Guillermo Brea

O muro das lamentações

Neste texto questiono o caráter autocompassivo com que se aborda o problema do reconhecimento social da profissão.

Read in spanish
El muro de los lamentos

Dedicado aos que mais investiram na minha formação:
os meus clientes

Como é sabido, o chamado Muro das Lamentações é o que restou do Segundo Templo em Jerusalém, após o este ter sido destruído pelos romanos. No entanto, jogando com as palavras, gostaria de dar outro significado ao título do artigo: a ideia de que para os designers os lamentos funcionam como um muro. O Muro das Lamentações é a barreira de queixas e denuncias que, colocando a culpa sempre no cliente, impedem o designer de ver as próprias falhas e assumir o lugar do outro para compreender as suas razões em vez de o estigmatizar.

Criei uma lista dos lamentos mais ouvidos  e tentei analisá-los através de uma desmontagem da perspectiva «umbiguista». Mantendo o tom religioso do artigo, os lamentos são dez e, como é possível observar, não há designer que não tenha usado, um que seja, pelo menos uma vez na vida.

  1. O cliente baseia a sua opinião no «gosto ou não gosto» (e o seu gosto é sempre ultrapassado, vulgar ou pretensioso).
  2. O cliente prefere a pior opção.
  3. O cliente quer o logótipo maior (ou o texto, ou o que quer que seja, desde que fique maior).
  4. O cliente é arbitrário e caprichoso.
  5. O cliente não confia em mim.
  6. O cliente muda de opinião todos os dias.
  7. O cliente quer tudo para ontem.
  8. O cliente põe a mão no MEU trabalho (sim, com o MEU em bold e caixa alta).
  9. O cliente destruiu o MEU desenho (com o MEU, se fosse possível, em caixa alta extrablack).
  10. O cliente não compreende o valor do design (sendo por isso que compra pelo preço).

Como bônus, uma lamúria adicional: «a universidade não me preparou para o mundo real», isto é, quando a falha não é do cliente, de alguém terá de ser! Por isso não admira que possa ser dos professores ou até mesmo dos pais.
Antes de analisar estas queixas uma a uma, devemos ter em conta alguns pressupostos: dizemos «cliente» como se este fosse genérico, o que, definitivamente, não é assim; por outro lado, argumenta-se que estes problemas de projeto são específicos do design,  quando na realidade estes se associam ao exercício da generalidade das profissões liberais. Assim sendo, o ser genérico ou específico varia segundo as nossas conveniências. 

1. O cliente escolhe com base no seu gosto

Contra-argumento: Tem outro parâmetro para escolher?

O cliente escolhe em função do gosto quando não tem outra forma de avaliar. Isto não significa que seja ignorante. Quer antes dizer que não foram fornecidos parâmetros suficientes ou não o foram de forma correta. Para a maioria das pessoas, quando se explica alguma coisa, elas entendem; quando não entendem é porque lhes foi mal explicado. É mais fácil dizer «o cliente não compreende a razão» que «o cliente não entende as MINHAS razões», já que estas podem ser insuficientes, inadequadas ou incompreensíveis.

É mais fácil colocar o outro na posição de ignorante do que admitir que ele tem uma formação diferente da nossa. O cliente não tem obrigação de possuir conhecimentos projetuais, mas nós não deixamos de ter a obrigação de lhe explicar. Com isto quero marcar um ponto central: a explicação não é uma parte opcional do serviço que se espera do profissional.

A alternativa ao «gosto/não gosto» é gerar, junto do cliente, parâmetros de avaliação consensuais. Estes não devem basear-se nas minhas prioridade como designer mas antes na interpretação das necessidades do cliente, respeitando o seu pensamento e compreendendo as suas incertezas relativas ao risco que enfrenta.

2. O cliente escolhe a pior opção

Contra-argumento: Quem criou essa opção?

Esta é uma daquelas lamúrias que mais me chama à atenção, porque parece esquecer que essa opção também foi concebida por nós. Para além disso, convém não esquecer que um projeto é um processo. Um processo discutido em que se vão descartando umas respostas para que outras permaneçam, sendo que o que está em jogo e a VIABILIDADE. Umas alternativas são viáveis e outras não. Assim sendo:

1.            o cliente vê-se forçado a optar entre várias soluções, sendo que nenhuma lhe parece viável ou boa…

2.            o cliente opta pela opção mais viável, relegando para segundo plano os critérios gráficos.

No primeiro caso, convém sempre recordar que quando se contrata um serviço profissional, é suposto receber-se, junto com a assessoria, uma proposta. Quando não aceitamos a proposta apresentada e optamos por manter a nossa ideia é porque, quase sempre, o profissional não foi capaz de nos convencer, restando-nos duas alternativas: se o preço for baixo, indicamos-lhe o que deve fazer; se for alto, procuramos outro profissional.

A questão é que costumamos propor muito pouco. Quando um designer afirma que ofereceu três propostas ao cliente, habitualmente quer dizer que apresentou três respostas para a mesma pergunta. Propor significa fazer com que o cliente repense as questões e não que varie as respostas. Quando a capacidade para propor não convence, o cliente toma a iniciativa e o controlo do processo. O fato de isto acontecer não o transforma, obrigatoriamente, numa personalidade dominante. Acreditem em mim: nós erramos nalgum ponto do processo.

É por isso que o cliente pode escolher uma qualquer em detrimento das outras, e devemos ter em atenção o fato de dos seus parâmetros de seleção não serem apenas os do design mas também os comerciais, operacionais, financeiros, etc. Se a proposta graficamente mais forte não cumprir estes requisitos, então não é a melhor proposta.

3. O cliente quer o logo maior

Contra-argumento: A peça cumpre a sua missão?

Como dizia Knut Yran, às vezes o cliente pede uma ponte quando o que ele necessita é atravessar um rio. Normalmente, quando um cliente diz que quer maior, mais para ali ou mais para acolá, está a apontar alguma deficiência na peça apresentada, embora não saiba dizer bem qual é. Esse cliente conhece o seu negócio e, mais ainda, sabe algumas coisas sobre o seu público.

A questão é não blindar-se perante a alegada interferência no nosso trabalho, tentando detectar o que é que, aos olhos do cliente, está a falhar apesar de não saber como o expressar. Espanta-me o grau de teimosia que muitos colegas tem para defender um resultado que, muitas vezes, é mais esteticista que estético, passando por cima de qualquer necessidade operacional.

Alguns designers queixam-se do resultado obtido – onde a opinião de outros interferiu – porque lhes parece esteticamente repugnante, sentindo-se assim impedidos de assinar o trabalho. Essa base autoral descabida, segundo a qual um desdobrável se assina como se de um quadro se tratasse, é uma amostra do pensamento equivocado que há na nossa profissão.

Atrás disto está a lógica do portfólio. Numa brochura (impressa ou virtual) colocam-se apenas as peças que ficaram mais bonitas – isto é, as de que mais se gosta –, tenham sido aceites/produzidas ou não. De seguida mostramos esse portfólio aos clientes para que nos escolham e, para finalizar, queixamo-nos se avaliam o nosso trabalho segundo padrões pessoais de gosto.

4. O cliente é arbitrário e caprichoso

Contra-argumento: E os designers não o são?

Isto leva-me a um tema que, só por si, daria um artigo muito maior que este, pois está diretamente relacionado com o estado geral da disciplina. A hipótese que coloco é a de que o modelo atual de designer é, em muitos casos (gostava de esclarecer que estou a falar de muitos casos e não em todos os sequer na maioria), um operador com bons argumentos.

O que é que quero dizer com isto? A introdução do design na universidade fez com que os profissionais da área deixassem de ser meros operadores e passassem a ser definidos como comunicadores visuais. Isto estaria correto não fosse o facto de se ter ficado a meio do caminho, isto é, sermos operadores apelidados de comunicadores, mantendo-se o vazio do termo. Seres que podem usar palavras como pregnância, marca ou estratégia, mas não conseguem, na prática, ligar o projeto ao negócio do cliente. Quando o fazem parece resultar numa mistura de capacidade técnica com arbitrariedade autoral. Compreender o negócio do cliente e, acima de tudo, compreender que o negócio do design não é apenas design, é outra questão.

O que é que nos falta para sermos verdadeiramente comunicadores? Aquilo que toda a verdadeira comunicação requer: ter em consideração o OUTRO. Neste caso há um primeiro “outro” que é o cliente e, o mais importante, o seu público-alvo, isto é, o cliente dos nossos clientes.

Qual é o antidoto para a arbitrariedade (própria ou alheia)? O TESTE. A arbitrariedade do cliente combate-se com evidências mas, primeiro, é necessário saber testar – coisa que poucos designers se dão ao trabalho de aprender – e, segundo, estar disposto a compreender o que o teste nos dá. Essa não é, desde logo, uma ideia muito popular entre os designers gráficos porque implica uma redução importante do próprio ego.

5. O cliente não confia em mim

Contra-argumento: A confiança é um vínculo.

Este ponto está relacionado com o ponto anterior. A confiança não é um portfólio. A confiança, em qualquer relação profissional, é uma construção mútua que requer tempo, conhecimento, experiência, capacidade de resposta e, sobretudo, diálogo.

Muito antes de saber desenhar, o que um designer deve saber, primeiro, é escutar (e perguntar as coisas certas, também). O problema (e aqui vai outra possibilidade para continuar a angariar amigos) é que esta é uma profissão que pode ser exercida por gente demasiado jovem (a média de idades é, em comparação com a dos clientes, surpreendentemente baixa). Inicia-se demasiado jovem na profissão, exercendo-a de forma independente bem antes de somar “horas de voo”.

Isto gera, por um lado, inexperiência de vida e, por outro, isolamento, no que diz respeito à capacidade de trabalhar com outras pessoas, levando-o a não aprender o mais importante: capacidade de ouvir e perguntar. A formação obtém-se estudando, praticando e vivendo, sendo o design cada vez mais uma construção coletiva.

Quando um cliente pretende confiar um investimento importante a um profissional não espera só qualidade na sua prestação. Espera também saber que está nas mãos de alguém que lhe transmita confiança, isto é, alguém que saiba ouvir e tem formação para tomar decisões – muitas vezes difíceis – baseadas nas informações que escutou.

6. O cliente muda de opinião todos os dias

Contra-argumento: Existe uma noção de processo?

Um projeto de design é um processo, não só para o designer, mas também para o cliente que encomenda o projeto. O cliente também apreende o percurso, que se desenvolve num ciclo interativo de tentativa e erro. A questão prende-se  com o compreender se esse processo é planificado ou aleatório? E, sendo planificado, quem é suposto ser responsável por essa planificação: o suposto especialista na matéria (neste caso o designer) ou alguém sem experiência? Quantos designers iniciam um trabalho com a entrega de um cronograma que inclui todos os passos a desenvolver no dia-a-dia, prevendo  as dificuldades e atrasos que possa vir a surgir e que o cliente não tem como saber?

Projetar é antecipar em sentido alargado. Não só antecipar a existência de um objeto antes de o produzir, mas também prever todas as fases do processo de produção de tal objeto. Clientes rigorosos e metódico nos seus processos produtivos ou industriais vão, repentinamente,  converter-se em anarquistas, só porque estão a lidar com designers? Porquê? Porque de repente enlouqueceu ou porque é mais atraente lidar com personagens incapazes de planear do que com os seus processos produtivos e profissionais capazes?

7. O cliente quer tudo para ontem

Contra-argumento: O design é parte de um processo produtivo.

Isto está intimamente ligado com o ponto anterior. A produção não é um mal necessário com que um deus vingativo resolveu punir os designers por estes ganharem dinheiro fácil. Um designer faz parte de uma cadeia produtiva e isso deve ser assumido como tal.

Saber quando acabar um processo é tão importante quanto saber como resolvê-lo. A gestão do tempo é cinquenta por cento da boa gestão de projeto, e é importante considerar os riscos que cada um assume. Uma tipografia coloca em cima da mesa um capital técnico, humano e financeiro, infinitamente maior do que o que coloca um designer gráfico, com uma taxa de lucro bastante mais baixa, e um cliente sujeita-se a multiplicar várias vezes o custo do design na implementação e comissionamento do projeto.

Existem também clientes apressados por puro capricho, mas isso resolve-se solicitando inputs com a mesma urgência. Se a pressão é genuína, retorna. Se não é, é porque tudo pode esperar.

8. O cliente põe a mão no meu trabalho

Contra-argumento: Quem é que o permite?

Em conformidade com o ponto dois, quando um cliente começa a desenhar é porque lhe foi dado espaço para o fazer. E esse espaço só se fecha se a solução do profissional inibe a intrusão. Nós participamos quando sentimos que o outro está ao nosso nível, ou porque a sua resposta é vazia de sentido.

9. O cliente destruiu o meu desenho

Contra-argumento: O projeto era sustentável?

Dois pontos em relação com esta queixa. Primeiro, suprimir esta questão do ME destruiu, o MEU projeto. Para além da ilusão autoral, existe uma razão puramente técnica: um designer deve analisar as suas propostas antes de as apresentar aos cliente, percebendo se elas são adequadas. Mas isto exige desprendimento, desapego e a capacidade analisar o trabalho como se lhe fosse alheio, criticando-o de forma justa. Isso significa que deve aprender a distanciar-se do objeto rapidamente. Se acha que a peça é como um filho, dificilmente o poderá fazer.

O segundo, tem a ver com a viabilidade do projeto. A maioria dos manuais de normas nunca são completamente implementados. Será porque uma conspiração dos malévolos clientes pretende combater o bom design, ou antes porque esses manuais não comtemplam a realidade da organização e são, de fato, inaplicáveis? A maioria dos projetos «destroçados» pelos clientes, são-no devido à tentativa destes de os adaptar – ainda que desajeitadamente –, às condições reais não previstas pelo designer.

10. O cliente não compreende o valor do design e regateia o preço

Contra-argumento: E o designer, compreende-o?

Sobre este assunto, apenas um parágrafo em forma de questão: Apesar de  repetir vezes sem conta que o design é estratégico, quantos designers podem realmente demonstrar, com argumentos e números, o impacto real do design num determinado negócio?

Sobre o regatear: a compreensão do caráter estratégico é independente do preço. Um cliente pode entender perfeitamente a importância do design na sua estratégia de negócios e ainda discutir o preço, como faria qualquer um de nós.

Ultimamente tenho visto imensos métodos de orçamentação, mas não vejo nenhum que contemple, como de costume, o outro lado. Um orçamento não é feito de forma unilateral, considerando os meus gastos e minha margem de lucro. Terá de considerar também a negociação que tem a ver com os modos comerciais do cliente.

Por fim, a mãe de todos os lamentos:

A universidade preparou-me mal para o mundo real

Contra-argumento: Dizia Oscar Wilde que depois dos vinte anos cada um tem a cara que merece.

Formação de base ou conhecimento prático aplicado? Esse é o dilema de todas as universidades do mundo em todas as carreira profissionais. Metade dos alunos queixa-se de não ter recebido background suficiente enquanto que a outra metade se queixa de não ter aprendido conhecimentos técnicos práticos. Nenhuma universidade conseguiu, até agora, resolver este dilema e, na verdade, elas não têm de o resolver. Ninguém é profissional só porque acabou a faculdade. Só será profissional quem trabalhar duro e tiver sorte alguns anos mais tarde.

O caminho que garante o respeito e a confiança dos clientes e nos posiciona como profissionais, é feito de formação e aprendizagem ao longo da vida. Para aprender só é necessário humildade e desconfiança. Mas essa desconfiança não é relativamente aos outros, mas sim sobre nós mesmos, sobre os nossos preconceitos e a nossa tendência de atirar a culpa para cima dos outros.

Author
Guillermo Brea Buenos Aires
Translation
Alvaro Sousa V N Gaia

Published on 15/07/2013

IMPORTANT: This article does not express the opinion of the editors and managers of FOROALFA, who assume no responsibility for its authorship and nature. To republish, except as specifically indicated, please request permission to author. Given the gratuity of this site and the hyper textual condition of the Web, we will be grateful if you avoid reproducing this article on other websites. Instead, we suggest and value a partial reproduction, also including the name of the author, the title and the source (FOROALFA), a link to this page (https://foroalfa.org/articulos/o-muro-das-lamentacoes) in a clear and visible place, inviting to complete the reading.

Autor:
Guillermo Brea

More articles byGuillermo Brea

Article:

Identidade corporativa e os paradigmas de gestão

Followers:
166

Related

Illustration:
Jorge Illich Carpinteyro
Author:

Jorge Illich Carpinteyro

Title:

Os concursos de design

Synopsis:

Os concursos não são a causa dos principais problemas estruturais da profissão de design, mas são um excelente reflexo deles.

Translations:
Read in spanish Read in english
Votes:
4
Comments:
1
Followers:
4
Idioma:
PT
Illustration:
Fabián Bautista
Author:

Fabián Bautista

Title:

Prometeo y el iPhone

Synopsis:

El branding de Apple actualiza uno de los mitos más apreciados por el ser humano. A través de esta apropiación experimentamos una emoción que va más allá de la compra de un producto. Esta marca se ha convertido en un rockstar mediático.

Votes:
2
Comments:
1
Followers:
47
Idioma:
ES
Illustration:
Ivan Abbadie
Author:

Ivan Abbadie

Title:

Hay que reglamentar el ejercicio del diseño

Synopsis:

La colegiación de los diseñadores es un paso importante para la prestación de un mejor servicio.

Votes:
88
Comments:
84
Followers:
41
Idioma:
ES
FOROALFA ISSN 1851-5606 | Contactar | Publicidad | ©Luciano Cassisi 2005~2016