Joan Costa

A eterna e inútil discussão

Porque é que o design não é arte? Para responder a esta pergunta nada melhor do que confrontar os argumentos usados em contrário.

Read in spanish
La eterna e inútil discusión

—O Design é arte?

—Não, querida. Design é design.

—Não podes negar que a arte e o design têm muito em comum…

—Também você e eu temos muito em comum, mas somos diferentes. O que temos em comum pertence à espécie. Mas o que define a nossa identidade como indivíduos únicos e irredutíveis não é o que temos em comum, mas sim justamente o que nos é próprio psicológica e culturalmente. 
A Teoria da Forma já nos ensinou que a percepção associa o que se parece. Mas quando vais para além da percepção em busca do conhecimento, e se encontras uma única diferença, continua a observar e descobrirás cada vez mais diferenças. As únicas semelhanças entre arte e design são puramente formais. Mas a Gioconda e a marca da Mercedes são algo mais do que formas.

—Pois não devem ser muito diferentes, porque há artistas que fazem design e designers que fazem arte.

—Pode-se fazer muitas coisas diferentes, pintar um quadro, fazer o design de um cartaz, cozinhar e jogar xadrez. O que é essencial na tua pergunta não é a pessoa que faz determinada coisa, mas sim a coisa que faz essa pessoa: arte ou design? Ou mais exactamente: o que interessa é a natureza dessas coisas.

—Podes dizer o que quiseres, mas há designs que têm valores artísticos inegáveis.

—«O artístico» não é a arte. Leonardo, Van Gogh ou Picasso não são «artísticos». O adjetivo «artístico» está ligado ao acto da criação. Mas estamos a falar de substantivos e com maiúscula: Arte e Design. Desconfia do adjectivo «artístico» quando se aplica a algo que não é arte. Mas desconfia também do «Design» como adjectivo: móveis de design, roupa de design, penteados de design ou drogas de design.

—Então, se falamos de arte, temos de pensar em beleza, numa certa poética?...

—A beleza ou a poética é o que muitas vezes é a razão da obra de arte. A beleza, ou mesmo a fealdade, é para a arte o que a estética é para o design. Mas uma estética funcional. O design não é arte, mas vive dela porque se alimenta das suas diferentes estéticas. Daí vêm as confusões.

—Pois eu comparo design com Kandinsky, Klee e Mondrian.

—E porque não com Rubens, El Greco ou Grünewald?

—Pois, porque não têm nada a ver.

—Como não? Não falamos de arte?

—Sim, mas de arte clássica.

—Então a tua pergunta está mal formulada ou coloca um falso problema. Em qualquer caso, a que arte te referes? Se o que pensas é se o design é arte pós-impressionista, ou expressionista, ou informalista, ou surrealista, então a pergunta ainda faz menos sentido.

—Pois vamos dar-lhe a volta. Bacon, o cubismo, uma performance e uma instalação são arte?

—Sim. São expressões distintas do essencial.

—E o que é o essencial?

—O essencial é que a arte faz perguntas a si mesma e o design soluciona problemas. O cubismo, o abstracto não são experiências, são questionamentos sobre a vida, o mundo, as nossas ideias sobre tudo isto, a sociedade, os valores, a mente humana.

—Perguntas sobre a mente?

—Sim, sobre a natureza humana. Tu sabes que a geometria, a matemática, o espaço e o tempo não estão no ambiente em redor, mas sim no nosso modo de percepcioná-lo e de concebê-lo. Estão no nosso cérebro. A arte cubista projecta formas mentais na representação pictórica do mundo. E estas formas são geométricas porque saiem de dentro, não estão cá fora. Os pintores divisionistas ou pontilhistas tiveram uma intuição genial sobre a natureza da luz, da visão e da percepção da cor.  Quando Kandinsky, Klee ou Mondrian fecham os olhos à realidade externa e olham para dentro, a sua linguagem plástica é a forma pura (o «signo absoluto» como dizia Walter Benjamin), a geometria, a cor pura, o signo gráfico, o ponto, a linha. Na Natureza não há linhas nem contornos, mas sim estão na natureza do signo, o desenho e a escrita.

—Dizer signo, desenho e texto é falar de design.

—Falo de grafismo, o que não é o mesmo. Grafismo é o universo do «gráfico», o que os gregos chamaram graphein quando encontraram, na mão humana, a raiz comum do desenho e o escrito.

—Por isso falamos de arte gráfica.

—É certo que há arte gráfica e também design gráfico. A primeira é o desenho e a gravura das Belas-Artes. O segundo é a práxis que nasceu com a imprensa de Gutenberg, o desenho dos tipos de letra, a composição da página impressa (certamente, com a «proporção áurea» ou o «número de ouro», que definiam a arquitectura da página impressa, quer dizer, uma síntese da geometria e da matemática: coisas mentais). Depois veio o cartaz, que já não vai tanto na direcção do desenho, mais na da pintura. Que não é o mundo da linha, mas sim da mancha. Em seguida, viria a Bauhaus em pleno industrialismo, que converteu a práxis artesanal do design ao estatuto de disciplina.

Arte gráfica e design gráfico têm em comum o graphein, ou seja, a origem, que não é mais do que a mão que «traça». Mas uma continua a ser arte e o outro design.

—Seguindo o teu raciocínio sobre as diferenças, também podiamos acrescentar que o designer trabalha para um cliente que lhe paga e julga o seu trabalho.

—É assim mas só até certo ponto, porque também grandes artistas eram pagos fosse por doadores, mecenas ou membros da corte. O que é essencial aqui não é que o designer receba dinheiro pelo seu trabalho, o que é justo, mas sim quem lhe paga, é o seu cliente, quem lhe impõe o objectivo, o fim, a função do que se tem de fazer e inclusive o que deve conseguir. Não lhe dirá como deve fazê-lo (este é o campo de liberdade do designer), mas antes o que deve fazer para atingir o objectivo do seu cliente.

—Sim, o artista é livre. Ninguém lhe impõe um objectivo. Isso está em conformidade com o que dizias sobre a função do design, que é resolver problemas.

—Isso mesmo. O design não tem outra ideologia a não ser a eficácia.

—Bem, imagino que Goya queria ser eficaz...

—A eficácia é o objectivo do pragmatismo, não da arte. O designer gráfico procura a eficácia na solução de um problema de comunicação, tal como o designer industrial procura a eficácia num problema de funções.

—O objecto industrial também comunica.

—Mas a sua função primordial e essencial não é comunicar. E sim comunicar é a função primordial e essencial da mensagem gráfica. Um objecto não é uma mensagem. E se dizemos, não é uma mensagem. E se dizemos que um objecto como umas ou um sapato comunicam é porque tudo o que é visível, toda a forma, significa.

—Se o design é comunicação, a arte também é comunicação, do artista com o público.

—E falar ao telefone também é comunicação. Mas insisto: o essencial não é que tudo que percepcionamos comunique, cada coisa à sua maneira, mas sim o que é que se está por comunicar. E sobretudo, para quê. O designer quer seduzir-te para que compres um produto, para meter a sua marca na tua cabeça, para que votes num candidato ou para que não te percas nos laberintos de monstruosos aeroportos como o de Madrid-Barajas. Estas são funções do design. Que pouco têm a ver com a arte. Porque o artista não se conforma com o mundo, mas sim opõe-se a ele.

—No entanto, os designers não paráram de se perguntar se o design é arte, porquê, então?

—Vejo nesta fixação do designer gráfico uma parte de nostalgia histórica. O artista nunca pergunta a si mesmo se o que está a fazer será design. Nem os outros profissionais de design quando projectam uma cafeteira, um tractor ou um frigorífico perguntam a si mesmos se estão a fazer arte. Calvin Klein ou Toni Miró nem sequer o consideram. E vejo aqui outro signo, algo freudiano, que revela a frustração de muitos designers gráficos, que começaram sonhando ser artistas e acabam a ser operadores. Mas continuam empenhados em meter a arte no seu trabalho seja com for, e falam de «arte final» e de «direcção de arte». Por snobismo ou para se consolar?

—Palavras....

—No mundo do design, que é um mundo de símbolos, as palavras são fundamentais. A palavra design está muito conotada com disegno do Renascimiento italiano, que significa, como queria Vasari, o Desenho, «o pai das nossas três artes: Arquitectura, Escultura e Pintura».

Pelo contrário, a palavra design é mais precisa. Corresponde claramente ao industrialismo nascido em Inglaterra, à cultura técnica, que é a nossa, gostemos ou não.

—Diz-me, quando nasce a arte?

—Na pré-história, com o sentimento simbólico de sapiens, que não sabia o que era arte.

—E o design?

—No Renascimiento germano-italiano. Nasce como grafismo com a imprensa de Gutenberg, ou seja, através de um meio de produção. E consagra-se como design com a Bauhaus, em plena revolução industrial. O design é filho da economia de produção.

—Não sei se me convenciste, mas deste-me muito em que pensar.

Author
Joan Costa Tiana
Translation
Barbara Videira Lappeenranta

Published on 01/08/2012

IMPORTANT: This article does not express the opinion of the editors and managers of FOROALFA, who assume no responsibility for its authorship and nature. To republish, except as specifically indicated, please request permission to author. Given the gratuity of this site and the hyper textual condition of the Web, we will be grateful if you avoid reproducing this article on other websites. Instead, we suggest and value a partial reproduction, also including the name of the author, the title and the source (FOROALFA), a link to this page (https://foroalfa.org/articulos/a-eterna-e-inutil-discussao) in a clear and visible place, inviting to complete the reading.

Autor:
Joan Costa

More articles byJoan Costa

Article:

Nascimento e evolução da marca em 7 passos

Followers:
1904

Related

Illustration:
Yves Zimmermann
Author:

Yves Zimmermann

Title:

O design como conceito universal (Parte 1)

Synopsis:

Reflexões sobre a vida de uma palavra.

Translations:
Read in spanish
Votes:
13
Comments:
2
Followers:
556
Idioma:
PT
Illustration:
Daniel Ghinaglia
Author:

Daniel Ghinaglia

Title:

Parecido no es igual

Synopsis:

Si bien el profesional del diseño está muy influenciado por el arte, tiene una razón de ser específica en la sociedad. A pesar de esa evidencia se le sigue confundiendo con el artista.

Votes:
8
Comments:
3
Followers:
2
Idioma:
ES
Illustration:
Fernando Rodríguez Álvarez
Author:

Fernando Rodríguez Álvarez

Title:

The citizen designer

Synopsis:

In the dark days that live Mexico, emerges a discussion about how designers get involved with social conflicts.

Translations:
Read in spanish
Votes:
8
Followers:
200
FOROALFA ISSN 1851-5606 | Contactar | Publicidad | ©Luciano Cassisi 2005~2016