deste site e a condição hiper-textual do meio, agradecemos que evite a reprodução total noutros Web sites.

Baixar PDF

Debate

Logotipo de
Sua opinião

Ingresse com sua conta para opinar neste artigo. Se não a tem, crê sua conta grátis agora.

Lhe poderiam interessar

Retrato de Ana Bossler
Autor:
Ana Bossler
Título:
A política econômica e o fast fashion
Resumo:
A influência do neoliberalismo como teoria econômica no fenômeno do fast fashion.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
4
Opiniões:
2
Seguidores:
71
Retrato de Raúl Belluccia
Autor:
Raúl Belluccia
Título:
Quero mudar meu logo: como faço?
Resumo:
As dificuldades de um empresário que quer ser orientado no desconhecido (para ele) mundo dos designers gráficos.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
8
Opiniões:
3
Seguidores:
794