Design: Importante ou imprescindível?

Entre os textos e relatos de acadêmicos e de profissionais ligados ao design, percebe-se que um assunto permeia recorrentemente as discussões: O Reconhecimento da Profissão.

Retrato de Julio Teixeira Julio Teixeira Florianópolis Seguidores: 9

Opiniões:
2
Votos:
9
Compartir:

Tem-se visto comparações que relacionam Design com Medicina, Engenharia, Arquitetura, Direito, etc. Tais comparações são válidas e auxiliam no amadurecimento da profissão e do profissional. No entanto, para avaliar com maior clareza esta questão, devemos separar alguns pontos. Primeiramente, faz-se importante entender quais são os fatores internos e externos. Consideraremos aqui, como «fatores externos», principalmente a percepção da sociedade quanto as nossas atividades, e como «fatores internos» a atividade da forma como é realizada pelos designers.

Portanto, vamos iniciar trazendo a superfície os «fatores externos». Algumas profissões são vistas, por grande parcela da sociedade geral, empresas e governos como profissões imprescindíveis, outras são vistas como importantes.

Entre as imprescindíveis existem profissões que são consideradas por atender necessidades básicas, na maioria das vezes, fisiológicas e de segurança. Estas normalmente assumem responsabilidades técnicas nos resultados de suas ações (inclusive por meio de laudos, pareceres, projetos etc.) que estão suscetíveis a graves consequêcias caso estejam equivocadas (mortes, acidentes, contaminação etc.). Outras profissões conseguiram especificar, valorizar e proteger tanto a sua atividade, que as pessoas e as organizações não se sentem seguras em empreendê-las por si mesmas, em alguns casos isso não é nem permitido pela legislação. Dessa forma, naturalmente, o profissional recebe reconhecimento, credibilidade, maior remuneração e em alguns casos recebe certa «blindagem social» e os leigos se sentem desconfortáveis em questioná-los e relegam isso a outros profissionais da mesma classe.

As importantes normalmente são vistas como profissões onde habilidades específicas são necessárias e o conhecimento técnico-científico é aplicado proporcionando melhores resultados. Partes dessas atividades são realizadas por profissionais que não possuem formação específica na área, pois não são consideradas de necessidade básica ou regulamentadas pelo governo, ou seja, a profissão não conseguiu ainda, mostrar-se imprescindível para a sociedade ou para um grupo específico.

No caso do design, quanto aos «fatores internos» devemos considerar que:

  • A profissão é recente (quando comparado as mais tradicionais). 
  • As atividades que são características da profissão, ainda não são completamente especificadas, pelo contrário, o design tem buscado ampliar os horizontes de trabalho «infiltrando-se» em outras áreas sem se consolidar e sem resolver tecnicamente a sua atividade. 
  • Muitos profissionais não adotam uma postura e discurso profissional. Por exemplo, dificilmente se pautam em pesquisas e informações científicas.
  • A busca e articulação pela regulamentação da profissão ainda vista como um sonho (pelo menos no Brasil); e por fim.
  • O designer não coleciona informaçoes palpáveis e quantificáveis de seus resultados, muito menos chega a assumir riscos e responsabilidades por suas atitudes e por seus projetos.

Enquanto tais «fatores internos» não estiverem melhor resolvidos, o reconhecimento do designer como profissional capaz de proporcionar desenvolvimento de uma organização e até de uma sociedade não ocorrerá, e a culpa não é e não será da sociedade.

O que você acha? Compartilhe sua opinião agora! Precisamos da sua ajuda para continuar produzindo conteúdo gratuito. Considere apoiar o trabalho da FOROALFA com uma doação de qualquer valor em PayPal.


Retrato de Julio Teixeira Julio Teixeira Florianópolis Seguidores: 9

Opiniões:
2
Votos:
9
Compartir:

Colabore com a difusão deste artigo traduzindo-o

Traduzir ao espanhol Traduzir ao inglês Traduzir ao intaliano
Código QR para acesso ao artigo Design: Importante ou imprescindível?

Este artigo não expressa a opinião dos editores e responsáveis de FOROALFA, os quais não assumem qualquer responsabilidade pela sua autoria e natureza. Para reproduzi-lo, a não ser que esteja expressamente indicado, por favor solicitar autorização do autor. Dada a gratuidade deste site e a condição hiper-textual do meio, agradecemos que evite a reprodução total noutros Web sites.

Debate

Logotipo de
Sua opinião

Ingresse com sua conta para opinar neste artigo. Se não a tem, crê sua conta grátis agora.

Retrato de Alfredo Gutiérrez Borrero
282
Alfredo Gutiérrez Borrero
Mar 2012

Julio,quão saudável é para o design que amamos,um comentário como o seu que demanda rigor na investigação ea recolha criteriosa de informação por escrito rigorosamente na discurso.As profissões que ganharam respeito social,construíram instituições que apóiam o trabalho específico que os profissionais fazem. Infelizmente,muitas pessoas ainda acreditam que os designers só pode ser concebidos estritamente fazendo o que caracteriza a sua profissão(gráficos ou objectos),mas esquecem o valor das palavras e do serviço que eles fornecem para o design em todas as suas nuances,em lugares comoeste fórum.

1
Retrato de Julio Teixeira
9
Julio Teixeira
Mar 2012

Concordo Alfredo. Não podemos esperar tal reconhecimento social, enquanto postura e discurso profissional forem raridades no meio. Fóruns como esse são instrumentos poderosos para incitação de discussões, ideologias, posturas profissionais, normalizações de boas práticas etc. Portanto, parabéns Foroalfa.

2
Responder

Lhe poderiam interessar

Retrato de Heleno Almeida
Autor:
Heleno Almeida
Título:
Bauhaus, estética e capitalismo
Resumo:
Muitos autores acreditam que a Bauhaus é uma prova de que o design também possa ser político, apesar de sua origem desde um movimento de integração.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
4
Opiniões:
8
Seguidores:
16
Retrato de Raúl Belluccia
Autor:
Raúl Belluccia
Título:
O que fazem os designers quando desenham?
Resumo:
Os designers exercem uma profissão cujos resultados são indispensáveis para a planificação industrial dos artefatos
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
7
Seguidores:
832
Retrato de Raúl Belluccia
Autor:
Raúl Belluccia
Título:
Quero mudar meu logo: como faço?
Resumo:
As dificuldades de um empresário que quer ser orientado no desconhecido (para ele) mundo dos designers gráficos.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
8
Opiniões:
3
Seguidores:
832
Retrato de Gabriel Simón
Autor:
Gabriel Simón
Título:
10 Principios do Design
Resumo:
Dez principios que, sem ser mandamentos para serem cumpridos à ferro e fogo, o designer deve tomar em conta na hora de encarar o exercicio profissional.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
24
Opiniões:
4
Seguidores:
218