Dez princípios do design gráfico

Versão sintetizada, em modo de decálogo.

Norberto Chaves Barcelona
Followers:
3042
Comments:
2
Votes:
21
Compartir:

1. Convencionalismo

O signo deve configurar-se de acordo com a combinação dos códigos gráficos culturalmente vigentes. A ideia de «novas linguagens gráficas» é absurda: se uma linguagem é nova, não se entende.

2. Ocorrência

A ocorrência compensa o convencionalismo ao dar relevância à mensagem. Mas o grau de atipicidade necessário nem sempre é o máximo possível. Cada caso requer um grau de ocorrência diferença.

3. Eficácia

O signo tem de cumprir, no mínimo, todas as funções para as quais foi criado. Valores, como por exemplo a estética, não podem subordinar a eficácia do comunicado gráfico, mas sim, pelo contrário, potenciá-la.

4. Propriedade

O signo deve inscrever-se no paradigma identitário do seu emissor. A assinatura não é suficiente: o que é mesmo comunicado deve identificar o emissor. A identidade não consiste em falar do emissor mas sim falar como ele.

5. Respeito

Tal como sucede com o emissor, a expressão gráfica deve ser ajustada e respeitar os códigos do receptor. Fala-se para ele, para que ele entenda.

6. Pertinência

O signo deve ajustar-se ao registo do vínculo comunicacional que se estabelece entre emissor e receptor. Só conhecendo esse vínculo, é possível estabelecer o tom adequado para cada merecida ocasião.

7. Densidade

Entre vazio e cheio deve haver uma relação de sentido. O signo deve estar saturado, ou seja, sem zonas privadas de sentido. Se ao eliminar um elemento não se perde nada, era porque esse elemento estava a mais.

8. Economia

O resíduo é comunicacionalmente negativo. O signo não deve conter redundâncias supérfluas ou excessos gráficos.

9. Transparência

O signo deve carecer de significados parasitárias que operam como interferências à sua mensagem específica.

10. Anonimato

O signo deve ser autónomo, livre de referências ao seu processo produtivo ou ao seu autor. O signo não é a história do seu processo produtivo: pertence ao emissor e a sua produção deve tornar-se invisível.

Translated by Barbara Videira Lappeenranta
Followers:
3042
Comments:
2
Votes:
21
Compartir:

2 Comments

Comment

This article does not express the opinion of the editors and managers of FOROALFA, who assume no responsibility for its authorship and nature. To republish, except as specifically indicated, please request permission to author. Given the gratuity of this site and the hyper textual condition of the Web, we will be grateful if you avoid reproducing this article on other websites. Published on 24/05/2012.

Norberto Chaves

More articles by Norberto Chaves in Portuguese

Idioma:
PT
Title:

O estereotipo

Synopsis:

Virtudes e misérias dos lugares comuns na comunicação social.

Share:
Idioma:
PT
Title:

Com ou sem símbolo

Synopsis:

Uma alternativa marcaria condicionada pelo perfil e pela comunicação.

Share:
Idioma:
PT
Title:

O teste da marca corporativa

Synopsis:

A irrelevancia da opinião pública nas decisões estratégicas.

Share:
Idioma:
PT
Title:

Arte, design e ideologia

Synopsis:

Sobre o preconceito tenaz que atribui ao design o caráter de área artística.

Share:

You may be interested

Alfredo Yantorno
Idioma:
ES
Author:

Alfredo Yantorno

Title:

De la verdad a la verosimilitud

Share:
Interactions:
Votes:
4
Followers:
32
Angel Sánchez
Idioma:
ES
Author:

Angel Sánchez

Title:

Qué es ser un diseñador ágil

Share:
Interactions:
Votes:
155
Comments:
138
Followers:
140
Andrés Gustavo Muglia
Idioma:
ES
Author:

Andrés Gustavo Muglia

Title:

Las artes plásticas y el diseño

Share:
Interactions:
Votes:
29
Comments:
6
Followers:
79
Luciano Cassisi
Idioma:
ES
Author:

Luciano Cassisi

Title:

El dominio del diseño gráfico

Share:
Interactions:
Votes:
55
Comments:
19
Followers:
1185
Vicente Sandoval
Idioma:
ES
Author:

Vicente Sandoval

Title:

El diseño como disciplina académica en Chile

Share:
Interactions:
Votes:
13
Comments:
13
Followers:
29
Fredy Chaparro
Idioma:
ES
Author:

Fredy Chaparro

Title:

El diseño gráfico no ha muerto

Share:
Interactions:
Votes:
37
Comments:
35
Followers:
42
My opinion:

Login with your account to comment on this article. If you do not have it, create your free account now.

0
Márcio Moreira Lambert
Jun 2012

Bem oportuna esta reflexão. Precisamos voltar a refletir e considerar em nossos projetos parâmetros mais objetivos, claros e concisos para evitarmos ou talvez administrarmos melhor este momento onde as opiniões e pareceres são tão volúveis, complexos e as vezes inadequados.

0
Reply
0
Lucilia Alencastro Brancalua
May 2012

Sou professora de Composição visual, e portanto, comecei dizendo isto tudo aos meus alunos. No entanto, hoje já não tenho certeza se todos estes princípios são mesmo fundamentais.

Especialmente o item 8, já desconsidero, e penso que se trata de um preconceito «Bahaus/Ulmiano». Hoje o excesso gráfico é compreendido, bem compreendido e bem aceito como linguagem.

1
Reply

Upcoming online courses

Branding Corporativo

Branding Corporativo

Cómo planificar, construir y gestionar la marca de empresas e instituciones

4 weeks
17 Septiembre

Estrategia de Marca

Estrategia de Marca

15 claves para programar el diseño de símbolos y logotipos de alto rendimiento

4 weeks
29 Octubre

Relecturas del Diseño

Relecturas del Diseño

Una inmersión en el discurso sobre el diseño para despejar sus nociones más controvertidas: creatividad, innovación, arte, tecnología, función social...

4 weeks
28 Enero 2019

Branding: Diseñador y Cliente

Branding: Diseñador y Cliente

Tratar con el cliente, hacer presupuestos y planificar las etapas de la creación de una marca

3 weeks
22 Abril 2019

Auditoría de Marca

Auditoría de Marca

Taller de práctica profesional: análisis, diagnóstico y programa de marca sobre casos reales

6 weeks
22 Junio 2019