O real valor do Design

Além do famoso «valor agregado», chegou a hora de apresentar ao mercado o ganho quantitativo das chamadas «Design-Driven Companies».

Retrato de Tiago Fiamenghi Tiago Fiamenghi Caxias do Sul

Seguidores:
26
Opiniões:
0
Votos:
12
Compartir:
Ilustração principal do artigo O real valor do Design

Muito se fala sobre o valor do design para as empresas. E é sobre isso que vou falar brevemente nesse texto. Primeiro é necessário definir o que é design. São inúmeras as definições sobre a disciplina, ainda que o design ainda não tenha um conceito definitivo. Acredito que essa definição dificilmente existirá, pois como disse John Ruskin, «Se o design pudesse ser ensinado, todo mundo o aprenderia, como todo mundo aprende a ler ou a calcular. Mas o design não é matéria de ortografia ou de somas.». Essa definição por si só complexa, retrata quão difícil é definir a disciplina. Ainda que haja uma sentença simples e coloquial, que facilita o interlocutor a compreender o design:

Design é um método de resolução de problemas.

Simples assim. Já o escritor e historiador da arte, Rafael Cardoso, afirma que «a grande importância do design reside precisamente em sua capacidade de construir pontes e forjar relações num mundo cada vez mais esfacelado pela especialização e fragmentação de saberes».

Ou seja, o designer faz de tudo um pouco, de equipamentos hospitalares a design de letras. De sinalização para aeroportos a catálogos de vendas. Mas talvez o que façamos de melhor é exatamente essa ponte interdisciplinar, fundamental para que um bom projeto de design seja bem executado na prática.

Tá, mas e o valor do design?

Durante muito tempo, na carência de dados mais concretos, o ganho principal daqueles que investiam em design foi o famoso «valor agregado». Acho importante definir também o que eu entendo sobre esse ganho, real, porém subjetivo. Novamente cito Cardoso, que na obra «Design Para um Mundo Complexo», afirma que, «por meio do design, atribui-se significados aos artefatos, que ficam associados a conceitos abstratos, como estilo, status, identidade. Isso em essência, é o que queremos dizer quando falamos em valor agregado». Por artefatos, podemos incluir formas, nomes e representações gráficas, que são algumas entregas do design gráfico, por exemplo.

Dessa forma, podemos sim afirmar que o valor agregado é um ganho para quem investe em design. Esse ganho porém depende muito do juízo de valor de quem recebe a mensagem. Ou, nas palavras de Cardoso, «o olhar é uma construção social e cultural, circunscrito pela especificidade histórica do seu contexto».

O real valor do design

Recentemente o Design Management Institute, em parceria com a consultoria em inovação Motiv, divulgou os resultados de uma pesquisa que traz números reais sobre os ganhos de quem orienta seus negócios pelo design.

O estudo levantou dados de 75 marcas de bens e serviços que integram a lista da Standard & Poor’s, uma relação das 500 maiores empresas de capital aberto no mercado americano. Foram avaliadas 15 organizações que atenderam a critérios que determinavam sua cultura de design estratégico. Foram avaliados os seguintes critérios:

  • O design tem que estar envolvido na organização estrutural da companhia;

  • A liderança do design tem que estar presente no nível diretor e presente também nas divisões internas da empresa – ou seja, de cima para baixo;

  • Existência de compromisso da direção da empresa para o uso do design como fonte de inovação;

  • Esforço constante para a mudança positiva, evolução.

Fonte: dmi.org

O resultado é que as chamadas Design-Driven Companies (empresas orientadas pelo design) nos últimos 10 anos tiveram uma performance 228% superior as demais empresas da lista.

É inegável que as empresas que posicionam o design no centro de suas decisões apresentaram um crescimento mais significativo no período e possuem uma curva de tendência mais promissora em relação as demais companhias.

Fica claro os ganhos de quem investe em design, não apenas como uma ferramenta operacional e reativa, mas sim como um modelo de gestão capaz de gerar soluções, não só para a sua empresa, mas também para resolver problemas existentes na nossa atual sociedade. Como disse Thomas Kolster (Goodvertising), «As pessoas querem que as marcas entreguem valor real e resolvam alguns dos maiores problemas da sociedade – aliás, não foi para isso que as empresas surgiram?». E, então… não foi?

Editor: Ana Bossler Porto Alegre

Seguidores:
26
Opiniões:
0
Votos:
12
Compartir:

Fontes

  • CARDOSO, Rafael (2011). Design Para um Mundo Complexo. São Paulo: Cosac Naify.
  • RUSKIN, John (2004). A economia política da arte. Rio de Janeiro: Record.
  • 99designs.
  • Projeto DRAFT.
Código QR para acesso ao artigo O real valor do Design

Este artigo não expressa a opinião dos editores e responsáveis de FOROALFA, os quais não assumem qualquer responsabilidade pela sua autoria e natureza. Para reproduzi-lo, a não ser que esteja expressamente indicado, por favor solicitar autorização do autor. Dada a gratuidade deste site e a condição hiper-textual do meio, agradecemos que evite a reprodução total noutros Web sites.

Debate

Logotipo de
Minha opinião:

Ingresse com sua conta para opinar neste artigo. Se não a tem, crê sua conta grátis agora.

Lhe poderiam interessar

Retrato de André Ricard
Autor:
André Ricard
Título:
O design na sociedade do espetáculo
Resumo:
O design deve modificar sua imagem frívola e lúdica, por a de uma disciplina disciplina útil ao desenvolvimento e ao progresso.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
8
Opiniões:
1
Seguidores:
438
Retrato de Rique Nitzsche
Autor:
Rique Nitzsche
Título:
A difícil arte de dizer não
Resumo:
Ainda é necessário demonstrar o valor da criação para a economia tradicional.
Compartilhar:
Interações:
Votos:
23
Opiniões:
5
Seguidores:
265