O instante criativo

A fé excessiva que muitos designers e estudantes depositam na criatividade, muitas vezes distrai sua atenção e reduz sua efetividade profissional.

Retrato de Fabián Bautista Fabián Bautista Tijuana

Seguidores:
48
Opiniões:
11
Votos:
10
Compartir:

Em meu trabalho como docente na Licenciatura em Design Gráfico, me deparei muitas vezes com protestos dos alunos, ao pedir a eles que pesquisem sobre o trabalho de algum designer, ou que visitem a exposição de um artista. Muitos manifestam abertamente seu desinteresse a respeito de conhecer o trabalho de outros. «Não quero me influenciar», dizem. Resultado curioso esse enfoque, evidentemente baseado na crença de uma «idéia pura», surgida de um momento de iluminação criativa, que seria a gênesis das melhores criações em design.

Trata-se de uma idéia muito difundida, tanto no âmbito educativo com na prática profissional do design. Alguns recusam com desprezo a análise de antecedentes, preferindo crer apenas naquilo que seu coração lhes dita e evitando de «contaminar-se» com a produção que os precede. É como se temessem perder sua «virgindade criativa» ao entrar em contato com soluções pré-existentes e problemas similares.

A fantasia de um instante criativo quase mágico deve ser reforçada na maioria dos congressos de design, onde muitos conferencistas provenientes do mundo profissional se limitam a mostrar seus portfólios com divertidas anedotas de como se «inspiraram»para alcanças tais resultados. Desta forma, os estudantes se enfrentam com um abismo entre as histórias apresentadas pelos seus ídolos e os exercícios realizados em sala de aula, onde suas tarefas nem sempre consistem em desenhar capas de música pop. Algo parecido ocorre ao jovem profissional, que não tarda em dar-se conta que a prática real, as margens e as exigências da criatividade não são iguais em todos os casos.

A supervalorização do instante criativo não é outra coisa que um menosprezo pelo conhecimento e pela formação cultural, tanto geral como específica (visual, musical, literária, etc.): para quê estudar e compreender o funcionamento das variáveis culturais, se existe uma força mágica, um lampejo criativo, que iluminará a mente do designer/criador?

A fantasia da inspiração criativa está ligada a uma forte necessidade de expressão que freqüentemente perambula nas aulas das escolas de design. Muitos estudantes têm uma verdadeira vocação artística, e encontram no design um meio com relativas perspectivas econômicas, que os permitirá “matar dois coelhos com uma só cajadada”: ter um espaço para manifestar seus sentimentos e emoções, além de se construir um futuro. Como no mundo de arte contemporânea, a originalidade é o mais valorizado, sentem-se na obrigação de buscar sempre «a idéia única» que lhes consentirá o reconhecimento que tanto anseiam e merecem.

Como o design é uma disciplina que muitas vezes apela à mobilidade emocional, isso não implica que o desenvolvimento de todos seus processos requeira um compromisso sentimental do profissional. Colocar o foco na aura emotiva do criador distrai a atenção do verdadeiro sentido da intervenção: resolver o problema de OUTRO e em TODOS os seus aspectos. É absurdo confiar que a inspiração casual e incontrolável possa ser o caminho para ter resultado.

Não pretendo desdenhar o valor da criação: etapa fundamental e inevitável e todo trabalho de design; sim, colocar as coisas em seu justo lugar. O instante criativo quase sempre tem muito pouco de mágico e muito pouco de instante. As soluções devem surgir como resultado de processos nos quais a destreza plástica e a inspiração criativa somente tenham sentido na medida em que estão bem orientados. E para determinar o rumo correto é fundamental:

  • saber escutar o cliente e compreender sua necessidade;
  • estar disposto a ajudá-lo;
  • poder manter uma distância razoável e objetiva a respeito do produto – na obra – que se está gestando;
  • conhecer as melhores soluções pré-existentes para eventualmente poder superá-las;
  • ter sensibilidade para pré-visualizar seu possível funcionamento na realidade.

Muito pouco disso pode dar resultado sem ter um conhecimento profundo da cultura visual, conforme corresponda a cada profissional.

Na essência, a busca pela originalidade é impossível. Estamos constantemente influenciados, não só pelo trabalho de outros designers ou artistas, mas também por tudo que nos rodeia. Cada produto que utilizamos, cada rua em que passamos, a música que nós escutamos, o café que bebemos, tudo aquilo com que interagimos diariamente, nos provê de um acúmulo de influências que modifica a nossa maneira de ser, de pensar, e, evidentemente também de desenhar. Nesse sentido, nossa produção não é estritamente nossa.

Não se trata então de negar a criatividade, mas sim, compreender que esta só tem sentido na medida em que ajude a resolver adequadamente o problema do cliente. Em geral, «ser criativo» contribui quando coincide com o «ser eficiente», quanto mais culto, melhor. Da mesma forma que, na escrita, quanto maior o vocabulário e o domínio da língua, mais ricas e acertadas são as obras.

Traduzido por Abc Design Curitiba

Seguidores:
48
Opiniões:
11
Votos:
10
Compartir:

Este artigo foi escrito em co-autoria com Natalia Delgado.

Código QR para acesso ao artigo O instante criativo

Este artigo não expressa a opinião dos editores e responsáveis de FOROALFA, os quais não assumem qualquer responsabilidade pela sua autoria e natureza. Para reproduzi-lo, a não ser que esteja expressamente indicado, por favor solicitar autorização do autor. Dada a gratuidade deste site e a condição hiper-textual do meio, agradecemos que evite a reprodução total noutros Web sites.

Debate

Logotipo de
Minha opinião:

Ingresse com sua conta para opinar neste artigo. Se não a tem, crê sua conta grátis agora.

Retrato de Manolo Goulart
3
Manolo Goulart
Abr 2012

«A inspiração sempre vem, mas tem que te pegar trabalhando» palavras de Pablo Picasso.

A intuição também da um jeito ao trabalho, mas não é certeiro também não.

Ta certo meu amigo, sempre que vem, da uma mão, mas não resolve os aspeitos mais importantes da comunicação nem da produção gráfica.

Somente se pode falar de inspiração se você vai pintar uma tela ...

0
Responder
Retrato de Angela Maria Medina Olano
25
Angela Maria Medina Olano
Abr 2012

Interesante articulo Fabián, pienso que muchas veces el «momento creativo» no da señales, por esta razón pienso que como diseñadores debemos aprender a buscar ese momento, y para buscarlo tenemos que sumergirnos en un mar de conocimiento, ya que los buenas ideas no están flotando, sino están enterradas en el fondo del mar y por esta razón tenemos que hacer un gran esfuerzo para encontrarlas, darles forma y así lograr que se convierta en un gran diseño.

Así que el momento creativo no se espera, como obra y gracia, sino que se busca y se trabaja para obtener el resultado deseado.

0
Responder
Retrato de Miguel Angel Aguilera Aguilar
66
Miguel Angel Aguilera Aguilar
Abr 2012

En el pasado el potencial creativo no era visto como tema de interés «…las sociedades eran demasiado tradicionales como para interesarse en promover los cambios». Sin embargo, a medida que fueron evolucionando, se dieron cuenta de la importancia de crear nuevas ideas para satisfacer nuevas necesidades de desarrollo. Como consecuencia de esto, la creatividad dejo de ser un tema secundario y se convierte en un objeto importante de estudio.

0
Retrato de Fabián Bautista
48
Fabián Bautista
Abr 2012

Hola Miguel Ángel. Coincido en que la creatividad se ha convertido en una máxima de nuestra época. Espero que podamos convocarla de manera consciente para que nos asista en nuestro desarrollo profesional.

Saludos desde Tijuana.

0
Retrato de Miguel Angel Aguilera Aguilar
66
Miguel Angel Aguilera Aguilar
Abr 2012

Saudos Fabían Bautista, ejerzo la docencia en el Posgrado en Arte y Diseño de la Academia de San Carlos de la UNAM

0
Responder
Retrato de Monica Raiberti
58
Monica Raiberti
Abr 2012

La creatividad es un continuum para aquellos que la poseen.

Es posible que alguien llame «instante creativo» al momento en que puede conectarse con su propia sensibilidad.

Creo que el camino no es a través de algo externo, sino a través del contacto con el propio cuerpo. Quizás la música, u otro estrategia pueda acercarnos, pero siento que sobre este tema hay mucho «fetichismo».

Me parece que es sano que incluyamos que no es la misma capacidad creativa que cualquier diseñador tiene, a la que tuvieron Einstein, Picasso o Fukuda, etc., etc... Mal que nos pese!!!

1
Retrato de Fabián Bautista
48
Fabián Bautista
Abr 2012

Hola Mónica.

Cierto que tenemos muchos fetiches en torno a la creatividad. El colmo, es cuando se llega a pensar que una marca de computadoras te hace más creativo. Lo que debemos fomentar como bien mencionas, es un sentido holístico de la creatividad. De modo que debemos ser creativos para construir marcos teóricos que se alejen de los lugares comunes del diseño. Muy valioso cuando mencionas la importancia de conectar con nuestro espíritu creativo. Eso nos ayudará para ser buenos diseñadores y mejores seres humanos.

¡Saludos!

0
Responder
Retrato de Fabio Lopez
46
Fabio Lopez
Abr 2012

saludos Fabián, ótimo texto! O instante criativo existe e faz parte do processo, mas nem sempre acontece diante de pressões e prazos apertados. O aluno - e o profissional também - precisa aprender a desenvolver um bom projeto mesmo quando esse instante ʼmágicoʼ não acontece. Aprender a convencer pela solidez, e não apenas a conquistar pelo encantamento. Ou saber conduzir um processo de trabalho coletando todas as informações necessárias que permita o instante acontecer. Nesse sentido, mágico é o processo, o instante é só parte dele - nem sempre fundamental.

1
Retrato de Fabián Bautista
48
Fabián Bautista
Abr 2012

Obrigado Fabio pelo seu comentário.

O que você menciona é algo muito importante para os designers. Com meus alunos eu enfatizo a importância de ser capaz de resolver problemas o tempo todo, se estamos inspirados ou se as estrelas se alinharam favoravelmente.

O projeto deve resolver problemas de comunicação o tempo todo.

Uma saudação grande do México.

0
Retrato de Manolo Goulart
3
Manolo Goulart
Abr 2012

Hoje eu acordei com a ideia na cabeça, com a solução para o trabalho que tinha que ter feito na semana, mas tive que trabalhar o dia todo (domingo) pra fazer-lo.

Fica melhor se é assim, mas leva mais tempo, porque a gente quer fazer igualsinho do que imaginou, não é?

0
Responder
Retrato de Joaquín Eduardo Sánchez Mercado
531
Joaquín Eduardo Sánchez Mercado
Abr 2012

Un artículo del 2006 ahora en portugués (?)

0
Responder

Lhe poderiam interessar

Retrato de Marcio Dupont
Autor:
Marcio Dupont
Título:
Design Thinking não é Design
Resumo:
Há uma febre de Design Thinking no mundo, levando a uma visão errada sobre a profissão do Design. O artigo questiona, não o Desing Thinking, mas a sua aplicação superficial.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
33
Opiniões:
28
Seguidores:
54
Retrato de Aitor Méndez
Autor:
Aitor Méndez
Título:
Por favor, me pirateiem!
Resumo:
Introdução a dois conceitos básicos e fundamentais para compreender porque nós, designers, existimos: «o mercado da atenção» e «o mercado em tempo real».
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
6
Opiniões:
3
Seguidores:
5
Retrato de Rique Nitzsche
Autor:
Rique Nitzsche
Título:
Nossos ambientes são reflexos de nós mesmos
Resumo:
A humanidade faz design como uma extensão do nosso interior biológico.
Compartilhar:
Interações:
Votos:
7
Opiniões:
4
Seguidores:
265
Retrato de Norberto Chaves
Autor:
Norberto Chaves
Título:
Duas distorções no ensino de Design Gráfico
Resumo:
Teorismo e criativismo, duas visões opostas que, paradoxalmente, convivem sem conflitos, confundindo o caráter do exercício da pratica do design gráfico.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
6
Opiniões:
1
Seguidores:
3076
Ilustração principal do artigo Primavera
Autor:
Ronald Kapaz
Título:
Primavera
Resumo:
O que eu penso do Design Thinking.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
26
Opiniões:
8
Seguidores:
32
Retrato de Rique Nitzsche
Autor:
Rique Nitzsche
Título:
A interseção entre arte e tecnologia
Resumo:
O design no desenvolvimento dos negócios da Sony e da Apple.
Compartilhar:
Interações:
Votos:
11
Opiniões:
1
Seguidores:
265
Ilustração principal do artigo 30 frases de Bill Bernbach sobre criatividade na publicidade
Autor:
Joaquín Eduardo Sánchez Mercado
Título:
30 frases de Bill Bernbach sobre criatividade na publicidade
Resumo:
Uma seleção de ideias do renomado publicitário americano, para quem a publicidade não é uma ciência, mas uma arte sutil.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
7
Opiniões:
1
Seguidores:
531
Retrato de Rique Nitzsche
Autor:
Rique Nitzsche
Título:
Pessoas ficam mais criativas em ambientes criativos
Resumo:
Aprender tornou-se uma tarefa permanente. As atitudes e os ambientes devem se transformar para facilitar o aprendizado.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
18
Opiniões:
3
Seguidores:
265