Francisco Providência

Francisco Providência

Porto (Porto) Portugal

Followers:
1
Votes:
6
Comments:
6

An Architect professional, professor specialist in Docente design, with 33 years of experience. I am attending francisco m. providência, designer lda. I work at Providência design, Porto, Portugal. I practice teaching at Universidade de Aveiro, Portugal.

Areas of interest: Audiovisual Design, Graphic Design, Industrial Design, Web Design, Communication

Francisco Providência (Coimbra, Portugal 1961), formou-se em Design de Comunicação na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Portugal (1985) e no mesmo ano abriu gabinete profissional de design no Porto, Portugal. Foi docente na Faculdade de Belas Artes  e na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto; é docente, director do Mestrado em Design na Universidade de Aveiro e investigador em design, co-fundador da Unidade de Investigação ID+ (FCT). Para além de publicar ensaios e orientar investigação científica, tem trabalhado como designer com diversas instituições, empresas e indústrias. Foi premiado com os Prémios Nacionais de Design (comunicação, produto e ambiente) pelo Centro Português de Design (1998-1999) e distinguido com o prémio Red Dot em equipamento de iluminação pública para a marca Larus (2008). Autor de diversas exposições e projectos museográficos, coordenou projecto de design do Museu de Penafiel, nomeado para Melhor Museu Europeu do Ano (2011) e considerado Melhor Museu Português  do Ano, (APOM, 2011). É membro da Comissão Assessora da BID Bienal Ibero-americana de Design.

1

Aug 2013 My opinion in the article Semiótica del objeto: signos excitantes

Gracias Jesús Mª Pineda-Patrón pelo texto:

Sim, inevitavelmente desenhar é produzir (intencionalmente) novos significados, manipulando o usuário (a quem destinamos o que desenhamos), com dor e com prazer. Essa será, também, a maior expressão política e social do Design.

2
1

May 2013 I like the article:

1

Feb 2012 My opinion in the article Una crítica en el diseño

A solução para resolver o divórcio entre a esterilidade da critica e a ingenuidade da prática do Design, está (estará...) na promoção da crítica na própria prática, através do desenho. Esta tem sido a metodologia da escola de arquitectura do Porto (Álvaro Siza, Eduardo Souto Moura,...), oriunda da cultura do desenho da Escola de Belas Artes do Porto e transferida para a formação em Design na Universidade de Aveiro. Uma nova lei, permite hoje em Portugal «doutoramentos em obra», e assim, o reconhecimento da prática como produção de conhecimento.

2
1

Feb 2012 I like the article:

1

Sep 2011 My opinion in the article Diseño del 11 de Septiembre

sim, o 11 de setembro será parte de um projecto. Talvez possamos entendê-lo como um exemplo de Design de serviços. Talvez como outros exemplos de Design de serviços o seu autor queira desenhar o próprio homem ou a sua sociedade. Talvez o seu autor se leve demasiado a sério.

1
1

Sep 2011 I like the article:

1

Aug 2011 My opinion in the article Diseño, territorio y emociones

Obrigado pelo texto .

«(…) los diseñadores dan forma a la percepción (...)». Ao tratar como produto a cidade, a região ou o país — processo inevitável para a sua promoção e comunicação uiversal na rede global — estamos a contribuir para a reificação cultural e social do lugar, transformando seres em coisas; ou atribuindo a expressão de coisa aos seres vivos. Essas «formas» sendo, por si próprias, conteudos, construirão a identidade recorrendo não só à memória mas, sobretudo, à aspiração futura, assim cumprindo um desígnio social e politico: o hábito também «faz o monge!»

0
1

Aug 2011 My opinion in the article El diseño como concepto universal (Parte 1)

Sim, «el diseño es designio hecho seña, intención hecha forma, figura…», mas não há desígnio sem desejo. Design será o desígnio desenhado pelo desejo. Sem desejo não há desenho e sem desenho não há desígnio. O design é o desenho de artefactos, dispositivos e serviços de mediação cultural, mas, tal como não há inteligência analítica se não for precedida pela emocional (Damásio), também não haverá desígnio se não houver antes desejo... e desejamos não o que nos parece bom mas, pelo contrário, parece-nos bom aquilo que desejamos (Espinosa). Talvez por isso se perca a universalidade do Design.

0
1

Feb 2011 I like the article:

1

Jul 2010 My opinion in the article Plagio: ¿es delito parecerse?

Da semelhança ao plágio. Só há uma forma de fugir à semelhança: a invenção de um novo paradigma. Só o autor saberá se fez ou não plágio. Mais do que ético, julgo estarmos perante uma contingência natural. A diferença entre a originalidade e o plágio, estará na intenção de diferenciar ou de assemlhar. de resto, em cultura nada se perde, nada se cria, tudo se transforma. «Eu sou exclusivamente um plagiador, um impostor. Espero, leio revistas. Algum tempo depois o meu cérebro envia-me um produto«(P. Stark); «Interesso-me pelo momento em que dois objectos colidem e geram um terceiro (B. Mau).

1