Ricardo Acosta García

Braços, cabeças e pernas

Em muitas ocasiões, trabalhar de maneira interdisciplinar é a melhor opção para o profissional de design.

  • 5Likes
  • 64Followers
  • 0Comments
  • Send
Read in spanish
Brazos, cabezas y piernas

Tinha acordado meio tonto e com uma sensação estranha. Senti algo a mais em meu corpo, e para meu espanto vi que havia brotado em mim um segundo par de braços! Pulei da cama espantado, mas alegre. Minha primeira reação foi pensar: «agora poderei produzir duas vezes mais!».

Na empolgação do momento, do nada, vi crescer mais um par de braços. «Uau, e agora três vezes mais!». Estava feliz porque, como designer, era tudo o que havia desejado: poder trabalhar em muitos computadores e tomar mate com bolachas ao mesmo tempo. Era muito bom!

Levantei com certo esforço, pois agora pesava quase 20 quilos a mais. Não conseguia caminhar sem cambalear. Era alarmante a minha falta de equilíbrio! Apesar disso, estava com boas expectativas quanto as minhas novas «ferramentas» de trabalho.

Enquanto caminhava alegremente com meus seis flamejantes braços, senti meus joelhos tremerem. Dois novos pares de braços brotaram de repente. Estavam apertados entre si, com pouco lugar para se moverem e com uma coordenação nula. Continuei a me confortar com a ideia: «se posso operar mais computadores, posso operar muitos programas. Realizarei mais peças e ganharei mais dinheiro». Lembrei-me das muitas vezes que desejei que o dia tivesse vinte e oito horas, quando o que deveria ter desejado era um corpo com mais braços. Como eu estava enganado!

A simples hipótese: «se eu operar mais programas, minhas possibilidades de criação aumentarão e, por conseguinte, serei um melhor designer», foi o que tirou da minha cabeça a quantidade de dinheiro que gastaria com desodorante. Entusiasmadíssimo, continuei: «…assim terei mais serviços para oferecer ao mercado, porque fisicamente poderei fazer mais. Nunca recusarei nenhum trabalho por incapacidade de realiza-lo com minhas mãos. Agora tenho dez!».

Comprei mais cinco computadores e passei a estudar os diversos programas de design gráfico, multimídia, web sites, modelação e animação em 3D, animação e edição de vídeo, arquitetura e complexas linguagens de programação.

No momento em que colocava em execução meu plano, meus dez braços começaram a se mover caoticamente. Errantes, eles buscavam em vão que o meu cérebro lhes ordenasse o que fazer. Por mais que tentasse, somente podia me encarregar de um par de cada vez. Logo pensei: «estou desperdiçando braços! Preciso de uma cabeça para cada par de braços, assim eu aproveitarei a todos os braços!».

No dia seguinte, quando acordei, para meu espanto sobre os meus ombros se abria um leque de cabeças. Cinco! Da maneira como eu havia desejado. Naturalmente, o peso extra dificultou muito que eu levantasse. Os neurônios extras eram demais para o meu corpo já fatigado.

Desesperado, retomei as minhas expressões de desejos, como quem quer escapar de areias movediças e somente consegue se afundar mais. Finalmente consegui ficar em pé sobre as minhas dez pernas que, de repente, brotaram do meu corpo. Não pude deixar de imaginar o que meus futuros clientes pensariam da minha nova aparência, e intui que não se sentiriam muito confortáveis. Outro inconveniente: não conseguia sair da minha casa pela porta, nem entrar no meu carro, muito menos pegar um ônibus.

Desejei um corpo para cada conjunto de extremidades e assim voltar a ter apenas uma cabeça, dois braços e duas pernas. Quando olhei para trás, meu olhar se fixou em quatro sujeitos idênticos a mim. Coçamos todos a cabeça ao mesmo tempo, e notei em suas caras o alívio que eu sentia por não ser mais uma colagem de membros. Preocupava-me se minha casa era grande o suficiente para nós. Dormiríamos e comeríamos ao mesmo tempo já que, ao final das contas, éramos exatamente iguais.

Na hora do trabalho, outro inconveniente. Com tanto nível de paridade, nenhum dos cinco queria se encarregar de trabalhar em áreas de design com as quais não tínhamos afinidade e experiência. Mesmo sendo cinco, não apareciam visões diferentes, não nos completávamos, não nos criticávamos construtivamente, nem encontrávamos satisfação nem enriquecimento no trabalho de equipe. Éramos instâncias de uma mesma entidade: eu estava rodeado de quatro espelhos. Antes de passar para o desejo seguinte, sentamos e pensamos: «O que faltava?».

Foi nesse momento que tive uma revelação. Faltava que fossemos pessoas diferentes! Em lugar de tentar inutilmente abraçar o mundo, exigindo de mim o impossível, e colocando as ferramentas do design acima do próprio design, por que simplesmente não trabalhava com outros profissionais que se movimentam em outras áreas, com outros conhecimentos, que pensem diferente de mim? Por que não montar uma rede de trabalho que permita solucionar os problemas dos clientes, muito além de pensar somente em confeccionar certas peças (aquelas que posso fisicamente realizar?). Por que não pensar além de um folheto, uma animação ou do que ocorre dentro de uma tela? Por que não…?

Sentado na minha cama, coberto de suor, eu me perguntava: «Mas por que não?». Depois de comprovar que já não éramos cinco, que continuava sendo uma calorosa terça-feira, e ainda faltavam duas horas para sair para o trabalho, eu escrevi estas linhas.

Author
Ricardo Acosta García Córdoba
Translation
Abc Design Curitiba

Published on 14/05/2012

IMPORTANT: This article does not express the opinion of the editors and managers of FOROALFA, who assume no responsibility for its authorship and nature. To republish, except as specifically indicated, please request permission to author. Given the gratuity of this site and the hyper textual condition of the Web, we will be grateful if you avoid reproducing this article on other websites. Instead, we suggest and value a partial reproduction, also including the name of the author, the title and the source (FOROALFA), a link to this page (http://foroalfa.org/articulos/bracos-cabecas-e-pernas) in a clear and visible place, inviting to complete the reading.

  • 5Likes
  • 64Followers
  • 0Comments
  • Send
Autor:
Ricardo Acosta García

More articles byRicardo Acosta García

Article:

Brazos, cabezas y piernas

Article:

¿Qué es la gestión de clientes en los servicios de diseño?

Article:

La sonrisa de Don Gómez

Followers:
64

Related

Autor:
Guillermo Brea

Guillermo Brea

Título:

O muro das lamentações

Sinopsis:

Neste texto questiono o caráter autocompassivo com que se aborda o problema do reconhecimento social da profissão. Read in spanish

Votos:
5
Opiniones:
1
Seguidores:
138
Idioma:
PT
Autor:
Martino Liu

Martino Liu

Título:

En busca de la verdadera demanda

Sinopsis:

Una indagación de las causas y consecuencias del diseño y la oferta mercantil de productos basura.

Votos:
9
Opiniones:
2
Seguidores:
5
Idioma:
ES
Autor:
Casa Rex

Casa Rex

Título:

Sopas Knorr: imagen y tentaciones

Sinopsis:

El rediseño de los envases de las sopas Knorr obedece a un cambio en la percepción del público acerca de los productos naturales.

Votos:
107
Opiniones:
75
Seguidores:
10
Idioma:
ES

Recent

Autor:
Julián Verna

Julián Verna

Título:

Regular la profesión

Sinopsis:

La falta de reconocimiento y de valoración del trabajo del diseñador es una realidad que nos alcanza y que podemos comenzar a revertir.

Votos:
6
Opiniones:
2
Seguidores:
8
Idioma:
ES
Autor:
Alejandro Ortíz

Alejandro Ortíz

Título:

Mapas: del arte náutico al GPS

Sinopsis:

El campo del diseño es tan amplio que abarca áreas, a veces insospechadas, como la cartografía.

Votos:
40
Seguidores:
10
Idioma:
ES
Autor:
Alfredo Gutiérrez Borrero

Alfredo Gutiérrez Borrero

Título:

When conviction gets in the way

Sinopsis:

Not all pathways lead us to the same design, nor we all have to design through the same pathway. Read in spanish

Votos:
3
Seguidores:
256
Autor:
Roberto Goiriz

Roberto Goiriz

Título:

La extimidad nuestra de cada día

Sinopsis:

La intimidad ya no está de moda, a juzgar por lo que parece ocurrir en internet y también en nuestra vida cotidiana.

Votos:
4
Opiniones:
2
Seguidores:
14
Idioma:
ES
Autor:
Fernando Alemán

Fernando Alemán

Título:

La elocuencia muda

Sinopsis:

El mayor peligro que puede presentarse en el desarrollo de una aproximación a la alfabetidad visual, es intentar sobre-definirla.

Votos:
7
Seguidores:
5
Idioma:
ES
FOROALFA ISSN 1851-5606 | Contactar | Publicidad | ©Luciano Cassisi 2005~2014