Livro: Fundamentos do Design

Do desenho ao projeto. Da arte à técnica. Do real ao imaginário. Da função à estética. Do preto ao branco. Esta obra oferece uma visão panorâmica sobre aprender e praticar design.

Retrato de Luiz Claudio Gonçalves Gomes Luiz Claudio Gonçalves Gomes Campos Dos Goytacazes

Seguidores:
41
Opiniões:
1
Votos:
11
Compartir:
Ilustração principal do artigo Fundamentos do Design

Em nosso cotidiano estamos cercados por imagens, máquinas, ferramentas, mobiliários e vários outros objetos que servem para as mais diferentes finalidades. Todas as coisas que conhecemos e que não são frutos da natureza foram projetadas pelo homem e esta é uma demanda que vem crescendo com o tempo.

Nem sempre existiram os artefatos, produtos e todos os bens materiais produzidos pela indústria, tal qual conhecemos nos dias atuais. Muito embora, vários dos produtos que conhecemos hoje sejam frutos de design, nem sempre foi assim.

Com a introdução da máquina a vapor foi possível investir em uma produção muito superior àquela até então realizada tradicionalmente por meios artesanais. Assim, a partir da Revolução Industrial várias tentativas foram realizadas para que fosse conciliado o trabalho do artista com o do artesão por meios industriais; ela também implementou nas sociedades europeias forte impulso na produção de bens e produtos com finalidades específicas. Somente em 1919 surge a Bauhaus, um marco na história do design. Essa escola sustentou normas e padrões sobre aquilo que hoje conhecemos como design. É possível afirmar que a profissão foi concebida dentro dela.

Com a modernização das sociedades movida por uma sucessão de progresso e avanços tecnológicos surgem demandas das mais variadas e a comunicação passa a ser imprescindível, com isso os meios de comunicação impressa se desenvolvem e um novo ramo do design emerge. É o design gráfico, servindo à comunicação visual e se adaptando às novas modalidades de impressão concomitantemente com o surgimento da fotografia, que se torna um novo e importante aliado.

Mas afinal o que é design? A pergunta é breve, mas a resposta requer um tempo maior para ser elaborada e ajustar-se a cada realidade e tempo, ou seja, em seu contexto social, conforme veremos ao longo desta obra. De qualquer forma, é possível antecipar uma resposta universal dizendo que o design é uma ideia projetada ou um plano para solucionar um determinado problema. O design corporifica essa ideia por meio da linguagem material e para tal, desenhos, modelos e projetos são utilizados para que a solução do problema se torne visualmente representada.

Entre as diferentes áreas do design destacamos como principais o design de produto, design gráfico, design de ambientes e design de moda. Advém destes o design de embalagem, de calçados, de móveis e de joias. Porém, é importante ressaltar que com a recente revolução causada pela indústria da informática surgiram novas modalidades como web design e design de games. Esse movimento fez também com que muitas outras atividades, incluindo a publicidade e o marketing, se apropriassem da expressão design devido à sua importância crescente. A prática do design tem passado por mudanças importantes, sobretudo provocadas pela informática e internet, com o surgimento de projetos digitais, home offices, portfólios on-line, a proliferação de trabalhos em série e de bancos de imagens. Diante desse cenário, o presente livro apresenta orientações práticas e importantes sobre os vários campos de atuação do designer e com isso pretende oferecer uma ampla visão da profissão.

Encontraremos nos últimos capítulos temas relacionados ao processo criativo do designer, noções de ergonomia aplicada ao projeto e um capítulo dedicado ao mundo das máquinas que permitirá estudantes e profissionais conhecer os processos produtivos utilizados para a fabricação de produtos de modo criativo e inovador juntamente com a transformação de diferentes materiais.

Por fim, o livro também traz uma reflexão sobre o design socialmente comprometido, pois entendemos que a qualidade de vida e um mínimo de conforto não estão a serviço da individualidade e tão pouco existe em meio à desarmonia. Devemos compreender que o bem-estar é um direito que devemos promover em nós, mas, sobretudo, enquanto projetistas, temos por base atender aos anseios de um coletivo.

Saiba mais

Seguidores:
41
Opiniões:
1
Votos:
11
Compartir:
Código QR para acesso ao artigo Fundamentos do Design

Este artigo não expressa a opinião dos editores e responsáveis de FOROALFA, os quais não assumem qualquer responsabilidade pela sua autoria e natureza. Para reproduzi-lo, a não ser que esteja expressamente indicado, por favor solicitar autorização do autor. Dada a gratuidade deste site e a condição hiper-textual do meio, agradecemos que evite a reprodução total noutros Web sites.

Luiz Claudio Gonçalves Gomes

Mais artigos de Luiz Claudio Gonçalves Gomes

Título:
As artes (moderna e pós-moderna) do livro infantil
Resumo:
Muitas gerações de artistas visuais e ilustradores atravessaram as décadas que transpassaram a cultura moderna para um novo clima que habituou-se chamar pós-modernismo.
Compartilhar:
Título:
Composição dos elementos gráficos corporativos
Resumo:
A combinação entre os elementos gráficos configura a boa estrutura e percepção do sistema de identidade visual de uma corporação.
Compartilhar:

Debate

Logotipo de
Minha opinião:

Ingresse com sua conta para opinar neste artigo. Se não a tem, crê sua conta grátis agora.

Retrato de Elza Aparecida de Oliveira
0
Elza Aparecida de Oliveira
Jan 2016

Gostei e comprei o livro.

0
Responder

Lhe poderiam interessar

Retrato de Rique Nitzsche
Autor:
Rique Nitzsche
Título:
Design, o que pode ser?
Resumo:
O quanto que o design contribuiu para a evolução da espécie.
Compartilhar:
Interações:
Votos:
2
Opiniões:
3
Seguidores:
265
Retrato de Serafim Da Silva Nossa
Autor:
Serafim Da Silva Nossa
Título:
Prova de habilidade para ingresso em cursos de design
Resumo:
A necessidade de provas de habilidade específica em processos seletivos para cursos de design no Brasil. Levantamos, aqui, algumas questões ou argumentos que permitem pensar tal idéia de necessidade como requisito artificial, senão mesmo uma cláusula ideológica.
Compartilhar:
Interações:
Votos:
14
Opiniões:
5
Seguidores:
3