Design: Importante ou imprescindível?

Entre os textos e relatos de acadêmicos e de profissionais ligados ao design, percebe-se que um assunto permeia recorrentemente as discussões: O Reconhecimento da Profissão.

Julio Teixeira Florianópolis
Followers:
9
Comments:
2
Votes:
9
Compartir:

Tem-se visto comparações que relacionam Design com Medicina, Engenharia, Arquitetura, Direito, etc. Tais comparações são válidas e auxiliam no amadurecimento da profissão e do profissional. No entanto, para avaliar com maior clareza esta questão, devemos separar alguns pontos. Primeiramente, faz-se importante entender quais são os fatores internos e externos. Consideraremos aqui, como «fatores externos», principalmente a percepção da sociedade quanto as nossas atividades, e como «fatores internos» a atividade da forma como é realizada pelos designers.

Portanto, vamos iniciar trazendo a superfície os «fatores externos». Algumas profissões são vistas, por grande parcela da sociedade geral, empresas e governos como profissões imprescindíveis, outras são vistas como importantes.

Entre as imprescindíveis existem profissões que são consideradas por atender necessidades básicas, na maioria das vezes, fisiológicas e de segurança. Estas normalmente assumem responsabilidades técnicas nos resultados de suas ações (inclusive por meio de laudos, pareceres, projetos etc.) que estão suscetíveis a graves consequêcias caso estejam equivocadas (mortes, acidentes, contaminação etc.). Outras profissões conseguiram especificar, valorizar e proteger tanto a sua atividade, que as pessoas e as organizações não se sentem seguras em empreendê-las por si mesmas, em alguns casos isso não é nem permitido pela legislação. Dessa forma, naturalmente, o profissional recebe reconhecimento, credibilidade, maior remuneração e em alguns casos recebe certa «blindagem social» e os leigos se sentem desconfortáveis em questioná-los e relegam isso a outros profissionais da mesma classe.

As importantes normalmente são vistas como profissões onde habilidades específicas são necessárias e o conhecimento técnico-científico é aplicado proporcionando melhores resultados. Partes dessas atividades são realizadas por profissionais que não possuem formação específica na área, pois não são consideradas de necessidade básica ou regulamentadas pelo governo, ou seja, a profissão não conseguiu ainda, mostrar-se imprescindível para a sociedade ou para um grupo específico.

No caso do design, quanto aos «fatores internos» devemos considerar que:

  • A profissão é recente (quando comparado as mais tradicionais). 
  • As atividades que são características da profissão, ainda não são completamente especificadas, pelo contrário, o design tem buscado ampliar os horizontes de trabalho «infiltrando-se» em outras áreas sem se consolidar e sem resolver tecnicamente a sua atividade. 
  • Muitos profissionais não adotam uma postura e discurso profissional. Por exemplo, dificilmente se pautam em pesquisas e informações científicas.
  • A busca e articulação pela regulamentação da profissão ainda vista como um sonho (pelo menos no Brasil); e por fim.
  • O designer não coleciona informaçoes palpáveis e quantificáveis de seus resultados, muito menos chega a assumir riscos e responsabilidades por suas atitudes e por seus projetos.

Enquanto tais «fatores internos» não estiverem melhor resolvidos, o reconhecimento do designer como profissional capaz de proporcionar desenvolvimento de uma organização e até de uma sociedade não ocorrerá, e a culpa não é e não será da sociedade.

Followers:
9
Comments:
2
Votes:
9
Compartir:

2 Comments

Comment

This article does not express the opinion of the editors and managers of FOROALFA, who assume no responsibility for its authorship and nature. To republish, except as specifically indicated, please request permission to author. Given the gratuity of this site and the hyper textual condition of the Web, we will be grateful if you avoid reproducing this article on other websites. Published on 26/03/2012.

You may be interested

Alejandro Rodríguez Musso
Idioma:
ES
Author:

Alejandro Rodríguez Musso

Title:

Innovación y creación de valor

Share:
Interactions:
Votes:
10
Followers:
39
Julio Terán Anciano
Idioma:
ES
Author:

Julio Terán Anciano

Title:

De diseñador gráfico a creativo de medios sociales

Share:
Interactions:
Votes:
126
Comments:
67
Followers:
65
Claudia Mena
Idioma:
ES
Author:

Claudia Mena

Title:

Reflexiones básicas al diseñar para el entorno social

Share:
Interactions:
Votes:
38
Comments:
19
Followers:
18
Pablo Bertero
Author:

Pablo Bertero

Title:

Creative Myopia

Translations:
Share:
Interactions:
Votes:
1
Comments:
1
Followers:
63
Luiz Renato Roble
Idioma:
PT
Author:

Luiz Renato Roble

Title:

Design é mais que desenho, é conceito

Share:
Interactions:
Votes:
13
Comments:
1
Followers:
18
Alvaro Magaña
Idioma:
ES
Author:

Alvaro Magaña

Title:

Investigación cuantitativa para el diseño

Share:
Interactions:
Votes:
15
Comments:
6
Followers:
97
My opinion:

Login with your account to comment on this article. If you do not have it, create your free account now.

281
Alfredo Gutiérrez Borrero
Mar 2012

Julio,quão saudável é para o design que amamos,um comentário como o seu que demanda rigor na investigação ea recolha criteriosa de informação por escrito rigorosamente na discurso.As profissões que ganharam respeito social,construíram instituições que apóiam o trabalho específico que os profissionais fazem. Infelizmente,muitas pessoas ainda acreditam que os designers só pode ser concebidos estritamente fazendo o que caracteriza a sua profissão(gráficos ou objectos),mas esquecem o valor das palavras e do serviço que eles fornecem para o design em todas as suas nuances,em lugares comoeste fórum.

1
9
Julio Teixeira
Mar 2012

Concordo Alfredo. Não podemos esperar tal reconhecimento social, enquanto postura e discurso profissional forem raridades no meio. Fóruns como esse são instrumentos poderosos para incitação de discussões, ideologias, posturas profissionais, normalizações de boas práticas etc. Portanto, parabéns Foroalfa.

2
Reply

Upcoming online courses

Branding Corporativo

Branding Corporativo

Cómo planificar, construir y gestionar la marca de empresas e instituciones

4 weeks
17 Septiembre

Estrategia de Marca

Estrategia de Marca

15 claves para programar el diseño de símbolos y logotipos de alto rendimiento

4 weeks
29 Octubre

Relecturas del Diseño

Relecturas del Diseño

Una inmersión en el discurso sobre el diseño para despejar sus nociones más controvertidas: creatividad, innovación, arte, tecnología, función social...

4 weeks
28 Enero 2019

Branding: Diseñador y Cliente

Branding: Diseñador y Cliente

Tratar con el cliente, hacer presupuestos y planificar las etapas de la creación de una marca

3 weeks
22 Abril 2019

Auditoría de Marca

Auditoría de Marca

Taller de práctica profesional: análisis, diagnóstico y programa de marca sobre casos reales

6 weeks
22 Junio 2019