Autêntico design

Assim como não há nada mais feio que o excessivamente belo, o risco de não ser compreendido é potencialmente mais autêntico que o risco de não errar.

Retrato de Marcos Beccari Marcos Beccari São Paulo

Seguidores:
42
Opiniões:
5
Votos:
14
Compartir:

O que torna um trabalho de design autêntico? Aliás, o que é autenticidade? Em âmbito interpessoal, dizem que «ser autêntico» é ser você mesmo, sendo uma objeção básica afirmar que é impossível deixar de ser «você mesmo». Uma definição mais elaborada, por conseguinte, seria a de aceitar quem você é e fazer disso o norte para aquilo que você quer se tornar. O problema é que essa aceitação pode rimar com resignação, isto é, resistência à mudança.

Desvencilhando-nos da ideia de imobilidade ou mudança, outro caminho a seguir seria a autenticidade, apenas como sinceridade para consigo mesmo. Tal definição só seria consistente, entretanto, caso houvesse uma pessoa que não carregasse consigo valores contraditórios. É quase unânime estimar a sinceridade em si, mas há diversas situações cotidianas em que essa entra em conflito com outros valores: seu melhor amigo está traindo a namorada e, se você quiser ser sincero com ela, corre o risco de perder a amizade dele.

Acho que ser autêntico não é tanto uma virtude/qualidade. Quando muito, é uma escolha relacionada à intensidade subjetiva. Algumas pessoas se sentem autênticas quando escolhem viver cada momento como se fosse o último, como se fosse eterno enquanto dura. Outras pessoas sentem-se autênticas com o contrário, isto é, vivendo a eternidade na expectativa e na lembrança. Podem ser as duas coisas juntas, mas ambas dependem de uma escolha.

Claro que não é uma escolha fácil: diante de um quadro do Magritte, podemos entregar-nos a uma epifania inédita e/ou não resistir ao inevitável espanto do «onde foi que eu já vi isso?». A isso soma-se o paradoxo de que a autenticidade de um objeto somente é percebida enquanto tal, não porque o objeto reflete uma intimidade pessoal mas, principalmente, porque traz consigo experiências impessoais. Neste ínterim, talvez seja pertinente retomarmos os conceitos de vestígio e aura em Walter Benjamin (1994, p. 226):

O vestígio é o aparecimento de uma proximidade, por mais distante que esteja daquilo que o deixou. A aura é o aparecimento de uma distância, por mais próximo que esteja daquilo que a suscita. No vestígio, apossamo-nos das coisas; na aura, ela se apodera de nós.1

De acordo com o autor, a obra de arte teria perdido, na modernidade, a «aura» que a singularizava com o advento da reprodutibilidade técnica, o que também acabou invertendo o papel do espectador que, por sua vez, passou a narrar sua própria individualidade através da impessoalidade da obra.

Mas o que nos interessa é o que diz a citação: vestígio relacionado com o passado, proximidade e posse, e aura relacionada com o futuro, distância e desposse. A autenticidade de um objeto de design manifesta-se em via dupla: por um lado, quando o objeto se apresenta como vestígio do usuário (por identificação, aproximação) e, por outro, quando o usuário lhe atribui uma aura, distanciando-se solenemente desse objeto que então «não o pertence». A autenticidade em si, portanto, não depende de comparação, ao contrário do valor que atribuímos a ela quando a transformamos em discurso.

O «autêntico» enquanto discurso é via de regra fingimento. Seja pagando fortunas numa calça velha com a marca Diesel, seja superestimando a diversidade cultural (aquilo que nos parece diferente), vestígio e aura desaparecem com o dogma do «depende do ponto de vista». É verdade que a autenticidade de um objeto não está no próprio objeto mas sim na forma como ele é apropriado e articulado numa cadeia discursiva. Quando a oferta de autenticidade é maior que sua demanda (o que é frequente no design), esse discurso perde todo o sentido.

Dito de outra forma, o valor do «autêntico» não é estabelecido apenas através do discurso, mas especialmente quando, de tanto fingirmos, nos tornamos sinceros ao escondermos uma mesma coisa.

Não sabemos ao certo, por exemplo, o que as pessoas esperam quando adquirem um produto Apple, e é justamente isso o que tentamos esconder: o fato de que ninguém sabe exatamente o que esperar de um autêntico Apple. E quando descobrimos que o perfume extasiante daquela garota é um Victoria’s Secret (que nem é tão secreto, já que muitas mais também o usam), tiramos-lhe a máscara de sua aura e corremos o risco de apagar qualquer vestígio de nosso fascínio inicial.

Quero dizer que a autenticidade mantém-se reservada, parcialmente intransponível e nunca inteiramente exposta. Acima de tudo: assim como não há nada mais feio que o excessivamente belo, o risco de não ser compreendido é potencialmente mais autêntico que o risco de não errar.

Editor: Alvaro Sousa V N Gaia

Seguidores:
42
Opiniões:
5
Votos:
14
Compartir:
  1. BENJAMIN, W. Obras escolhidas III – Charles Baudelaire, um lírico no auge do capitalismo. 3. ed. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1994.
Código QR para acesso ao artigo Autêntico design

Este artigo não expressa a opinião dos editores e responsáveis de FOROALFA, os quais não assumem qualquer responsabilidade pela sua autoria e natureza. Para reproduzi-lo, a não ser que esteja expressamente indicado, por favor solicitar autorização do autor. Dada a gratuidade deste site e a condição hiper-textual do meio, agradecemos que evite a reprodução total noutros Web sites.

Marcos Beccari

Mais artigos de Marcos Beccari

Título:
O designer solipsista
Resumo:
Cada um de nós é como um peixe que não vê a água na qual está imerso e, por conseguinte, sua existência real (do peixe e da água) não passa de uma emaranhado de sentidos.
Compartilhar:
Título:
Esconder e revelar
Resumo:
Preferindo imagens a conceitos, os designers mantêm o aspecto «enigmático» do mundo e revelam ao mesmo tempo, novas formas de olhar para este mundo.
Compartilhar:

Debate

Logotipo de
Minha opinião:

Ingresse com sua conta para opinar neste artigo. Se não a tem, crê sua conta grátis agora.

Retrato de Fernanda Filgueiras
1
Fernanda Filgueiras
Dez 2012

Atribuem a seguinte frase a Fernando Pessoa: «to define beauty is to misanderstand it». Talvez não desvendar inteiramente um design ou uma pessoa ajude a preservar um pouco do mistério e da fascinação...

1
Retrato de Alvaro Sousa
13
Alvaro Sousa
Fev 2013

«Definir o belo é não o compreender». É estranho ver um autor maior da língua portuguesa ser citado em inglês...

0
Retrato de Nuno Sousa
0
Nuno Sousa
Fev 2013

Pessoa escreveu muito em inglês, até foi tradutor.

0
Retrato de Alvaro Sousa
13
Alvaro Sousa
Fev 2013

Sim, e daí? vou completar as reticências:

«É estranho ver um autor maior da língua portuguesa ser citado em inglês, na resposta a um artigo traduzido em português».

Se fosse em francês ou castelhano, faria a mesma observação, a não ser que o comentário fosse integralmente nessa língua. Para além disso, em português soa muito melhor (acho eu).

0
Responder
Retrato de Ana Carolina Mil
6
Ana Carolina Mil
Nov 2012

La premisa del artículo es rara, me parece...

«excesivamente bello» es una contradicción, no hay belleza en los excesos... verdad?

y a lo bello no le sobra ni le falta, era así? Saludos! intreresante artículo..

1
Responder

Lhe poderiam interessar

Retrato de Daniele De Curtis
Autor:
Daniele De Curtis
Título:
A relação entre o assessor de imprensa e seu assessorado
Resumo:
A importância de construir uma relação de proximidade entre o assessor de imprensa e o assessorado.
Compartilhar:
Interações:
Votos:
2
Seguidores:
2
Ilustração principal do artigo Historia Mundial do Design
Autor:
Félix Beltrán
Título:
Livro: Historia Mundial do Design
Resumo:
Entrevista a Victor Margolin em relação ao seu livro «World History of Design», uma obra inigualável onde apresenta a sua extensa pesquisa e opinião sobre o tema.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
9
Opiniões:
1
Seguidores:
51
Ilustração principal do artigo Formação cultural do designer
Autor:
Norberto Chaves
Título:
Formação cultural do designer
Resumo:
Reflexão motivada por uma consulta realizada por Fabián García, Coordenador do curso de Design Gráfico da Fundación Área Andina, Bogotá.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
11
Opiniões:
1
Seguidores:
3077
Retrato de Norberto Chaves
Autor:
Norberto Chaves
Título:
Verbal/não verbal como polaridade identificadora
Resumo:
O papel do tipológico na referencia à identidade.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
13
Opiniões:
2
Seguidores:
3077
Ilustração principal do artigo Mais do que publicar conteúdos, é publicar histórias
Autor:
Samuel Soler Solaz
Título:
Mais do que publicar conteúdos, é publicar histórias
Resumo:
Não é suficiente escrever artigos para conseguir clientes a través do nosso site. Temos que seduzir, e se é com histórias, muito melhor.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
0
Seguidores:
5
Retrato de Luis Emiliano Costa Avendaño
Autor:
Luis Emiliano Costa Avendaño
Título:
Design abaixo do Equador
Resumo:
Porque devemos pensar grande num mundo onde ainda nos espelhamos no design dos países desenvolvidos: uma reflexão às futuras gerações de designer
Compartilhar:
Interações:
Votos:
4
Opiniões:
1
Seguidores:
5