O ABC da pesquisa de mercado

Uma aproximação ao processo que deve-se considerar para elaborar uma pesquisa de mercado.

Nelly Paola Armas Quito
Followers:
36
Comments:
0
Votes:
0
Compartir:

A importância de realizar pesquisas de mercado no setor empresarial é cada vez mais  imperiosa. Frente às aceleradas  mudanças, acaba sendo imprescindível conhecer os gostos e preferências dos consumidores. Neste sentido, Malhotra, um expoente na área da pesquisa de mercado, assinala que isto envolve:

«A identificação, recopilação, análise, difusão, e o uso sistemático e objetivo da informação, com o propósito de melhorar  a tomada de decisões vinculadas com a identificação e solução dos problemas e oportunidades de marketing».

Malhotra (2008)

Trata-se assim, de obter  informação para facilitar a tomada de decisiones referentes ao entorno, o marketing, os clientes, e inclusive, a administração da empresa, com o objetivo de reduzir as incertezas. Involve: a definição de um problema (ou oportunidade), a busca e coleta de informação (fontes  secundárias e primárias), o análise dos dados mediante o uso de tecnología, e o estabelecimento de conclusões e possíveis  efeitos. O processo sistemático da pesquisa de mercado consta das  seguintes fases:

1.  Estabelecimento da necessidade de pesquisa 

 

A finalidade  é resolver um problema ou aproveitar uma oportunidade. Alguns dos problemas que pode enfrentar uma companhia são, entre outros: produtos de baixa qualidade, má imagem, sistema inadequado de entrega, ou pouco movimento.

2.  Definição do problema/oportunidade​

Problema é um fato, fenômeno ou situação que estimula a pesquisa. Portanto, a declaração do problema deve-se socializar entre os administradores e os líderes do projeto de pesquisa.

3. Definição dos objetivos de pesquisa​

Os objetivos devem declarar-se seguindo o parâmetro SMART (por sua sigla em inglês: specific, measurable, assignable, realistic, time-related). E assim, cada objetivo deve ser: 
  • Específico: alcanzar-se em um determinado lugar.

  • Medível: quantificar-se com fim de comparar os logros anteriores com os actuais e futuros.

  • Atribuível: uma pessoa ou um departamento encarregado deve executa-ó

  • Realista: alcançável.

  • Tempo: limitar-se a um período de tempo.

4. Planejamento de pesquisa​

Em esta etapa deve-se identificar o tipo de pesquisa a realizar: exploratória, descritiva ou causal. Para este caso, existem a: 
  • Exploratória: que reúne a informação geral, experiências e dados. como base de uma pesquisa mais  profunda. William Zikmund assinala que este tipo de análise, serve para esclarecer situações  ambíguas ou para descobrir  idéias  potenciais de negócios.

  • Descritiva: detalha as características  das  pessoas, grupos, empresas, entorno e objetos, focando-se em responder as perguntas: quem, que, quando, onde e como. Para o pesquisador resulta útil  porque descreve o perfil dos segmentos de mercado.

  • Causal: permite fazer inferências das causas, ou seja, identificar as relações entre causa e efeito. Envolve o experimento, mediante o qual  manipulam-se as diversas variáveis recriando um ambiente muito próximo ao real.

5. Determinação do tipo de informação e as fontes​

A informação pode ser quantitativa ou qualitativa. A primeira refere à informação  medível, ou seja, dados estadísticos e cifras. A segunda corresponde a características, motivações, atitudes, intenções, crenças, gostos e preferências dos consumidores. As fontes de informação podem ser secundárias e primárias.

A secundária é toda informação que tem sido revelada  previamente por outros  pesquisadores, muitas  vezes  perseguindo  outros  objetivos, e o pesquisador (atual) releva com o fim de resolver um problema. Pode-se  utilizar o questionário (pessoal, telefônico, ou virtual); entrevista em profundidade; grupos focais; e observação, entre outros.

6. Desenvolvimento do processo de coleta

As técnicas mais utilizadas para arrecadar informação são: 

  • Questionário: são fáceis de aplicar porque permite compilar grande quantidade de informação, aplicar a qualquier persona, e consegue-se supervisar a aplicação.

  • Entrevistas em profundidade: em geral realiza-se a especialistas em um assunto, com a finalidade de conhecer definições de situações ou assuntos.

  • Grupos focais: técnica qualitativa que consiste em reunir, entre 8 a 10 pessoas, num lugar fechado e baixo condições controladas, para obter opiniões e dados sobre um produto, serviço ou empresa. O moderador guia a sessão que dura entre 1 e 2 horas, e costuma ser útil gravar-a em vídeo.

  • Observação: é útil para a obtenção de dados do comportamento e conduta não-declarada, e portanto, a maioria das vezes é usada sem conhecimento do indivíduo analisado. 

7. Criaçaõ das ferramentas de coleta

O principal instrumento de pesquisa é o questionário, o qual deve conter cinco seções:

  1. Dados de identificação: ocupa a primeira parte do questionário, permite ao pesquisador apresentar-se, dar a conhecer a empresa que está por trás da pesquisa e comunicar as motivações básicas da mesma.

  2. Solicitude de cooperação: pequena enunciação aberta, criada para obter uma maior cooperação do entrevistado

  3. Instruções: se o questionario presenta assuntos complicados, escalas de resposta  complexas ou é uma pesquisa postal, deve-se  desenvolver um parágrafo de instruções para que a pessoa que responde possa preencher a informação corretamente.

  4. Informação solicitada: constitui a maior parte do questionário. É onde desenvolvem-se todas as perguntas para a consecução dos objetivos da pesquisa.

  5. Dados de classificação: refere às características de quem responde. Por exemplo: gênero, idade, nome, endereço, cargo, lugar de trabalho, etc.

8. Cálculo amostral

É importante definir a população objeto da pesquisa, e seguidamente, calcular a amostra usando fórmulas estatísticas. Para selecionar os integrantes da amostra podem-se usar dois métodos de amostragem: a) o probabilístico; assume que cada elemento tem uma probabilidade igual de ser escolhido, e mediante cálculos científicos permite controlar as desviações percebidas, e b) o naõ-probabilístico;  aponta a que os elementos da população não têm a mesma probabilidade de ser selecionados, portanto, os dados obtidos não podem inferir-se a toda a população.

9. Coleta dos dados

Determina o número de pessoas que precisam-se para o trabalho de campo, o tempo que vai investir-se (cronograma de atividades) e os recursos com os que dispõe-se.

10. Processamento e análise dos dados

Consiste em codificar o questionário com o fim de ingressar os dados em uma planilha de cálculo. Uma vez tabulados os dados, deve-se criar representações gráficas dos resultados para facilitar sua leitura e interpretação.

11. Formulação das conclusões e preparação do relatório

O pesquisador deve ser muito claro, conciso e objetivo ao emitir as conclusões, pois este relatório serve de base para a decisão dos marketeiros.

 
No fim, as etapas aqui descritas podem server de base para toda pessoa que deseje enriquecer a informação antes de uma tomada acertada de decisões.
Editor: Camila Hernández Bento Gonçalves
Followers:
36
Comments:
0
Votes:
0
Compartir:

0 Comments

See comments

Bibliografia

  • Naresh Malhotra, Investigación de Mercados, México (2008).
  • William Zikmund, Investigación de Mercados, México (2009).

This article does not express the opinion of the editors and managers of FOROALFA, who assume no responsibility for its authorship and nature. To republish, except as specifically indicated, please request permission to author. Given the gratuity of this site and the hyper textual condition of the Web, we will be grateful if you avoid reproducing this article on other websites. Published on 04/04/2018.

You may be interested

Fernando Peretz
Idioma:
ES
Author:

Fernando Peretz

Title:

El sexo vende

Share:
Interactions:
Votes:
7
Comments:
4
Followers:
4
Nelly Paola Armas
Idioma:
ES
Author:

Nelly Paola Armas

Title:

Inbound Marketing

Share:
Interactions:
Votes:
4
Followers:
36
Nelly Paola Armas
Idioma:
ES
Author:

Nelly Paola Armas

Title:

Cómo funciona el proceso de segmentación de mercado

Share:
Interactions:
Votes:
19
Followers:
36
Miguel Lalama
Idioma:
ES
Author:

Miguel Lalama

Title:

Hablemos de marcas

Share:
Interactions:
Votes:
78
Comments:
71
Followers:
31
Eric Barajas (Snok Daffy)
Idioma:
ES
Author:

Eric Barajas (Snok Daffy)

Title:

¿Convienen las redes sociales?

Share:
Interactions:
Votes:
46
Comments:
43
Followers:
107
Anna Cárdenas
Idioma:
ES
Author:

Anna Cárdenas

Title:

La otra cara de la marca

Share:
Interactions:
Votes:
16
Comments:
5
Followers:
4
My opinion:

Login with your account to comment on this article. If you do not have it, create your free account now.

Upcoming online courses

Branding Corporativo

Branding Corporativo

Cómo se planifica, construye y gestiona la marca de empresas e instituciones

4 weeks
21 Mayo

Auditoría de Marca

Auditoría de Marca

Taller de práctica profesional: análisis, diagnóstico y programa de marca sobre casos reales

6 weeks
25 Junio

Branding: Diseñador y Cliente

Branding: Diseñador y Cliente

Tratar con el cliente, hacer presupuestos y planificar las etapas de la creación de una marca

3 weeks
6 Agosto

Estrategia de Marca

Estrategia de Marca

15 claves para programar el diseño de símbolos y logotipos de alto rendimiento

4 weeks
29 Octubre

Relecturas del Diseño

Relecturas del Diseño

Una inmersión en el discurso sobre el diseño para despejar sus nociones más controvertidas: creatividad, innovación, arte, tecnología, función social...

4 weeks
28 Enero