Retórica e design: a experiência brasileira

O Brasil mostra como o auge do seu design está enraizado em uma conexão com a cultura bem como numa vinculação benéfica entre teorias e prática.*

Alejandro Tapia Ciudad de México
Followers:
50
Comments:
7
Votes:
9
Compartir:

A retórica deve ser entendida como a habilidade de descobrir os lugares de pensamentos que movilizam um grupo a alcançar seus objetivos e projetá-los na vida cotidiana dos cidadãos de uma forma acessível e prática.

No passado, por exemplo, durante a colonização de América, esse princípio abrangia as palavras, as imagens, os modelos arquitetônicos e urbanos e, por isso, temos de pensá-lo como uma disciplina relevante ao design. Contudo, no mundo hispano-americano a profissão de designer tem sido desvinculada da retórica e, por consequência, desarticulada das demais disciplinas relacionadas à cultura, com o design sendo visto como alheio a outros assuntos decisivos dos países. Os debates sobre design no mundo hispano-americano continuam sendo muito pobres, pios, se movem em torno da tradição formalista em que o design se inscreveu em nossa academia, ou os debates concebem o design como uma atividade muito sofisticada de serviço, ao qual não se pode propor metas maiores.

Observamos que, entre nós, o design se discute a partir do design, com o design e para o design, fazendo com que as discussões sejam sempre pouco férteis. Nos acostumamos a isso da maneira em que fizemos com, por exemplo, a televisão, que consideramos intrinsecamente pobre, mas não lhe exigimos que seja mais do que isso. A perspectiva retórica justamente nos obriga a perguntar se isso realmente é inevitável, ou se foram as civilizações que construíram isso dessa maneira, considerando que esse cenário também pode ser repensado.

Observando essa situação, decidimos voltar nossos olhos a um dos nossos vizinhos latino-americanos onde as coisas poderiam estar acontecendo de outra maneira. Da fato, os últimos eventos que realizamos em nossa Universidade contaram com designers brasileiros, e suas palestras enriqueceram nosso campo, contribuindo para iniciarmos pesquisas e nos permitido conhecer outro contextos. Essa experiência também nos trouxe novos projetos, oportunidades que foram criadas a partir de visitas ao Brasil e lugares onde se faz e se pensa design.

Todos reconhecem que o design brasileiro vive um auge significativo. Podemos considerar que essa boa fase é o resultado de uma fecunda atividade retórica, porque o design se assume como uma atividade relacionada à cultura, em que se estuda a condição civilizatória na qual se movem seus projetos a fim de postular as colocações conceituais próprias frente ao mundo e para sua gente. Em seu livro «O Efêmero e o Paródico, crônicas e ensaios sobre design», Claudio Ferlauto, professor da Universidade de São Pablo (USP), assinala a necessidade de formar designers em função das habilidades retóricas, pois esse profissional deve ser capaz de dispor suas linguagens e estimular a percepção sobre o que é necessário ver e sobre o que é desconhecido. Isso implica saber utilizar as metáforas, as ironias, as metonímias.

O designer André Stolarsky mostrou isso bem no Congresso realizado em Aguascalientes, em 2007, pela Associação de Escolas Mexicanas (Encuadre). Seus projetos falavam dessa posição, em que o movimento cultural do país é visto no design com uma alta qualidade gráfica, como seu projeto para o CD «A pessoa é para o que nasce» ou suas embalagens para produtos agrícolas de famílias rurais.

André também mostrou trabalhos de outros designers brasileiros onde a habilidade retórica foi ressaltada pela audácia de compreender o ambiente. Um deles foi a ambientação de um evento de negociação da Nokia, desenvolvido com as características tradicionais das feiras de rua. Os visitantes se sentiram muito mais cômodos e relaxados em suas posturas de negociação porque o ambiente informal aproximou as empresas de seus clientes.

Guia Marketing Promocional, MG. Ambiênte informal para aproximar a uma empresa com os seur clientes, ano 2003
Guia Marketing Promocional, MG. Ambiênte informal para aproximar a uma empresa com os seur clientes, ano 2003.

A índole do design brasileiro tem essa característica porque sua produção está vinculada à reflexão teórica e acadêmica. O Brasil conta com vários mestrados e doutorados em design, com muitas teses, editoriais especializados e seminários de estudo acontecendo no conjunto de suas universidades. O design se faz nesses ambientes para postular um ponto de vista próprio, competitivo e que procura seus próprios elementos para relacionar-se com o mundo.

Paula Delecave, Favelité, Collage para representar uma favela na estação do metrô Luxenbourg, em París, ano 2005.
Paula Delecave, Favelité, Collage para representar uma favela na estação do metrô Luxenbourg, em París, ano 2005.
O ponto fundamental é que o país tem um projeto cultural e político mais amplo do que o próprio design, que o envolve e o conduz a afinar seus próprios marcos de referências conceituais, dando-lhe um respaldo de pensamento ao combinar fortemente teoria e prática.

É claro que esse projeto do país tem bases históricas, tendo sido desenhado ao longo do tempo com o trabalho de historiadores, antropólogos, literários, filósofos, humanistas e críticos sociais que traçaram a direção para ganhar autonomia frente às diretrizes traçadas pela cultura ocidental, como aconteceu nas obras de Luis da Câmara Cascudo, Darcy Ribeiro, Sérgio Buarque de Holanda, Guimarães Rosa ou Milton Santos, que perfilam uma maneira estimulante de confrontar o próprio futuro do país.

Uma linha de trabalho plenamente constituída é, por exemplo, a que articula a literatura com o design. Tivemos uma experiência muito significativa ao visitar Minas Gerais, em convite do arquiteto Luis Antonio Jorge, da USP. Luis Antonio trabalhou em cima da literatura de João Guimarães Rosa para realizar o projeto da Casa Cultura do Sertão, uma arquitetura baseada nos carros de bois que figuram nos textos de G. Rosa. A casa não só dá um forte sentido de pertencimento aos habitantes, como também está em sincronia com o conjunto de atividades da população rural do lugar: a música, a comunicação visual, os produtos culinários, o teatro, o trabalho e a administração local. Isso gera uma sofisticada articulação que resulta em uma identidade não-corporativa baseada na literatura e na cultura e não em marketing urbano.

O carro dos bois descrito em G. Rosa, ilustração de Luis. A. Jorge.
O carro dos bois descrito em G. Rosa, ilustração de Luis. A. Jorge.
Artesanía rosiana; Interior e exterior da Casa da Cultura, homenajeando o Morro que dá nome ao conto e uma das Contadoras de Estórias Miguilim.
Artesanía rosiana; Interior e exterior da Casa da Cultura, homenajeando o Morro que dá nome ao conto e uma das Contadoras de Estórias Miguilim.

O que se destaca desta experiência é que uma abordagem erudita da literatura produziu um design eficiente para a população, colocando o interior do Brasil como parte da matriz relevante de identidade ao país. Em São Paulo, já dentro da esfera urbana, esta matriz do interior seco e rural do sertão motivou também obras de arquitetura como o centro cultural SESC Pompeia, um dos mais visitados na cidade.

Sem dúvida, a afluência constante entre as investigações teóricas e as decisões práticas foi o que deu ao design brasileiro o caráter que possui hoje, um dos elementos vitais da vida cultural e econômica do país. Por esse motivo que não só o Ministério da Economia aprovou Políticas de Design que interessam a toda América Latina, como também o Ministério da Cultura incluiu design como parte de seu programa.

O paradoxo no caso brasileiro é que, apesar de uma história problemática e cheia de violência, a conexão entre design e cultura se tornou forte, mobilizando amplamente o país, o que não parecia possível há poucas décadas. E isso coincide com a definição de retórica de autores como Donald Bryan, que disse:

«A retórica é o método, o organismo dos princípios para decidir melhor as questões que são indecisíveis, para chegar a soluções perante os problemas que são insolúveis, para instituir um método nessas fases vitais da atividade humana onde não existe um método inerente à matéria de que se ocupa uma decisão. A arte de resolver esse tipo de problemas é a retórica».

O design brasileiro é um bom caso para se observar esse princípio. A fertilidade desse design é mantida por meio de sua relação viva com as disciplinas humanísticas. A América Latina deveria incluir essa experiência em sua reflexão.

Translated by Abc Design Curitiba
Followers:
50
Comments:
7
Votes:
9
Compartir:

7 Comments

Comment

This article does not express the opinion of the editors and managers of FOROALFA, who assume no responsibility for its authorship and nature. To republish, except as specifically indicated, please request permission to author. Given the gratuity of this site and the hyper textual condition of the Web, we will be grateful if you avoid reproducing this article on other websites. Published on 05/09/2012.

You may be interested

Joan Costa
Idioma:
ES
Author:

Joan Costa

Title:

Privilegio y compromiso del diseño gráfico

Translations:
Share:
Interactions:
Votes:
91
Comments:
15
Followers:
2161
Vicente Encarnación
Idioma:
ES
Author:

Vicente Encarnación

Title:

Del valor de la información al valor del diseño

Translations:
Share:
Interactions:
Votes:
135
Comments:
5
Followers:
15
Román Perona
Idioma:
ES
Author:

Román Perona

Title:

La «creactivación» del diseño

Share:
Interactions:
Votes:
53
Comments:
31
Followers:
5
Abdénago Yate
Idioma:
ES
Author:

Abdénago Yate

Title:

Conclusiones del debate sobre la ética del diseño

Share:
Interactions:
Votes:
33
Comments:
24
Followers:
7
Maria del Pilar Rovira Serrano
Idioma:
ES
Author:

Maria del Pilar Rovira Serrano

Title:

¿Mood qué? ¡Mood board!

Share:
Interactions:
Votes:
177
Comments:
42
Followers:
312
Mariana Lombardo
Idioma:
ES
Author:

Mariana Lombardo

Title:

Diseñar en los pueblos

Share:
Interactions:
Votes:
21
Comments:
3
Followers:
0
My opinion:

Login with your account to comment on this article. If you do not have it, create your free account now.

50
Alejandro Tapia
Oct 2012

Agradeco o seus comentarios. Realmente gosto de muitos fenomenos que ocorrem con o design no Brasil, e penso que é util a reflexao sobre eles no contexto latinamericano. A referenca de Ferlauto partilhou do seu livro, mais é boa a aclaracao. Concordo con o que diz Magno Silveira e conheco bem o Museu da Lingua Portuguesa, que tem proyetos bem interessantes, uma nova forma de comprender os museus. E Márcio, por favor envíe aqui a referéncia do projeto de leitura, seria bem útil para mim conhecer.

0
Reply
1
Olivia Pezzin
Oct 2012

Claudio Ferlauto não é professor da USP. Ele deu aula na FAU-USP de 1976 a 1988. Hoje ele dá aula na FAAP e Anhembi-Morumbi.

0
50
Alejandro Tapia
Oct 2012

Agradeco o seus comentarios. Realmente gosto de muitos fenomenos que ocorrem con o design no Brasil, e penso que é util a reflexao sobre eles no contexto latinamericano. A referenca de Ferlauto partilhou do seu livro, mais é boa a aclaracao.

0
Reply
0
Márcio Moreira Lambert
Sep 2012

Alejandro, muito oportuna a leitura de seu artigo. Aqui na Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG, onde leciono, desenvolvemos no último ano um projeto muito rico em relação às questões que você pontua. Um projeto de leitura e desenvolvimento de produtos e comunicação para um significativo trecho do circuito Estrada Real (antigo caminho de transporte do ouro do interior para o litoral). Analise do ambiente, cultura, manifestações vernaculares...enfim, um projeto para o seu próprio ambiente. Vou ver se consigo lhe enviar via Foro Alfa.

0
50
Alejandro Tapia
Oct 2012

Márcio, por favor envíe aqui a referéncia do projeto de leitura, seria bem útil para mim conhecer.

0
Reply
0
Magno Silveira
Sep 2012

Alejandro, seu artigo é muito pertinente. Existem projetos ambientais muito bem elaborados no Brasil, como o da inauguração do Museu da Língua Portuguesa, com o Grande Sertão: Veredas e a grande exposição Brasil 500. Mas quando olhamos as marcas da Copa 2014 e a Rio2016, eventos importantes e mundiais, vemos como o Brasil ainda é fraco no design das marcas gráficas e de identidade visual. Lamentável, porque são 2 eventos que poderiam nos afirmar como um país amadurecido na sua identidade. As duas marcas citadas são simplesmente tímidas e não inovam em nada. Há 20 anos atuo no mercado de marcas

0
50
Alejandro Tapia
Oct 2012

gradeco o seus comentarios. Realmente gosto de muitos fenomenos que ocorrem con o design no Brasil, e penso que é util a reflexao sobre eles no contexto latinamericano. Concordo con o vc diz e conheco bem o Museu da Lingua Portuguesa, que tem proyetos bem interessantes, uma nova forma de comprender os museus.

0
Reply

Upcoming online courses

Branding Corporativo

Branding Corporativo

Cómo planificar, construir y gestionar la marca de empresas e instituciones

4 weeks
17 Septiembre

Estrategia de Marca

Estrategia de Marca

15 claves para programar el diseño de símbolos y logotipos de alto rendimiento

4 weeks
29 Octubre

Relecturas del Diseño

Relecturas del Diseño

Una inmersión en el discurso sobre el diseño para despejar sus nociones más controvertidas: creatividad, innovación, arte, tecnología, función social...

4 weeks
28 Enero 2019

Branding: Diseñador y Cliente

Branding: Diseñador y Cliente

Tratar con el cliente, hacer presupuestos y planificar las etapas de la creación de una marca

3 weeks
22 Abril 2019

Auditoría de Marca

Auditoría de Marca

Taller de práctica profesional: análisis, diagnóstico y programa de marca sobre casos reales

6 weeks
22 Junio 2019