Arte, design e ideologia

Sobre o preconceito tenaz que atribui ao design o caráter de área artística.

Norberto Chaves Barcelona
Followers:
2987
Comments:
0
Votes:
5
Compartir:

Os anathemas extravagantes de Adolf Loos contra as artes aplicadas já têm mais de um século de existência; mais precisamente, 119 anos. E a profusa bibliografia teórica que, a partir de então, tem fundamentado a especificidade do design, não conseguiu remover completamente esse preconceito tenaz que «detecta», nesta área, uma natureza artística. Há, portanto, mais de um motivo para supor que, por trás dessa tenacidade, operam fatores condicionantes alheios à razão analítica e à vontade de conhecimento. Procuremos, então, recriar os mecanismos desse preconceito.

A primeira coisa que se observa nas declarações a favor do caráter artístico do projeto é a autossuficiência das mesmas: uma taxatividade não requerida de fundamentação. Trata-se de uma «questão de princípio»: uma crença. Pois tal hipótese raramente é submetida à demonstração. Quema fórmula não apresenta provas; não remete a afirmação para o confronto com a realidade, com fatos nos quais isso resulte evidente. A ideia do design não é nutrida na objetividade de seus produtos, mas em uma representação ideal do seu modus operandi: imaginação, criatividade, insight… E esses mecanismos são atribuídos à arte como características específicas e exclusivas: onde quer que apareça a imaginação a arte estará operando.

Aqui está o primeiro deslize semântico que apoia essa «associação ilícita»: considerar que as capacidades universais, presentes em todos os campos da atividade humana, como a imaginação ou a criatividade, sejam atributos exclusivos da arte. Se isso é verdade, todo ser humano seria um artista e todo trabalho humano arte. A arte, como uma categoria, se fundiria com o todo, isto é, perderia toda especificidade.

Uma segunda operação mental a favor dessa identificação do design com a arte é produzida por um mecanismo redutor dos referentes reais: a sinédoque falsa, consistindo em decidir, a priori, quais elementos são representativos do todo. Inconscientemente, são realizadas uma seleção e hierarquia dos temas de design em que predominam os aspetos estéticos. E elas são elevadas à gama de paradigmas de design. O espetador, ao pensar sobre o design como arte, pensa em arquitetura singular, moda de vanguarda, cartaz de autor ou mobiliário inovador. E, neles, ele «vê» a presença da arte. Portanto, prisioneiro de outro preconceito, identifica «estética» com «arte». Identificação falsa: o estético não é um atributo exclusivo da arte e existem formas de arte que desdenham o estético.

Para sustentar essa associação, omite espontaneamente, sem pensar, as áreas do trabalho de design que perturbariam sua hipótese. Áreas tão importantes quanto os móveis de uso atual, ferramentas, equipamentos eletrônicos, transportes, equipamentos ortopédicos, sistemas de sinalização, publicações, meios de informação públicos ou programas informáticos. É uma seleção intencional que exclui o que não corresponde à hipótese. Um mecanismo específico de preconceito: «aquela raça cheira mal».

Uma definição teoricamente rigorosa de qualquer conjunto deve ser verificada em todos os componentes desse conjunto. Lógica elementar: Teoria dos Conjuntos. Se alguém leva em conta o vasto campo do trabalho de design, os temas supostamente próximos da arte tornam-se anedóticos e sua conexão com ele, meramente aparente. Bem, como já foi dito, o estético também não é um atributo exclusivo da arte. Em suma: quem confunde o design com arte faz isso não só porque ignora o que é design, mas também porque ignora o que é arte.

E aqui cabe, então, ir mais longe e nos perguntar: como é possível que as pessoas normalmente educadas – profissionais e até professores – que não são estranhas ao fenômeno do design, cometem tantos erros na definição da disciplina? Não há outra resposta do que a latente em nossa hipótese inicial: é o efeito do condicionamento ideológico que confunde o exercício da razão analítica. Sob a pressão dessas condicionantes, sem sequer percebê-las, vemos na realidade o que precisamos ver, antes de mirá-la.

Essas falsas identificações de imaginação e criatividade com a arte e aquela restrição dos produtos de design a peças mais estéticas ou «inspiradas» são o resultado de uma necessidade ideológica de superestimar a disciplina, resgatando-a do nível «pé-no-chão» do trabalho produtivo e artesão, para incluí-lo em uma suposta forma suprema de criação cultural: a Arte. Outro preconceito.

Por trás desse mecanismo mental não é difícil detectar uma ideologia do setor social: uma certa classe média profissional que vitalmente precisa legitimar sua superioridade social. Um setor da classe que não pode suportar ser despojado dessa «aureola» – já descrita por Marx – que o instala no Parnassus dos eleitos, separando-os dos trabalhadores modestos... Como se os verdadeiros artistas também não fossem trabalhadores modestos.

A classe média foge de suas origens como do inferno. Precisa «desproletarizar» reivindicando para si a autonomia total e o privilégio da criação livre.

Editor: Luiz Claudio Gonçalves Gomes Campos Dos Goytacazes
Followers:
2987
Comments:
0
Votes:
5
Compartir:

0 Comments

Comment

This article does not express the opinion of the editors and managers of FOROALFA, who assume no responsibility for its authorship and nature. To republish, except as specifically indicated, please request permission to author. Given the gratuity of this site and the hyper textual condition of the Web, we will be grateful if you avoid reproducing this article on other websites. Published on 21/05/2018.

Norberto Chaves

More articles by Norberto Chaves in Portuguese

Idioma:
PT
Title:

A qualidade existe e é inegociável

Synopsis:

Para incentivar o entusiasmo do desenvolvimento de sua própria cultura gráfica e aspiração à qualidade.

Share:
Idioma:
PT
Title:

Duas distorções no ensino de Design Gráfico

Synopsis:

Teorismo e criativismo, duas visões opostas que, paradoxalmente, convivem sem conflitos, confundindo o caráter do exercício da pratica do design gráfico.

Share:
Idioma:
PT
Title:

Iconicidade e velocidade de leitura

Synopsis:

As virtudes da mensagem gráfica não verbal.

Share:
Idioma:
PT
Title:

O símbolo de uma comunidade

Synopsis:

A capacidade emblemática de um identificador social: motivação e convencionalização.

Share:

You may be interested

Yves Zimmermann
Idioma:
ES
Author:

Yves Zimmermann

Title:

El diseño como concepto universal (Parte 1)

Translations:
Share:
Interactions:
Votes:
224
Comments:
99
Followers:
587
David Espinosa
Idioma:
ES
Author:

David Espinosa

Title:

Cliente vs. Diseñador

Translations:
Share:
Interactions:
Votes:
152
Comments:
93
Followers:
46
Osvaldo Olivera
Idioma:
ES
Author:

Osvaldo Olivera

Title:

El proyecto académico en el diseño

Share:
Interactions:
Votes:
58
Comments:
63
Followers:
18
Victoria Gattoni
Idioma:
ES
Author:

Victoria Gattoni

Title:

¿Decorador o Diseñador?

Share:
Interactions:
Votes:
38
Comments:
27
Followers:
8
Monica Pujol
Idioma:
ES
Author:

Monica Pujol

Title:

Diseñando espacios de sentido

Share:
Interactions:
Votes:
38
Comments:
7
Followers:
28
Julio Terán Anciano
Idioma:
ES
Author:

Julio Terán Anciano

Title:

El diseñador como puente

Share:
Interactions:
Votes:
139
Comments:
131
Followers:
65
My opinion:

Login with your account to comment on this article. If you do not have it, create your free account now.

Upcoming online courses

Auditoría de Marca

Auditoría de Marca

Taller de práctica profesional: análisis, diagnóstico y programa de marca sobre casos reales

6 weeks
25 Junio

Branding: Diseñador y Cliente

Branding: Diseñador y Cliente

Tratar con el cliente, hacer presupuestos y planificar las etapas de la creación de una marca

3 weeks
6 Agosto

Branding Corporativo

Branding Corporativo

Cómo se planifica, construye y gestiona la marca de empresas e instituciones

4 weeks
17 Septiembre

Estrategia de Marca

Estrategia de Marca

15 claves para programar el diseño de símbolos y logotipos de alto rendimiento

4 weeks
29 Octubre

Relecturas del Diseño

Relecturas del Diseño

Una inmersión en el discurso sobre el diseño para despejar sus nociones más controvertidas: creatividad, innovación, arte, tecnología, función social...

4 weeks
28 Enero