Três garrafas, por favor!

Uma metáfora para que escritórios e empresários possam entender melhor o que está envolvido nos processos de concorrência.

Tulio Filho Curitiba
Followers:
9
Comments:
14
Votes:
15
Compartir:

Imagine a cena. Você entra em um restaurante e faz o seu pedido para o garçom. Pede então a carta de vinhos e escolhe não um, mas três dos principais vinhos da casa. O garçom não entende bem a situação, mas volta à mesa com as três garrafas. Você então pede que as abra. Ele ainda sem entender, abre. Você então pede para prová-las. Ele serve desconfiado. Após provar os três vinhos, você avisa ao garçom que gostou mais do terceiro e que vai ficar com ele. Ele questiona sobre as outras duas garrafas. Você responde que irá devolvê-las e que pagará apenas pela que gostou.

Sem dúvida, uma situação surreal. Mais surreal ainda, é que ela acontece todos os dias no mercado brasileiro. O cliente chama alguns fornecedores, passa um briefing muitas vezes com informação de menos e expectativas de mais, e aguarda uma solução. Paga por aquela que gostar mais. É importante realizar uma reflexão sobre este tema, pois apesar de extremamente nociva, é uma prática corrente e até defendida tanto por clientes quanto por fornecedores. Mas será que é digna?

A situação é tão dramática que atualmente as empresas vêm fazendo concorrência para tudo. De uma logomarca até um simples email marketing. Já perdi a conta de quantas propostas destas recebi. E sou honesto em assumir o erro e dizer que aceitei algumas. O aceite normalmente está ligado a várias questões. Pressão por parte do atual cliente para não perdê-lo, pressão por parte do departamento financeiro para atingir as metas de faturamento, e até mesmo pressão por parte da equipe de criação que deseja fazer algo bacana para um novo cliente.

A alegação dos clientes é sempre a mesma. Acreditam que não podem avaliar um escritório de design ou uma agência simplesmente por seu portfólio ou pela proposta comercial. Acreditam que ao escolher um fornecedor sem a concorrência, acabam dando um «tiro no escuro». Isto demonstra talvez a incapacidade cada vez maior das empresas em escolher seus fornecedores. Esta incapacidade, aliás, tem avançado em outras áreas como a própria definição de estratégias ou a aprovação de conceitos. O trabalho dos escritórios de design ou agências é baseado em ideias. Efetivamente é complexa a análise e escolha de um produto tão subjetivo, mas longe de ser impossível. Pelo contrário, com técnica e principalmente capacidade de decisão, a escolha fica fácil. Definitivamente a solução para isto não é colocar vários fornecedores para trabalhar por um mesmo projeto.

O fato é que cliente e fornecedores saem perdendo. O cliente acredita que está eliminando riscos. Mas engana-se. Ganha o risco de ter em suas mãos um trabalho superficial, com qualidade duvidosa e que muito provavelmente, não conseguirá solucionar o seu problema. Já o escritório acredita na oportunidade de conseguir um novo trabalho ou um novo cliente. Arruma um espaço na pauta e normalmente sacrifica a qualidade dos trabalhos de seus atuais clientes para desenvolver o famigerado job. Isto sem contar o próprio risco de não ter o seu trabalho aprovado e o custo por ele pago.

Por maior competência (ou lobby) eu poderia afirmar que é impossível ganhar todas as concorrências que um escritório de design ou agência participa. O reflexo disto provavelmente está no ponto de equilíbrio da empresa, ou seja, sua margem sempre terá que ser maior para poder ganhar algumas e perder outras concorrências. Mais uma vez, os seus clientes serão penalizados. Mas existem caminhos. Uma saída é o pagamento pela concorrência. Nesta modalidade, o cliente avisa de antemão, junto do briefing, que irá realizar o pagamento pelo trabalho desenvolvido durante o processo de concorrência. Normalmente ele define o preço a ser pago e fornecedores podem optar ou não pela concorrência.

É claro que não será o valor real do trabalho realizado, mas normalmente é um valor que permite ao escritório ou agência, não apenas participar, mas investir seu tempo e sua experiência na solicitação do cliente. Foi assim com a logomarca das Olimpíadas 2016, por exemplo. Após uma primeira etapa onde foram avaliados os portfólios de diversos escritórios e agências de todo o Brasil, os escolhidos foram chamados para a apresentação do briefing junto do pagamento pela concorrência. Não tenho dúvida de que todos os escritórios que participaram, tinham uma vontade imensa em ganhar o projeto. Mas com a compensação financeira, esta vontade deve ter ficado ainda maior e a qualidade dos projetos apresentados deve ter sido na mesma altura. Outra saída é a boa e velha avaliação do portfólio. Ele é sim uma excelente forma de entender como o fornecedor trabalha e que tipo de soluções costuma desenvolver. Aliado a uma entrevista ou uma visita à estrutura do fornecedor, diria que é mais que suficiente. Quem acredita que não pode avaliar uma empresa pelo portfólio provavelmente terá muita dificuldade de avaliar os resultados de um processo de concorrência.

E talvez existam outros caminhos que podem ser encontrados sempre pensando em uma parceria entre cliente e escritório ou agência. O que vale em resumo, é o bom senso. Para o universo dos clientes, é importante sempre avaliar bem a necessidade de se realizar uma concorrência. E por parte do universo dos escritórios, a avaliação recai sobre a participação ficando sempre atento aos manuais de boas práticas desenvolvidos por associações do setor.

Sempre teremos lados favoráveis e contrários às concorrências. Mas minha impressão é a de que a concorrência mais atrapalha que ajuda. Em um mercado carente de maturidade, mais ainda. Em um mercado onde as agências e escritórios de design, promo e digital, brigam não por um tenro e suculento filé, mas sim por um ossinho bem desgastado, nem se fala. Em um mercado como do estado do Paraná, onde clientes saem todos os dias e levam suas contas para agências em outros estados brasileiros, mais e mais ainda.

Acredito que a concorrência especulativa é a porteira aberta, o empurrão que o mercado precisa para tropeçar e tomar um tombo gigantesco. Depois da concorrência, qual será o próximo passo? Pagar para fazer o job? Aliás, em alguns casos, isto já acontece. Qual o fim desta história? Provavelmente o fim mesmo.

Parece que algo precisa ser feito. Vivemos no Brasil um período especial. Instituições se mobilizando contra a corrupção. O judiciário federal tentando corrigir práticas totalmente equivocadas, que não podemos esquecer, tem um pé bem grande no campo da comunicação. Sem dúvida um ar de indignação coletiva. Haveria momento mais propício?

Seria muita ingenuidade ou utopia da minha parte acreditar que juntas, as instituições de representação dos setores poderiam desenvolver um movimento contra a concorrência especulativa aliado a uma campanha orientando o mercado? Mais utopia ou ingenuidade ainda acreditar que juntos poderiam gerar um documento de boas práticas, posicionando as instituições e estabelecendo parâmetros mais coerentes e justos para a escolha de agências, escritórios de design, promo ou digital? E ainda mais utopia acreditar que as empresas e profissionais ligados a estas instituições passariam a utilizar estas ferramentas como fonte de consulta ou de negação às concorrências especulativas?

Será que esta é uma ideia factível ou estou apenas embriagado pelas três garrafas? Se for a última opção, uma aspirina, por favor.

Followers:
9
Comments:
14
Votes:
15
Compartir:

14 Comments

Comment

This article does not express the opinion of the editors and managers of FOROALFA, who assume no responsibility for its authorship and nature. To republish, except as specifically indicated, please request permission to author. Given the gratuity of this site and the hyper textual condition of the Web, we will be grateful if you avoid reproducing this article on other websites. Published on 26/11/2012.

You may be interested

Ramiro Pérez
Idioma:
ES
Author:

Ramiro Pérez

Title:

Todo se confundió cuando dejamos de hablar de sexología

Share:
Interactions:
Votes:
9
Comments:
10
Followers:
21
Jorge Del Toro
Author:

Jorge Del Toro

Title:

Creating Emotional Ties with Customers

Translations:
Share:
Interactions:
Votes:
2
Followers:
22
Nelly Paola Armas
Idioma:
ES
Author:

Nelly Paola Armas

Title:

El ABC de la investigación de mercado

Translations:
Share:
Interactions:
Votes:
29
Followers:
46
Marcelo Rodriguez Milesi
Idioma:
ES
Author:

Marcelo Rodriguez Milesi

Title:

Debate: ¿Aplaudir o condenar los concursos de diseño?

Share:
Interactions:
Votes:
53
Comments:
43
Followers:
55
Tiago Fiamenghi
Idioma:
PT
Author:

Tiago Fiamenghi

Title:

O real valor do Design

Translations:
Share:
Interactions:
Votes:
12
Followers:
25
Carlos Ávalos
Idioma:
ES
Author:

Carlos Ávalos

Title:

¿El diseño está perdiendo valor?

Translations:
Share:
Interactions:
Votes:
156
Comments:
67
Followers:
44
My opinion:

Login with your account to comment on this article. If you do not have it, create your free account now.

0
Isis Marques
Jun 2013

SITE DE CONCORRENCIA - DUVIDA:

Fiz um artigo sobre um site de concorrência especulativa de logos no Brasil (L*g****a). Ja contactei advogados e designers pra saber se posso fazer uma avaliação publica do serviço (postando fotos pra comprovar os argumentos), mas ninguém soube me dizer se fere os direitos autorais da companhia, ou se posso postar contanto que eu não diga o nome do site...Alguém sabe?

0
Reply
17
Joaquin Presas
Mar 2013

Tulio, primeiro, parabéns pelo texto. Acho que a única coisa que não concordo é que existam pessoas a favor como você disse pois, é sem sombra de dúvida - e como você muito bem disse - um processo onde todos perdem.

O problema é que realmente, como você disse, isso esta se tornando regra porem, acho que nós, proprietários de escritórios de design, podemos tentar mandar uma mensagem.

Na ponto, em função do minúsculo tamanho da equipe, nós simplesmente não participamos de concorrências e, sempre deixamos claro o porque. Abraços e parabens.

1
9
Tulio Filho
May 2013

Obrigado Joaquin. Infelizmente existem sim pessoas, e empresas, a favor do processo especulativo, por mais impensável que isto possa parecer. Conheço inúmeras. Sob a justificativa, por exemplo, de que só é possível conquistar novos clientes através da concorrência, pois desta forma, as empresas se colocam em pé de igualdade e os aspectos criativos são relevados. Este texto foi publicado no ano passado em nosso querido mercadinho. Depois disto busquei contato com ABEDESIGN, CCPR, SINAPRO e PRODESIGN para gerar um documento coletivo. Até hoje nada!

0
4
Ruth Klotzel
Oct 2014

Incrível Tulio, isso que vc fala sobre as próprias associações de classe não bancarem a briga! Isso amais desanimados ainda do que a prática predatória dos clientes que desrespeitam nossa profissão praticando a concorrência especulativa. Precisamos assumir também a responsabilidade. Se os próprios designers não se fazem respeitar, aonde chegaremos??? Sou um pouco desiludida, porque acho que ser político não implica em chegar a esse nível de condescendência de aceitar o aviltamento de uma concorrência especulativa. Há que continuar falando sobre o assunto e organizar uma "Associação do B" que levante essa bandeira? Ótimo que vc fale sobre isso. Publiquei um artigo no portal Design, há uns anos, sobre concursos, que também podem ser uma exploração de nosso trabalho...coisas que temos que debater mais. Abração, colega!

0
Reply
0
José Merege
Feb 2013

Caro Tulio... Como já havia comentado pessoalmente, gostei do artigo pela atualidade e principalmente como alerta as práticas que herdamos, de certo modo da publicidade onde ofereciam design como brinde nos projetos publicitários. Muitos dos nossos designers de agora, embarcam nessa e acabam prejudicando o mercado como um todo... Parabéns, mais uma vez! O alerta foi dado.

0
9
Tulio Filho
May 2013

Obrigado Merege. Realmente é uma prática de longa data mas que infelizmente parece não ter fim. Algo precisa ser feito além do alerta. Abraço.

0
Reply
0
Gisele Raulik Murphy
Feb 2013

Oi Tulio! Este problema não acontece só aqui, infelizmente.

Segue aqui o link de uma publicação que trabalhamos no Reino Unido, com recomendações na área de licitações de design e projetos criativos: Enlace%20report_PRINT.pdf. Foi uma pesquisa grande, que vale a pena ser divulgada.

0
9
Tulio Filho
May 2013

Olá Gisele. Vou analisar a pesquisa e com certeza servirá de insumo para mais discussões. A prática não acontece só no Brasil mesmo. Muitas empresas multinacionais alegam inclusive que esta é a prática padrão em suas matrizes, trazendo para os terrenos tupiniquins o mesmo padrão, talvez com alguns requintes de crueldade pela falta de mobilização e representatividade do nosso mercado, ou seja, fazem o que querem porque tem gente disposta a atender uma grande multinacional. Abraço.

0
Reply
2
Freddy Van Camp
Feb 2013

Excelente artigo Tulio!!! Eu gostaria de tê-lo escrito. Recentemente tive um convite para realizar um projeto com «degustação». Faria o projeto até um certo ponto e se o cliente gostasse continuaria o processo. Se ele não gostasse me pagaria apenas parcela da primenra fase, se gostasse me pagaria integralmente.

Claro que não aceitei!!!! Não estamos em uma feira com amostras gratis!!

0
9
Tulio Filho
May 2013

Obrigado Freddy. Este é o ponto. Até onde podemos nos deixar levar? Até onde fazemos concessões? A amostra grátis de hoje é a liquidação de amanhã!! Abraços.

0
Reply
164
Jorge Montaña
Nov 2012

Concordo 100%, infelizmente muitos designers no desespero aceitam participar neste tipo de propostas especulativas, desvalorizando a profissao e usualmente com fracos resultados pois nao tem informacao completa nem compromiso. Acho que a resposta está em oferecer valor ao cliente por cima de fazer um bom folder ou produto, dar uma resposta completa e abrangente e ter um bom portfolio para o cliente conferir antes de contratar.

Infelizmente designers jovens, entram na concorrencia especulativa e os mais experientes pulamos fora. Sao condicoes do mercado em toda América Latina

0
9
Tulio Filho
May 2013

Jorge. Discordo que o motivo principal da escolha seja o desespero. Talvez ele seja apenas o final da história. Falta de planejamento, falta de habilidade e prática de gestão, falta de mobilização e representatividade do segmento. E tem muito designer experiente que aceita este jogo. Não é uma prática apenas dos mais jovens. Pelo menos aqui em terras verde-amarelas. Abraço.

0
Reply
7
Nei Zuzek
Nov 2012

Tulio, parabéns pela estreia no ForoAlfa e pela sua matéria, clara e comprometida. Deixo aqui minha opinião: já que o design é uma atividade comercial que está inserida num mundo competitivo, participar de concorrências é uma prática saudável, desde que haja regras claras e que contribuam ao negócio do design e à melhora da qualidade e da competitividade do setor como um todo. Concorrência de cartão de visita não faz sentido. Concorrência para fechar contratos sérios, sim. Somos nós, designers, que temos que impor as condições, e não aeitar passivamente qualquer concorrência vagabunda.

0
9
Tulio Filho
May 2013

O problema é justamente este Nei. Como definir o que é justo ou injusto em um processo especulatório? Meu texto contém algumas sugestões de caminhos. Confesso que são poucos os clientes que aceitariam pagar por algo sem levar. Estes são os mesmos que acreditam que não é possível realizar uma escolha de um profissional ou empresa sem antes que ele apresente sua ideia, seu principal bem produtivo. A normatização de concorrências já acontece. São as licitações. Mesmo nelas, os processos costumam sofrer de obscurantismo. Falta inclusive a compreensão de qual é o papel do design.

0
Reply

Upcoming online courses

Branding Corporativo

Branding Corporativo

Cómo planificar, construir y gestionar la marca de empresas e instituciones

4 weeks
17 Septiembre

Estrategia de Marca

Estrategia de Marca

15 claves para programar el diseño de símbolos y logotipos de alto rendimiento

4 weeks
29 Octubre

Relecturas del Diseño

Relecturas del Diseño

Una inmersión en el discurso sobre el diseño para despejar sus nociones más controvertidas: creatividad, innovación, arte, tecnología, función social...

4 weeks
28 Enero 2019

Branding: Diseñador y Cliente

Branding: Diseñador y Cliente

Tratar con el cliente, hacer presupuestos y planificar las etapas de la creación de una marca

3 weeks
22 Abril 2019

Auditoría de Marca

Auditoría de Marca

Taller de práctica profesional: análisis, diagnóstico y programa de marca sobre casos reales

6 weeks
22 Junio 2019