Manuel Belgrano: pioneiro do design

Advogado, economista, diplomata, militar, jornalista, político y designer: este foi Manuel Belgrano.

Fernando Morgado, autor AutorFernando Morgado Seguidores: 10

Ilustração principal do artigo Manuel Belgrano: pioneiro do design

Todo argentino rende homenagem ao general Manuel Belgrano (1770-1820) por sua atuação na construção de uma Argentina unida e independente. Seu trabalho como advogado, economista, diplomata, militar, jornalista e político também é admirado pelos estrangeiros que apreciam a história latino-americana. Contudo, são poucos os que reconhecem a contribuição de Belgrano para a consolidação do design na região.

Quando viveu na Espanha, Belgrano teve acesso a informações muito raras (muitas delas proibidas), que ajudaram a formar seu caráter e a basear sua defesa pelo desenvolvimento econômico e social sustentável. Nesse sentido, dois conceitos são chaves para compreender o pensamento belgraniano: educação e identidade. Em ambos está presente o que se conhece hoje como design.

Como secretário perpétuo do Consulado de Buenos Aires, Belgrano criou a Escola de Desenho para ensinar «geometria, arquitetura, perspectiva e todas as demais espécies de desenho». Essa instituição abriu suas portas em 29 de maio de 1799, conseguiu ter quase 60 alunos em seus dois primeiros meses, além de muitos interessados em ingressar.1 Apesar do sucesso, essa escola teve uma vida curta.

«[...] logo surgiram dois problemas: dois desenhistas gaditanos radicados em Buenos Aires, Francisco e José Cañete, enviaram uma representação à Corte questionando a nomeação sem concurso nem oposição de [Juan Antonio Gaspar] Hernández, desqualificando-o como professor. O pleito serviu de desculpa para que, desde Madri, chegasse uma ordem real que decidia «excusar todo gasto» no estabelecimento, fazendo com que, em junho de 1800, o Consulado fechasse a escola. Ainda que o Consulado insistisse em 1802 com um pedido para reabrí-la, mediante concurso, em 1804 seria proibido de fazê-lo, novamente com o argumento orçamentário, por «serem ainda maiores os apuros da Coroa»».

Pigna (2018, p. 103)

Além de promover o ensino das artes aplicadas e dos ofícios artísticos, Belgrano foi um verdadeiro designer. Ele criou dois símbolos nacionais argentinos: o laço e a bandeira, celebrados respectivamente nos dias 18 de maio e 20 de junho, data da morte do general.

O laço nacional argentino

O laço nasceu em 1812 para unificar a identificação das tropas e não gerar confusão com as insignias dos inimigos. Foi Belgrano quem fez o projeto e escolheu o branco e o azul celeste. Também em 1812, o general criou a bandeira nacional com essas mesmas cores.2

«Não havia bandeira e julguei que seria a branca e celeste a que nos distingue, como o laço, e isto, com meus desejos de que estas províncias sejam uma das nações do globo, me estimulou em colocá-la».

Manuel Belgrano

A bandeira tomou sua forma definitiva depois de 1816. Suas faixas emprestam força e suas cores remetem a elementos argentiníssimos como o céu portenho e o manto da Nossa Senhora de Luján.3 Em suma, é um excelente projeto visual.

A bandeira argentina

Manuel Belgrano desenhou símbolos conhecidos em todo o planeta e promoveu a formação de artistas visuais. Além de ser um herói da pátria Argentina, Belgrano também merece ser escolhido como patrono do design na América Latina.


Votos:
1

Colabore com a difusão deste artigo traduzindo-o

Traduzir ao inglês Traduzir ao intaliano
  1. PIGNA, Felipe. Manuel Belgrano: el hombre del Bicentenario. 4. ed. Buenos Aires: Planeta, 2018 (p. 102-203).
  2. Íbid (p. 253-259).
  3. Día de la Virgen de Luján: la historia milagrosa de la patrona de Argentina. Clarín, Buenos Aires, 7 mayo 2018.

Bibliografia

  • PIGNA, Felipe. Manuel Belgrano: el hombre del Bicentenario. 4. ed. Buenos Aires: Planeta, 2018.
Código QR para acesso ao artigo Manuel Belgrano: pioneiro do design

Este artigo não expressa a opinião dos editores e responsáveis de FOROALFA, os quais não assumem qualquer responsabilidade pela sua autoria e natureza. Para reproduzi-lo, a não ser que esteja expressamente indicado, por favor solicitar autorização do autor. Dada a gratuidade deste site e a condição hiper-textual do meio, agradecemos que evite a reprodução total noutros Web sites. Publicado em 30/08/2020

Baixar PDF

Lhe poderiam interessar

Ilustração principal do artigo Pensamento tipológico
Norberto Chaves Pensamento tipológico Um requisito fundamental para saber avaliar e desenhar corretamente signos gráficos marcários.
Ilustração principal do artigo Marca cromática e semântica da cor
Norberto Chaves Marca cromática e semântica da cor A significação da cor motivada pela associação do signo com códigos pré-existentes e a significação da cor pela progressiva convencionalização da relação arbitrária.
Ilustração principal do artigo Nascimento e evolução da marca em 7 passos
Joan Costa Nascimento e evolução da marca em 7 passos A marca comercial nasceu à 3500 anos. Primeiro foi um signo, depois um significado, logo uma história televisiva de 30 segundos. Hoje, um fenómeno social e transmedia complexo.
Ilustração principal do artigo Toda marca deve ser...
Norberto Chaves Toda marca deve ser... Doze normas supostamente «universais» do design de marcas gráficas.
Ilustração principal do artigo Da identidade ao signo
Norberto Chaves Da identidade ao signo Se o símbolo da marca deve transmitir a identidade do dono, por que a maioria não cumpre essa premissa?
Ilustração principal do artigo Com ou sem símbolo
Norberto Chaves Com ou sem símbolo Uma alternativa marcaria condicionada pelo perfil e pela comunicação.

Próximos seminários on-line

Cursos de atualização para se especializar com os melhores

Branding Corporativo

Branding Corporativo

Cómo planificar, construir y gestionar la marca de empresas e instituciones

20 horas (aprox.)
1 marzo

Cómo Justificar el Diseño

Cómo Justificar el Diseño

Cómo construir autoridad profesional y superar el problema de convencer al cliente al presentarle diseños

15 horas (aprox.)
1 marzo