O Design: pensamento estratégico para a inovação

O design aplicado como pensamento estratégico na empresa gerando vantagens competitivas na forma de novos modelos de negócios, serviços e experiências.

Retrato de Marcio Dupont Marcio Dupont São Paulo

Seguidores:
54
Opiniões:
2
Votos:
8
Compartir:

Como designer e analista de sustentabilidade sempre sou questionado por empresários de diferentes setores: «Para quê eu quero um designer, se a minha empresa não projeta, nem desenvolve um produto físico? Eu trabalho com serviços, com o intangível!»

Caro empresário brasileiro, perceba que o design acima de tudo aporta para a sua empresa um «pensamento» estratégico-criativo-inovador, independente se a sua empresa desenvolve produtos físicos ou não. Esse pensamento estratégico gera novas e aperfeiçoa as já existentes vantagens competitivas da empresa no mercado e frente a seus concorrentes, com novos modelos de negócios, novos serviços, experiências, percepções de sua empresa para o consumidor e para os concorrentes.

Um exemplo conhecido é a Apple. Steve Jobs era um design thinker de primeira classe, ele entendeu perfeitamente o «valor e a aplicação do design» como um pensamento estratégico para gerar inovação à todos os níveis possíveis, desde processos de engenharia (tangível) até criação de novos estilos de vida globais (intangível).

Sem o design dessa perspectiva não-material unicamente, dificilmente produtos com iPad, iPhone, e serviços derivados deles (iTunes) teriam surgido no mercado, criando novos mercados e consolidando mercados já existentes. Esta qualidade criativa e inovadora é algo natural, inerente ao designer pela sua mesma formação profissional, e leva-o a ter sempre uma visão e abordagem sistêmica sustentável e a capacidade de entender e integrar as diferentes disciplinas/dinâmicas da empresa.

É um fato que o design é sempre um catalisador de inovações, a qualquer nível que seja aplicado! Isto não deve ser subestimado e muito menos desperdiçado.

O design e a sua empresa

O design é vital para que a empresa seja sustentável e inovadora em todas as suas dimensões e divisões (ambiental, social e econômica) funcionando o design também como um elemento unificador, criador e consolidador da cultura sustentável da empresa.

Mais frustrante ainda é verificar que comitês de sustentabilidade, prêmios às melhores empresas sustentáveis, e até empresas certificadoras, não tem nenhum designer (afinal, elas não produzem nenhum produto físico!). Mesmo assim, devem decidir o que é estratégico, sustentável e inovador, sem um designer.

Isso acontece porque não entendem ou não conhecem o beneficio estratégico do design em um «contexto global- não produtivo», e ainda acreditam muito erroneamente que um engenheiro especializado em gestão ambiental e processos, junto com administradores e financeiros «verdes» será mais do que suficiente para gerar ou julgar «inovadoras» dinâmicas sustentáveis. Sem o designer e a sua visão, as dinâmicas sustentáveis da empresa serão limitadas, conservadoras e de curto prazo. A empresa será sustentável sem o designer (importante dizer), mas não terá todo o seu potencial mapeado, conhecido e explorado como deve ser.

É hora do empresário brasileiro deixar para atrás essa visão obsoleta de que o design somente é necessário caso a empresa desenvolva produtos físicos no chão da fabrica.

O design no século XXI

No século XXI o design não existe mais apenas como um elemento físico-industrial para manufatura. Deve ser percebido como um pensamento estratégico-criativo-inovador vital para a empresa, em todos os sentidos. Caso o empresário queira realmente ser sustentável e inovador, precisará sempre do design como pilar central para a inovação e sustentabilidade. O Design deve ter o seu respectivo lugar de destaque na busca da «sustentabilidade empresarial brasileira» neste século XXI (É muito pedir, caro empresario?).

Afinal, visões conservadoras e quadradas, em qualquer âmbito da ação humana, não podem gerar sustentabilidade e muito menos inovação.

Seguidores:
54
Opiniões:
2
Votos:
8
Compartir:

Artigo publicado originalmente no Design Simples

Código QR para acesso ao artigo O Design: pensamento estratégico para a inovação

Este artigo não expressa a opinião dos editores e responsáveis de FOROALFA, os quais não assumem qualquer responsabilidade pela sua autoria e natureza. Para reproduzi-lo, a não ser que esteja expressamente indicado, por favor solicitar autorização do autor. Dada a gratuidade deste site e a condição hiper-textual do meio, agradecemos que evite a reprodução total noutros Web sites.

Marcio Dupont

Mais artigos de Marcio Dupont

Título:
Design para o homem espiritual
Resumo:
O Design deve ajudar a alcançar o equilíbrio entre o homem material e o espiritual nesse novo seculo.
Compartilhar:
Título:
Clara Porset, a cubana que reinventou o design no México
Resumo:
Este artigo é uma homenagem a Clara Porset Dumas, desenhista industrial cubana pouco conhecida no Brasil e até em Cuba, responsável por construir um novo México através do Design.
Compartilhar:
Título:
Design Thinking não é Design
Resumo:
Há uma febre de Design Thinking no mundo, levando a uma visão errada sobre a profissão do Design. O artigo questiona, não o Desing Thinking, mas a sua aplicação superficial.
Compartilhar:

Debate

Logotipo de
Minha opinião:

Ingresse com sua conta para opinar neste artigo. Se não a tem, crê sua conta grátis agora.

Retrato de Anna Paula
0
Anna Paula
Mar 2013

Será? Será correto subestimar um engenheiro, administrador e outros profissionais dessa forma para valorizar o papel de um designer? Essa ʼvisãoʼ que o designer tem não pode ser atribuída à outros profissionais? Há muitas empresas criativas e inovadoras de sucesso por aí sem um designer para que esta afirmação seja feita tão banalmente.

1
Retrato de Foca Rodrigues
0
Foca Rodrigues
Ago 2013

Acredito, Anna, que o autor realmente foi um tanto duro nas afirmações, mas isso no caso vêm da própria indignação com o cenário presente, onde o trabalho do designer é substituido por outras funções, talvez simplesmente ignorado ou ainda deixado como uma disciplina operacional (pensamento completamente equivocado). Acredito que o que ele quis dizer foi que o simples fato de atribuir funções inovativas a engenheiros e administradores, sem uma tutoria confiável sobre o processo criativo seja leviano por parte das empresas.

0
Responder

Lhe poderiam interessar

Retrato de Marcio Dupont
Autor:
Marcio Dupont
Título:
Design para o homem espiritual
Resumo:
O Design deve ajudar a alcançar o equilíbrio entre o homem material e o espiritual nesse novo seculo.
Compartilhar:
Interações:
Votos:
9
Opiniões:
1
Seguidores:
54
Ilustração principal do artigo A inovação no design de produtos
Autor:
Rê Gastal
Título:
A inovação no design de produtos
Resumo:
No mercado de hoje é preciso ser inovador em vários aspectos e em grande velocidade, em cada ponto do processo de produção.
Compartilhar:
Interações:
Votos:
7
Seguidores:
0
Ilustração principal do artigo Na era do Green Design – Qual é a nova  prioridade: ética ou estética?
Autor:
Priscila Lima Pereira
Título:
Na era do Green Design – Qual é a nova prioridade: ética ou estética?
Resumo:
Já faz tempo estamos vivendo uma época em que o design por si só não é mais suficiente, é fundamental que transmita elementos muito mais profundos como ética e sustentabilidade.
Traduções:
Compartilhar:
Interações:
Votos:
10
Opiniões:
4
Seguidores:
12