Marcos Beccari

Autêntico design

Assim como não há nada mais feio que o excessivamente belo, o risco de não ser compreendido é potencialmente mais autêntico que o risco de não errar.

O que torna um trabalho de design autêntico? Aliás, o que é autenticidade? Em âmbito interpessoal, dizem que «ser autêntico» é ser você mesmo, sendo uma objeção básica afirmar que é impossível deixar de ser «você mesmo». Uma definição mais elaborada, por conseguinte, seria a de aceitar quem você é e fazer disso o norte para aquilo que você quer se tornar. O problema é que essa aceitação pode rimar com resignação, isto é, resistência à mudança.

Desvencilhando-nos da ideia de imobilidade ou mudança, outro caminho a seguir seria a autenticidade, apenas como sinceridade para consigo mesmo. Tal definição só seria consistente, entretanto, caso houvesse uma pessoa que não carregasse consigo valores contraditórios. É quase unânime estimar a sinceridade em si, mas há diversas situações cotidianas em que essa entra em conflito com outros valores: seu melhor amigo está traindo a namorada e, se você quiser ser sincero com ela, corre o risco de perder a amizade dele.

Acho que ser autêntico não é tanto uma virtude/qualidade. Quando muito, é uma escolha relacionada à intensidade subjetiva. Algumas pessoas se sentem autênticas quando escolhem viver cada momento como se fosse o último, como se fosse eterno enquanto dura. Outras pessoas sentem-se autênticas com o contrário, isto é, vivendo a eternidade na expectativa e na lembrança. Podem ser as duas coisas juntas, mas ambas dependem de uma escolha.

Claro que não é uma escolha fácil: diante de um quadro do Magritte, podemos entregar-nos a uma epifania inédita e/ou não resistir ao inevitável espanto do «onde foi que eu já vi isso?». A isso soma-se o paradoxo de que a autenticidade de um objeto somente é percebida enquanto tal, não porque o objeto reflete uma intimidade pessoal mas, principalmente, porque traz consigo experiências impessoais. Neste ínterim, talvez seja pertinente retomarmos os conceitos de vestígio e aura em Walter Benjamin (1994, p. 226):

O vestígio é o aparecimento de uma proximidade, por mais distante que esteja daquilo que o deixou. A aura é o aparecimento de uma distância, por mais próximo que esteja daquilo que a suscita. No vestígio, apossamo-nos das coisas; na aura, ela se apodera de nós.1

De acordo com o autor, a obra de arte teria perdido, na modernidade, a «aura» que a singularizava com o advento da reprodutibilidade técnica, o que também acabou invertendo o papel do espectador que, por sua vez, passou a narrar sua própria individualidade através da impessoalidade da obra.

Mas o que nos interessa é o que diz a citação: vestígio relacionado com o passado, proximidade e posse, e aura relacionada com o futuro, distância e desposse. A autenticidade de um objeto de design manifesta-se em via dupla: por um lado, quando o objeto se apresenta como vestígio do usuário (por identificação, aproximação) e, por outro, quando o usuário lhe atribui uma aura, distanciando-se solenemente desse objeto que então «não o pertence». A autenticidade em si, portanto, não depende de comparação, ao contrário do valor que atribuímos a ela quando a transformamos em discurso.

O «autêntico» enquanto discurso é via de regra fingimento. Seja pagando fortunas numa calça velha com a marca Diesel, seja superestimando a diversidade cultural (aquilo que nos parece diferente), vestígio e aura desaparecem com o dogma do «depende do ponto de vista». É verdade que a autenticidade de um objeto não está no próprio objeto mas sim na forma como ele é apropriado e articulado numa cadeia discursiva. Quando a oferta de autenticidade é maior que sua demanda (o que é frequente no design), esse discurso perde todo o sentido.

Dito de outra forma, o valor do «autêntico» não é estabelecido apenas através do discurso, mas especialmente quando, de tanto fingirmos, nos tornamos sinceros ao escondermos uma mesma coisa.

Não sabemos ao certo, por exemplo, o que as pessoas esperam quando adquirem um produto Apple, e é justamente isso o que tentamos esconder: o fato de que ninguém sabe exatamente o que esperar de um autêntico Apple. E quando descobrimos que o perfume extasiante daquela garota é um Victoria’s Secret (que nem é tão secreto, já que muitas mais também o usam), tiramos-lhe a máscara de sua aura e corremos o risco de apagar qualquer vestígio de nosso fascínio inicial.

Quero dizer que a autenticidade mantém-se reservada, parcialmente intransponível e nunca inteiramente exposta. Acima de tudo: assim como não há nada mais feio que o excessivamente belo, o risco de não ser compreendido é potencialmente mais autêntico que o risco de não errar.

Author
Marcos Beccari São Paulo
Edition
Alvaro Sousa V N Gaia
  1. BENJAMIN, W. Obras escolhidas III – Charles Baudelaire, um lírico no auge do capitalismo. 3. ed. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1994.

Published on 06/11/2012

IMPORTANT: This article does not express the opinion of the editors and managers of FOROALFA, who assume no responsibility for its authorship and nature. To republish, except as specifically indicated, please request permission to author. Given the gratuity of this site and the hyper textual condition of the Web, we will be grateful if you avoid reproducing this article on other websites. Instead, we suggest and value a partial reproduction, also including the name of the author, the title and the source (FOROALFA), a link to this page (https://foroalfa.org/articulos/autentico-design) in a clear and visible place, inviting to complete the reading.

Autor:
Marcos Beccari

More articles byMarcos Beccari

Article:

O designer solipsista

Article:

Esconder e revelar

Followers:
42

Related

Illustration:
María de Mater O’Neill
Author:

María de Mater O’Neill

Title:

Sobre la investigación creativa

Synopsis:

Se hace necesario que la investigación basada en las prácticas de arte y diseño sea publicada por quienes la practican.

Votes:
27
Comments:
10
Followers:
8
Idioma:
ES
Illustration:
Norberto Chaves
Author:

Norberto Chaves

Title:

Diseño y credibilidad del mensaje

Synopsis:

El diseño de comunicados como medio de conquista de su verosimilitud: transparencia del referente y del emisor.

Translations:
Read in english
Votes:
199
Comments:
34
Followers:
2621
Idioma:
ES
Illustration:
Mariana Costa
Author:

Mariana Costa

Title:

Papá Noel: ¿mascota corporativa?

Synopsis:

La figura de Papá Noel como mascota corporativa. Sus orígenes, algunas razones del logro de su ubicuidad y un planteo sobre las formas en que se representa actualmente.

Votes:
11
Comments:
2
Followers:
35
Idioma:
ES
FOROALFA ISSN 1851-5606 | Contactar | Publicidad | ©Luciano Cassisi 2005~2016