O consumo do símbolo

A adesão da cultura ao discurso da globalização, obriga-nos a repensar as funções e os valores assumidos pelo design.

Retrato de Martín Álvarez Comesaña Martín Álvarez Comesaña Madrid

Seguidores:
7
Opiniões:
0
Votos:
5
Compartir:

O discurso impessoal da globalização instalou-se na cultura, convertendo-a a mais uma ferramenta da logística económica. Neste contexto, o exercício do design participa num sistema que concebe e desafia o indivíduo apenas como consumidor.

A globalização é transferida desde a economia para todos os cenários sociais e apresenta-se como uma realidade de dimensão «geológica», neutra, incontestável. Junta-se à ideologia cultural e mediática sob uma nomenclatura difusa que se remete à sorte mitológica tecnocrática: vivemos tranquilos numa nova aldeia global, sem geografia, sem matéria, suspensos numa rede planetária de percepções virtuais, consumindo ávidos o mediatismo televisivo, sem memória.  A trama do mito corre na magia, no esotérico, construindo uma interpretação real onírica que escapa à análise e à critica.

Graças à indústria cultural, constrói-se uma réplica mitológica sobre a globalização, um relato que nos descreve uma realidade mais próxima e tolerante do seu modelo original. Apercebemo-nos de uma globalização sem território, sem polaridade, de livre movimento e livre troca, ignorando o mapa que vai desenhando na prática dessa relação. Uma autodefinida «cultura ocidental» que vive no centro e no presente mediático, e que despreza os que transitam na periferia do espaço e do tempo.

Produz-se uma troca cultural desigual entre o centro e a periferia, reflexo da realidade existente na troca económica. O centro fabrica uma imensa quantidade de realidades presentes, imagens e relatos que vivem na atualidade e se expandem até às margens da cobertura tecnológica, onde são consumidos por uma periferia que só transmite «infra realidades», mensagens que são rapidamente deixadas ao esquecimento, quando não são imediatamente rejeitadas pela cena mediática. Neste contexto os valores da cultura dominante são tidos como universais enquanto que os valores das culturas periféricas são catalogados como locais e obsoletos.

O binómio universal-local obriga-nos a repensar a história do multiculturalismo, um discurso que o poder tem sabido tomar e recriar com a imaginação mediática até conseguir mostrar um cruzamento e uma comunhão cultural onde existe exclusão e marginalização. O cruzamento cultural não acontece num campo neutral. Consiste numa vassalagem do sistema local aos acordes do sistema globalizante dominante, um encontro que resulta na neutralização da diferença, uma uniformidade cultural que abre o caminho para a adesão das economias locais ao sistema hegemónico capitalista.

Cada comunidade manifesta a sua cultura numa estrutura identificável que se inter-relaciona com o seu sistema socioeconómico. Sem esta, a expressão cultural desvanece-se ou fica confinada num espaço ritualizado de representação folclórica. A globalização dos sistemas económicos apresenta-se, finalmente, ao contrário de sustentar culturas periféricas, resultando numa morte, de alcance global, do princípio da identidade existente.

O relato da globalização comunicacional, como construção simbólica, oferece ao indivíduo uma nova identidade de dimensão global, uma identidade como consumidor. Estabelecida no território mediático, esta identidade apela ao indivíduo como uma célula urbana, híper conectada e fragmentada do colectivo. Identidade essa que nasce e morre no mediatismo da comunicação, exigindo, para a sua sobrevivência, de uma revisão contínua e atualização através do consumo.

Neste cenário, a prática do design é pensada desde um sistema multidisciplinar aplicado ao consumo do símbolo. Um consumo como fetiche da troca social, em que o produto é desprezado a uma mera constatação material do próprio ato de consumo. Ato ritualizado em que a identidade do indivíduo se projeta no colectivo e se legitima.

Traduzido por Ines Reis London

Seguidores:
7
Opiniões:
0
Votos:
5
Compartir:
Código QR para acesso ao artigo O consumo do símbolo

Este artigo não expressa a opinião dos editores e responsáveis de FOROALFA, os quais não assumem qualquer responsabilidade pela sua autoria e natureza. Para reproduzi-lo, a não ser que esteja expressamente indicado, por favor solicitar autorização do autor. Dada a gratuidade deste site e a condição hiper-textual do meio, agradecemos que evite a reprodução total noutros Web sites.

Debate

Logotipo de
Minha opinião:

Ingresse com sua conta para opinar neste artigo. Se não a tem, crê sua conta grátis agora.

Lhe poderiam interessar

Retrato de Luciano Cassisi
Autor:
Luciano Cassisi
Título:
Menos é menos, mais é mais
Resumo:
Está na hora de aposentar o quase centenário lema «menos é mais».
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
21
Opiniões:
2
Seguidores:
1249
Retrato de Luiz Renato Roble
Autor:
Luiz Renato Roble
Título:
Design é mais que desenho, é conceito
Resumo:
Ter dedos ágeis no teclado e no rato é importante, mas é apenas uma habilidade com uma das ferramentas de trabalho, que é o computador, e não o fundamental.
Compartilhar:
Interações:
Votos:
13
Opiniões:
1
Seguidores:
18